“OLHOS” DE CRIATURA MARINHA CONDIZEM COM TEORIA DA EVOLUÇÃO. (comentado)

Charles Darwin considerava a evolução do olho humano como um dos maiores problemas que sua teoria tinha de explicar. Em “A Origem das Espécies”, ele escreve que a ideia de que a seleção natural pudesse produzir um órgão tão complexo parecia absurda.

Porém, Darwin dispersou esse aparente absurdo definindo uma série de passos pelos quais a evolução poderia ter ocorrido. Para tornar essa sequência bastante plausível, havia o fato de que algumas das formas de transição descritas por ele realmente existiam em invertebrados vivos.

Agora, uma equipe de pesquisadores americanos e europeus relata ter descoberto um olho que poderia representar o primeiro passo dessa evolução. Eles encontraram um globo ocular nadador.

“Este não é o ancestral do olho humano, mas é a primeira vez que tivemos um modelo dele”, diz o pesquisador de pós-doutorado na Universidade do Havaí Yale Passamaneck que, junto com seus colegas, relatam a novidade na revista online EvoDevo.

Os pesquisadores realizaram a descoberta enquanto estudavam uma espécie de braquiópodes, que vivem em conchas, mas são, na verdade, criaturas marinhas sem parentesco com os moluscos e que se assemelham a vermes. Os braquiópodes existem há mais de 500 milhões de anos, mas sua biologia sempre foi um mistério –não se sabe se podem ou não enxergar.

As larvas de braquiópodes com quatro dias exibem estranhas manchas negras em cada lado da parte frontal de seus corpos, que foram dissecadas por Carsten Luter, biólogo do Museu de História Natural de Berlim, e colegas. O grupo descobriu que cada uma dessas manchas era um par de neurônios –um para capturar luz e outro contendo pigmento. E estes, por sua vez, eram ligados a uma massa de mais neurônios, similar a um cérebro, dentro das larvas.

A anatomia sugere que as manchas eram olhos simples e Luter e Passamaneck, junto com os pesquisadores havaianos, descobriram que realmente havia genes fotorreceptores ativos nas manchas negras.

Para ser completo, Passamaneck verificou se os genes fotorreceptores ficavam ativos em outros estágios, mas aconteceu exatamente o oposto.

Passamaneck descobriu que os genes já estavam ativos bem antes, apenas 36 horas depois da fertilização, quando o embrião do braquiópode era meramente uma massa com algumas centenas de células.

O pesquisador ficou desconcertado porque, explica, “não existem neurônios nesse estágio”. Mesmo assim, ficou claro que a superfície externa daquela massa estava coberta por fotorreceptores.

TESTE

Para ver se os embriões estavam usando a luz de alguma forma, Passamaneck projetou um foco de luminosidade em cada lado de uma lâmina com embriões. O embrião do braquiópode é coberto por minúsculos pelos pulsantes, que ele usa para nadar num padrão em espiral. Passamaneck descobriu que, após 20 minutos, o dobro de embriões havia passado para o lado iluminado da lâmina.

Passamaneck e seus colegas sugeriram que as células conseguem detectar a direção da luz e usar essa informação para mudar o ritmo de seus pelos.

É possível, segundo Passamaneck, que no curso da evolução, nossos próprios olhos tenham surgido como globos oculares nadadores. Somente mais tarde a função de capturar a luz foi relegada a apenas algumas células, que conseguiam enviar sinais a suas vizinhas. E somente muito tempo depois essas células especialistas começaram a transmitir sinais ao cérebro.

Especialista na evolução da visão da Universidade da Califórnia, Todd Oakley classificou os resultados como “estimulantes”. Mas avisa que, só porque o gene fotorreceptor estava ativo no embrião inicial, isso não significa necessariamente que os braquiópodes conseguem ver. “Outros possíveis mecanismos fotorreceptivos também devem ser estudados e descartados. Uma correlação não implica em causalidade.”

FONTE: http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/886686-olhos-de-criatura-marinha-condizem-com-teoria-da-evolucao.shtml

.

Resenha do autor

Bom, mais um pequeno passo da evolução em direção a escalada do monte improvável foi encontrado. De fato o achado merece mais estudos. Este ultimo parágrafo da reportagem que deixa em aberto as criticas. Fotorreceptores são tem um valor adaptativa. Uma célula ou um simples animal que consiga distinguir onde há luz e onde não há pode ser a chave entre a sobrevivência e sua morte. Obviamente que 1% de visão é melhor do que visão alguma, 2% é melhor que 1%, e assim a evolução caminhou, não com a finalidade de construir um organismo super visual. O objetivo não era chegar ao homem. Podemos pensar que o que vemos hoje é o 100% de visão para nós no presente, mas quem sabe num futuro distante uma variação permita visões diferentes. O futuro é incerto.

Olhos de inseto. Multifacetado, cada estrutura circular que vemos em seu olho é um omatídeo.

A seleção natural apenas trabalhou e ainda trabalha para manter os organismos vivos. As pequenas mudanças que permanecem no genoma de organismos vivos são passadas a geração seguinte, e ao longo de milhares e milhões de anos essas pequenas mudanças podem ser expressas em comportamento, na fisiologia, na anatomia podendo gerar isolamento reprodutivo e novas espécies.

A presença de um olho é fundamental hoje, claro que algumas pessoas discordam das idéias de Darwin e vão distorcer toda a explicação dada por ele e por Dawkins. Algo é bastante coerente, 60% de visão é melhor do que 59% ou alguém acha que o contrário seria é vantajoso?

Animais de caverna possuem olhos que são infuncionais, a estrutura esta presente mas eles não atuam, como um criacionista explicaria isso? Eu gostaria de ver uma explicação cientifica de porque um projetista universal criaria um animal com olhos infuncionais utilizando uma metodologia cientifica para provar que este projetista existe. Ou seria o projetista um amador capaz de cometer erros feios como este, ou como os pseudo-genes, ou como o nervo laríngeo recorrente, ou o ducto seminífero nos homens? É um desafio. Provem cientificamente que há um projetista e que ele criaria um animal com olhos sem função e eu descarto a evolução neste site. Tentem ser coerentes com o que dizem.

Em situações experimentais foi possível reativar esses olhos, unicamente porque os peixes ainda continham os genes e seus alelos para a produção dos olhos e quando foram expostos a uma condição em que havia luz, ao longe de algumas gerações os olhos se tornaram funcionais. Não há segredo, é a genética explicando, expressando o seu repertorio fenotípico diante da demanda ambiental.

Scritto da Rossetti

Palavras chave: Rossetti, Netnature, Olhos, evolução, Darwin

One thought on ““OLHOS” DE CRIATURA MARINHA CONDIZEM COM TEORIA DA EVOLUÇÃO. (comentado)

  1. Acho que a explicação está justamente no fato de que os olhos apenas perderam a função, ao longo das várias gerações, devido a ausência de luz na caverna. Expostos à luz, eles voltaram à funcionalidade como antes (quando seus ancestrais viviam fora das cavernas).

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s