MOLÉCULAS ESSENCIAIS PARA A VIDA NA TERRA PODEM TER VINDO DO ESPAÇO

Nasa descobre evidências de que aminoácidos canhotos que formam todos os seres vivos podem ter vindo de asteroides

Os aminoácidos são usados para construir proteínas, que são usadas pelos organismos vivos para produzir estruturas como o cabelo e as unhas e para acelerar ou regular reações químicas. Essas moléculas existem em duas variedades que são a imagem em espelho uma da outra, como as nossas mãos. A vida na Terra usa a versão canhota exclusivamente para existir. Como a vida baseada na versão destra dessas moléculas poderia funcionar perfeitamente, na teoria, os cientistas estão tentando descobrir porque a vida terrestre favoreceu os aminoácidos canhotos.

Do grego Pan = total, e sperma = semente. Postula que a vida chegou na terra pegando carona em um corpo celeste.

Em março de 2009, pesquisadores do Centro Goddard de Voos Espaciais da Nasa relataram um excesso da forma isovaline, canhota, dessas moléculas vindo de um asteroide rico em carbono. Isso sugere que talvez a vida baseada nas moléculas canhotas tenha começado no espaço, onde as condições nos asteroides favorecem a criação de aminoácidos canhotos. Impactos de meteoritos podem ter fornecido esse material, enriquecido em aminoácidos canhotos, para a Terra.

Na pesquisa atual, a equipe relata ter encontrado excesso de isovaline canhota (L-isovaline) em muitos mais asteroides ricos em carbono do que se pensava anteriormente. Segundo os pesquisadores, isso comprova a descoberta inicial.

Os cientistas encontraram excesso dessas moléculas mais particularmente na água dos meteoritos CM1 e CR1, o que parece ser mais comum do que os pesquisadores pensavam anteriormente. A questão agora é o que cria esse maior número de aminoácidos canhotos nos asteroides.

Fonte: http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,moleculas-essenciais-para-a-vida-na-terra-podem-ter-vindo-do-espaco,668337,0.htm

.

Resenha do autor

O paleontólogo Stephen Jay Gould sempre cogitou essa possibilidade, A panspermia postula que a vida teria surgido em outro lugar do universo e não aqui na Terra. Essa proposta tem origem nos pensamentos do filósofo  Anaxágoras (Clazômenas, c. 500 a.C.Lâmpsaco, 428 a.C.), mas a sua versão mais moderna foi proposta por Hermann von Helmholtz em 1879.

É perfeitamente possível que tanto moléculas fundamentais para a formação dos primeiros blocos auto-replicadores que deram origem a vida quanto organismo ja constituídos possam pegar caronas em corpos que viajam pelo espaço.

Um exemplo é a bactéria Deinococcus radiodurans que é resistente a altas radiações e poderia muito bem ter viajado pelo espaço. Para que tal evento ocorra é necessários algumas condições especificas, com o impacto de um corpo celeste ocorre a ejeção de partículas que alcançam o espaço e levam de carona microorganismos. É necessário que o impacto não mate o microorganismo, e que ele esteja no centro do corpo celeste, pois quando o corpo celeste entrar numa nova atmosfera, ocorre um superaquecimento já que há contato com os gases dessa nova atmosfera.

Para que este organismo sobreviva, ele precisa se adequar as novas condições, na Terra isso pode ter sido fácil já que o planeta apresentava condições essenciais, coma presença de água e um nicho ecológico pronto para ser conquistado.

Vale lembrar que esta teoria demonstra o surgimento ou a colonização de um microorganismo e não sustenta nenhuma hipótese com finalidades ufológicas. Estamos tratando da vida no níveo microscópico e não postulando teorias de inteligência superior e experiências em discos voadores.

Scritto per Victor Rosssetti

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s