QUAL O PAPEL DA GORDURA NO CORPO? (comentado)

Todo mundo sabe que muita gordura faz mal para saúde. E, apesar de termos que controlar as coisas deliciosas que comemos, uma certa quantidade de gordura é necessária para o bom funcionamento do organismo; infelizmente, nosso corpo não consegue produzi-la sozinho: boa notícia para a nossa boca.

Triglicérides, colesterol e outros ácidos gordos essenciais armazenam energia, nos isolam e protegem os nossos órgãos vitais. As gorduras atuam como mensageiros, ajudando as proteínas a fazerem seu trabalho. Elas também começam as reações químicas que ajudam a controlar crescimento, função imunológica, reprodução e outros aspectos do metabolismo básico.

As gorduras ajudam o corpo a estocar certos nutrientes também. As vitaminas lipossolúveis A, D, E e K são armazenadas no fígado e em tecidos adiposos.

O ciclo de fazer, quebrar, armazenar e mobilizar gorduras é o núcleo de como os seres humanos e todos os animais regulam a sua energia. Um desequilíbrio em qualquer etapa pode resultar em doenças, incluindo doenças cardíacas e diabetes. Por exemplo, ter triglicérides demais na corrente sanguínea aumenta o risco de entupimento das artérias, que pode levar a ataques cardíacos e derrames.

Sabendo que as gorduras desempenham um papel tão importante em tantas funções básicas do organismo, pesquisadores resolveram estudá-las em seres humanos e outros organismos. Apesar da importância de gordura, ninguém ainda sabe exatamente como os seres humanos as armazenam e ativam.

Para tentar compreender esses processos melhor, os cientistas pesquisaram triglicérides em lugares inesperados: bichos-da-seda, moscas e mosquitos.

Principal tipo de gordura que consumimos, as triglicérides são especialmente adequadas para o armazenamento de energia, porque guardam mais do que o dobro de energia que carboidratos ou proteínas.

Depois que as triglicérides são identificadas durante a digestão, são enviadas para as células através da corrente sanguínea. Algumas produzem energia imediatamente. O resto é armazenado dentro das células em bolhas chamadas gotículas lipídicas.

Quando precisamos de energia extra, por exemplo, quando corremos uma maratona, nossos corpos usam enzimas chamadas lipases para quebrar as triglicérides armazenadas. A fábrica de energia da célula, a mitocôndria, pode criar mais da principal fonte energia do corpo: o trifosfato de adenosina ou ATP.

Os pesquisadores estão tentando identificar, purificar e determinar as funções das proteínas individuais envolvidas no metabolismo de triglicérides. Eles foram os primeiros a purificar a proteína principal na regulação de gordura nos insetos, TGL, e agora querem entender o que ela faz. Eles descobriram também a função de uma proteína-chave chamada Lsd1, e estão pesquisando a LSD2.

O estudo poderia melhorar os nossos conhecimentos sobre doenças como diabetes, obesidade e doenças cardíacas, além do entendimento de como os insetos usam a gordura quando se metamorfoseiam e põem ovos.

Na hipótese de como perturbar esses processos, as descobertas poderiam levar a novas formas dos agricultores para proteger suas colheitas de pragas, e de agentes de saúde para combater as doenças transmitidas por mosquitos como a malária.

Mas, antes de tudo isso acontecer, os cientistas precisam ter mais informações em nível molecular. Um dos desafios da pesquisa é obter substâncias oleosas como a gordura para trabalhar em testes de laboratório, que tendem a ser à base de água. No entanto, as nossas células não podem funcionar sem a antipatia mútua entre água e óleo.

As membranas celulares “guardam” as células e as organelas dentro delas. Gordura, especificamente o colesterol, faz essas membranas serem possíveis. A membrana controla a água dentro e fora das células, enquanto que as extremidades não-gordurosas gravitam em torno da água. Nessas extremidades, as moléculas se alinham espontaneamente para formar uma membrana semipermeável. O resultado: barreiras de proteção flexíveis que, como seguranças em um clube, só permitem que as moléculas necessárias cruzem dentro e fora das células. [LiveScience]

FONTE: http://hypescience.com/qual-o-papel-da-gordura-no-corpo/

.

Resenha do autor

O excesso de peso é dado pela maior aquisição de alimentos e menor gasto, geralmente uma pessoa em seu peso normal gasta a mesma quantidade de energia que consome. Aspectos nutricionais representam mudanças em vários hábitos de vida, tanto que ultimamente a preocupação mundial aponta-se para as diferenças gritantes existentes entre a fome e a obesidade.

Fatores nutricionais são fundamentais não somente para o desenvolvimento do sistema nervoso no período fetal, mas durante toda a vida. Desta forma alguns nutrientes tem efeitos mais importantes do que outros.

Este é o caso do ferro, zinco e vitamina A. A deficiência de ferro pode afetar a produção de mielina (substância que envolve os neurônios), síntese de monoaminas e o metabolismo de celulas de determinadas áreas do cérebro, como o hipocampo, região responsável pela memória. A deficiência de zinco altera também o desenvolvimento das estruturas hipocampais e cerebelares. Ácidos graxos e gorduras polissaturaradas são essenciais para a função das membranas e auxiliam na sinaptogênese (formação de sinapses, ou seja, conexão entre os diversos neurônios). A deficiência de qualquer nutriente durante a 24 a 42 semanas de gestação pode causar efeitos graves no feto, principalmente do ponto de vista neurológico.

Durante o desenvolvimento da espécie humana os ancestrais utilizaram diversos alimentos diferentes que favoreceram as demandas essenciais para o desenvolvimento do cérebro, que somado a sua nova capacidade de ser bípede permitiu um desenvolvimento cerebral mais sofisticado. Claro que isto não aconteceu da noite para o dia, mas agora com uma demanda nutricional rica a liberdade dos membros e o desenvolvimento cerebral permitiu que novas atitudes tecnológicas pudessem se desenvolver. Assim, como desenvolvimento de novas tecnologias o homem começou a desenvolver sua inteligência e aspectos cognitivos.

A ligação entre nutrição e desenvolvimento cerebral foi fundamental para o homem que conhecemos hoje. A conversão de alimento em energia química para os diversos ramos da fisiologia favoreceu a atividade muscular, secreção de glândulas, síntese de substâncias e absorção de nutrientes no trato intestinal. A molécula responsável pela produção de energia é o ATP, trifosfato de adenosina, cujo 99% é proveniente de carboidratos.

Os produtos finais da quebra do carboidrato é a glicose, frutose, galactose e outras substâncias. Após a ingestão e redução destas substâncias, elas caem na circulação sanguínea e começam a entrar nas células. Entretanto, sozinha a glicose demoraria a entrar nas células por os poros na membrana celular uma vez que esta molécula é maior que o poro, quase o dobro do tamanho. Então a insulina entra em ação, otimizando até dez vezes mais a velocidade de absorção das células, assim, a intensidade da utilização dos carboidratos é dada pela intensidade de secreção de insulina pelo pâncreas. Normalmente o equilíbrio do peso entra neste ponto, onde o gasto de energia é proporcional a sua aquisição.

O glicogênio é a forma de armazenamento. As células hepáticas armazenam de 5 a 8% o seu peso em glicogênio, e as células musculares de 1 a 3%. Os lipídios também podem ser armazenados e incluem gorduras, triglicerídios, fofolipidios e colesterol.

Os trigliceridios e fosfolipídios são ácidos graxos. Os lipídios são armazenados nas células adiposas que produzem e armazenam triglicerídios a partir de carboidratos suplementando a produção de gorduras pelo fígado. O fígado degrada ácidos graxos utilizados na produção de energia, sintetizam triglicerídios a partir de carboidratos e outros lipídios a partir do colesterol e fosfolipídios. A degradação destes ácidos graxos ocorre nas mitocôndrias.

O armazenamento de substância de alto potencial energético é fundamental para grandes travessias Em busca de alimento e sobrevivência. Aves também conseguem adquirir uma grande parcela de gordura e seu corpo para realizar grandes migrações. As baleias tem a vantagem de usar a grossa camada de gordura como isolante térmico. Enfim cada animal que acabou armazenando gordura conseguiu atribuir ao armazenamento mais do que um estoque de energia, cooptando outras funções também.

Scritto da Rossetti

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s