HOMEM MODERNO DEIXOU A ÁFRICA 65 MIL ANOS ANTES DO QUE SE PENSAVA. (comentado)

Cientistas descobriram ferramentas de pedra com 100 mil a 125 mil anos na Península Arábica

.

O Homo sapiens deixou a África em direção à Arábia cerca de 65 mil anos antes do que se pensava, e esse êxodo foi motivado por fatores ambientais em vez de tecnologia, disseram cientistas nesta quinta-feira, 27.

Os resultados do estudo, que será publicado na edição desta semana da revista Science, sugerem que os migrantes seguiram uma rota direta da África para a Península Arábica, e não viajaram pelo vale do Nilo ou Oriente Médio, como indicavam trabalhos anteriores.

Uma equipe internacional de pesquisadores avaliou um conjunto de ferramentas antigas que incluía machados, perfuradores e raspadores encontrados no sítio arqueológico de Jebel Faya, nos Emirados Árabes Unidos.

“Nossos achados devem estimular uma reavaliação dos meios pelos quais nós, seres humanos modernos, nos tornamos uma espécie global”, afirmou Simon Armitage, da Universidade de Londres, que participou do estudo.

Usando datação por luminescência – técnica que determina quando partículas minerais foram expostas à luz solar pela última vez -, os cientistas descobriram que as ferramentas de pedra têm entre 100 mil e 125 mil anos de idade.

Embora a data exata de saída da África do homem moderno tenha sido assunto de muitos debates, evidências anteriores apontam que o êxodo ocorreu ao longo da costa do Mar Mediterrâneo ou Arábico há cerca de 60 mil anos.

Hans-Peter Uerpmann, da Universidade Eberhard Karls em Tübingen, Alemanha, que liderou a pesquisa, explicou que a perícia descartou a possibilidade de as ferramentas terem sido feitas no Oriente Médio.

Segundo ele, esses instrumentos lembram os fabricados por seres humanos primitivos da África Oriental, sinalizando que “nenhuma realização cultural específica demandou que as pessoas deixassem a África”.

O trabalho mostra que fatores ambientais, como o nível do mar, eram mais importantes que as inovações tecnológicas para incentivar a migração. Os autores analisaram o nível do mar e registros de mudanças climáticas preservados na paisagem desde o último período interglacial – há cerca de 130 mil anos – para delimitar quando os humanos cruzaram a Arábia.

Eles descobriram que o Estreito Bab-el-Mandeb, entre a Arábia e a África, teria se tornado mais estreito naquele momento, como os níveis do mar mais baixos, proporcionando uma rota segura para fora da África, tanto antes quanto no início desse período interglacial.

Uerpmann disse que o estreito pode ter sido transitável na maré baixa, o que torna provável que os humanos modernos caminhassem por ele ou viajassem em balsas ou barcos.

Anteriormente, pensava-se que os desertos da Península Arábica teriam impedido um êxodo da África, mas o novo estudo sugere que a região se tornou mais úmida durante o período interglacial, com mais lagos, rios e vegetação, facilitando a sobrevivência do homem nessa travessia.

Fonte: http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,homem-moderno-deixou-a-africa-65-mil-anos-antes-do-que-se-pensava–diz-estudo,671954,0.htm

.

RESENHA DO AUTOR

Muitas pessoas podem criticar as descobertas da biologia evolutiva, especialmente a evolução humana. O fato é que nada na evolução humana é concreto, exceto a sua ocorrência. Como assim?

Sim,a  evolução ocorre, e assim criou o homem, o que não sabemos é os passos que a evolução deu para chegar a nós, não saber a história não significa que ela não existiu.

De fato é perfeitamente possível que o homem tenha realmente saído mais cedo, mas o êxodo da África não ocorre um ou duas vezes, mas sim inúmeras vezes.

Em um estudo o pesquisador Templeton buscou datar as saídas do homem do continental africano, ele usou treze haplótipos e datou vários pontos calibrando com os registros fósseis. Eles utilizaram DNA mitocondrial e do cromossomo Y.

O resultado demonstrou que um grupo de Homo erectus migrou da África para a Ásia a 1,7 milhões de anos, uma segunda migração ocorreu entre 800 e 400 mil anos também migrando para a Ásia e uma terceira migração entre 15 e 8 mil anos para a Ásia. Posteriormente ocorreram outras pequenas migrações de Homo sapiens primitivos voltando a África e indo para a Norte da Europa. Não podemos esquecer que houve uma migração da Ásia para as Américas, e que possivelmente tenha sido feita por diferentes populações vindas da Ásia e pela Ásia e que não citarei aqui, pois o caso é delicado. O homem passou por vários gargalos evolutivos.

Portanto, é sim perfeitamente possível que a 120 mil anos atrás tenha ocorrido uma outra migração que não tenhamos pego no registro fóssil e que achamos neste momento uma pista.

Devemos lembrar que a quase 2 milhões de anos já ocorria o Homo erectus e depois o Homo sapiens, é perfeitamente possível que eles tenham migrado varias vezes já que tiveram milhões de anos para passear pelo continente Africano e encontrar uma saída para o resto do mundo.

A cautela deve ser a principal ferramenta acima de tudo, pois o primeiro é preciso realmente saber se essas ferramentas citadas na reportagem são realmente do Homo sapiens, se realmente forem, vale a pena procurar mais sinais dessa(s) migração(ões), pois a conformação estrutural da árvore evolutiva do homem é desenhado e redesenhado de acordo com as evidencias, pois como eu já disse na evolução humana é concreto, exceto a sua existência.

Scritto da Rossetti

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s