DESCOBERTO GENE HUMANO EM UMA BACTÉRIA. (comentado)

Um lance do tipo Frankenstein foi descoberto no mundo da microbiologia. Cientistas encontraram um evidências de DNA humano no genoma de uma bactéria. Não qualquer bactéria, mas sim, a responsável por transmitir a doença sexualmente transmissível Gonorréia (Neisseria gonorrhoeae). Segundo os pesquisadores, esta novidade pode ajudar a entender porque estes seres conseguem se adaptar tão bem e viver em seus hospedeiros.

Os responsáveis pela descoberta ficaram surpresos porque, geralmente, são os vírus e as bactérias que deixam vestígios de sua contaminação nos humanos. De acordo com estudos, esta transferência lateral de genes é comum entre bactérias e organismos multicelulares. Mas esta é a primeira vez que os cientistas encontraram genes externos em uma bactéria. Ao invés de depositar um gene, ela roubou.

Aparentemente funciona assim: a bactéria pega uma sequência genética do hospedeiro que está infectando, uma nova habilidade que poderia ajudá-la a se adaptar. Segundo o professor de microbiologia e imunologia da Northwestern University Feinberg School of Medicine, Hank Seifert, esta habilidade adquirida pode capacitar a bactéria a desenvolver novas resistências e ficar mais forte. “Se este evento particular ofereceu vantagens para a bactéria da gonorréia, ainda não sabemos”, declarou o professor.

A descoberta foi feita enquanto cientistas examinavam sequências genômicas de diversas bactérias causadoras da doença. Três delas apresentaram pedaços de DNA que, dentro da sequência, eram idênticas a uma sequência encontrada em humanos.

No mundo todo, 50 milhões de pessoas são infectadas com gonorréia todo ano. A doença é tratada com antibióticos, mas não se pode esquecer que as bactérias conseguem se tornar resistentes a várias drogas. Estudar o fragmento de DNA humano da bactéria pode ajudar os cientistas a encontrar tratamentos mais eficazes. “O próximo passo é descobrir qual pedaço de DNA está indo embora”, disse Seifert.

Mas o importante mesmo é lembrar que gonorréia é uma doença sexualmente transmissível (DNA). Ao invés de ficar doando DNA para esta bactéria e tomando antibióticos para combatê-la, o melhor a se fazer é usar proteção na hora do sexo. A camisinha pode prevenir estes Frankensteins, DSTs e gravidez indesejada. É melhor prevenir que remediar. [PopSci]

Fonte: http://hypescience.com/descoberto-gene-humano-em-uma-bacteria/comment-page-1/#comment-98081

Resenha do autor

Impressionante, que bela e nova estratégia de corrida armamentista.

Eu só espero que não tenha havido contaminação na amostra e que tenha gerado este resultado. Por isso eu sugeriria uma medida mais cautelosa. Caso seja realmente verdade isso, eu serei obrigado a dizer aos criacionistas “Eu não falei”. Qual será a desculpa esfarrapada agora?

Scritto da Rossetti

Palavras chave: Rossetti, Netnature, microbiologia, evolução, bactéria

7 thoughts on “DESCOBERTO GENE HUMANO EM UMA BACTÉRIA. (comentado)

  1. Caro Rossetti,

    O texto é claro “Se este evento particular ofereceu vantagens para a bactéria da gonorréia, ainda NÃO sabemos”, declarou o professor.”

    Ou seja, ainda não há provas que esta mutação dará melhor defesa à bactéria, pois a grande maioria das mutações são deletérias.
    Ademais, isto não é nenhuma prova de uma suposta macroevolução vertical(uma espécie se transformar em outra diferente anatomicamente).
    E esta bactéria nunca se transformará num verme, nem em milhões de anos! Creia.

  2. Sim, concordo, é algo incerto, mas pode ser uma evidência de uma corrida armamentista. Também pode ser que não haja função alguma.
    Também não concordo que seja uma macroevolução, tenho minhas duvidas quanto a ocorrência dela. Me parece mais coerente a notavel escalada ao um monte improvavel. hheheh
    Também não creio que isso se torne outra espécie, quanto menos em um verme ou um cavalo marinho convergente. Pode ser apenas uma vantagem que favorecerá apenas uma geração. De fato nao acredito que para que uma espécie surja seja necessário o surgimento de uma nova estrutura. Lembro-me de um caso em que duas especies de grilos semelhantes anatomicamente e pertencentes ao mesmo genero foram classificadas em especies diferentes porque de fato as duas populaçoes não cruzavam entre si, mas o que tornava isso possivel era a vocalização. Inclusive em experimentos laboratorias quando eletrodos ligados a cabeca de uma dessas especies induziu uma sutil mudança no pradrao de vocalizaçao levou as duas populaçoes a se cruzarem novamente. Populaçoes geneticamente compatveis, gerando descendentes férteis. Muitas vezes a barreira que separa uma espécie de outro é bastante tênue. Mas creio que para que uma especie nova surge não seja necessariamenteo surgumento de uma nova estrutura.

  3. Rossetti – “De fato nao acredito que para que uma espécie surja seja necessário o surgimento de uma nova estrutura. ”

    Mas para surgir uma nova espécie, como prega a evolução é preciso justamente mudanças pequenas, graduais, cumulativas e lentas, que gerariam mudanças morfológicas nos seres.
    De um bichinho unicelular até chegar aos grandes répteis, mamíferos e NÓS!

    E tudo formado por combinações aleatórias de partículas, de acidentes químicos físicos? Será que forças cegas do acaso fariam isto? Acho mais sensato lógico e racional admitir uma Causa Inteligente para tudo isso.
    Abs.

    • Ola novamente Cícero, estou gostando de nossas conversas. Vamos lá, mudanças graduais sim, mas não significam que necessariamente precisam alterar a estrutura anatomica. A cada geração existe um re-embaralhamento genomico, aquelas que alcançam a idade para se reproduzir (e carregam uma informaçao vantajosa) e tem sucesso passa essa carateristica pra frente, como por exemplo digerir a lactose. Asiaticos não conseguem digerir a Lactose (açucar do leite) após se tornarem adultos, mas não deixam de fazer parte da mesma espécie que os que degradam o açucar do leite. Todos somos Homo sapiens. Assim como cachorros das mais diferentes variações geograficas são pertencentes a mesma espécie a Canis lupus.
      Acontece que pequenas e graduais mudanças podem eventualmente gerar novas estruturas, assim como comportamentos distintos, e ai sim se essa estrutura nova impede que aquele grupo se reproduza com grupo anterior, ai sim temos espécies diferentes. Eventualmente temos exceções como esse caso do grilo, que estão se tornando especies diferentes e o único caracter que manter essas suas populaçao separada e o padrao de vocalização.
      A seleção não é aleatória, a mudança no genoma é aleatória, a seleção não é, todos estão sujeitos. A partir do momento em que se tem espécies disputando uma com as outras num sistema a seleção natural atua sem a necessidade de um agente sobrenatural. De fato Darwin pensou em algo semelhante ao que voce pensa, e se sentiu o “capelão do diabo” porque ele reconehceu que pela primeira vez alguem havia dado uma resposta totalmente natural que explica a diversidade de espécies exstentes no mundo e como elas surgiram, estudando as variações dos tentilhões la em Galapagos por exemplo.

  4. Mas se os asiáticos não conseguem digerir a lactose, por que ainda usam leite de cabra e vaca na dieta?

    A seleção de fato existe, mas é limitada a mesma espécie, apenas alterando/recombinando material genético já existente para se adaptar/proteger de agressores externos, ex.: bactérias E.Coli e outras.

    A seleção gera mais especiação reduzindo informação genética para futuras mudanças.
    E o máximo que as pesquisas provaram foi apenas modificação ADAPTATIVA, e não uma suposta evolução vertical. Esta seria possível somente por mutações, porém …

    “A maioria das mutações que surgem em qualquer tipo de organismo é mais ou menos desvantajosa para seus portadores. As clássicas mutações obtidas em drosófilas revelam deterioração, destruição e desaparecimento de órgãos”
    (Dobzhansky, T. geneticista, Evolution, Genetics and Man p.105)

    Além disso a estabilização dos genes impediriam grandes mutações.(que seria fator de evolução)
    Pergunte isso para qualquer geneticista.

    Sobre as variações dos tentilhões (bico,cor) continuam sendo tentilhões.
    É como os cães, tem muitas variações, mas continuam cães da MESMA espécie.

    • A maioria é desvantajosa, se voce considerar que o tempo não é problema ao longo de milhões de anos aquelas que sao vantojosas modificam graduamente o organismo. Alguns grupos na Arica tambem são intolerantes a Lactose, e tem o caso da subst^ncia PCT por exemplo, para grande maioria das pessoas é amarga, mas cerca de 20% da populaçao nao sente o gosto da substancia e pode ingeri-la. Sim, continuam sendo tentilhões, mas não reproduzem entre si, o que caracteriza espécies diferentes. É o que eu digo, embora sejam da mesma espécie eles não são semelhantes geneticamente o que mostra que é possivel ter variaçoes sem surgimento de novas estruturas, veja o PCT.
      Veja o caso dos lagartos que colonizaram duas ilhas na Croacia, a populacao de uma ilha conseguiu chegar a outra e ao longo de 32 geraçoes surgiu estruturas anatomicas no sistema digestoria, um apendice capaz de digerir celulose devido a nova dieta que os lagartos adotaram. Ele se modificaram de talforma que não se reproduzem mais. O mesmo ocorreu e ainda esta ocorrendo no Comgo quando o rio separou duas populacoes a alguns milhoes de anos. Ate pouco tempo chimapzés e bonobos eram da mesma espécie, mas se sabe que apesar de ser geneticamente e anatomicamente semelhantes sutis mudanças e uma gama enorme de comportamentos dos bonobos os diferencia totalmente de chimpanzés.
      Noa é preciso mudança anatomica, e quando olhamos para milhoes de anos, adaptacoes pequenas ocorrem mudanças na bioquimica, na anatomia no comportamento, pequenas estruturas em besouros determinam a diferenciaçao de especies.
      Um exemplo legal, aquela estrutura do besouro, aquele chifrinho dele. muitas vees sao utilizado para cavar um buraco, uma toca para a femea, se ele usar aquilo tambem para brigar com um segundo macho, pode ter um valor adatativo muito maior que antes, ao longo de milhoes de anos a seleçao tendera a manter vivos aqueles que tiverem estruturas maior (ate certo ponto) e com epquenas protuberancias, ou aqueleque sabe usa-la utilizando uma estratégia melhor para vencer o macho, aquele que tiver uma protuberancia que lembre um segundo chifrinho menor que auxilie na briga. é um exemplo tosco, mas e assim que funciona. Dizer que a seleçao só mantem a adaptaçao não é a unica funcao dela, as adaptaçoes ocorrem no genoma, e ,idanças no genoma mudam a conformaçao estrutural de um organismo, portanto as que sao comprometedoras matam as que sao vantajosas sao amntidas, ao longo de milhoes de anos em alguns casos milhares e em alguns casos nao precisa de tanto tempo assim os organismos sao modificados.
      Existem as modificaçoes detrutivas, poucas sao vantajosas, algumas sao neutras, mas a mudança é gradual, e pode alterar a anatomia de um organismo, mas nem sempre, pode modificar a forma com que uma proteína que é uma enzima atua sobre uma substância, como a lactose.

    • Ah, negar isto, é negar que o homem selecionou artificialmente animais como pos caos, gatos, o gado, os porcos. Da mesma forma que usamos a seleção artificial para criar a couve, ou aves doceis a natural faz. A diferença é que o agente que mofica o organismo na artificial é o homem e na seleçao natural é o ecossistema que ele vive, com as pressoe seletivas, as disputas o clima…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s