ESTUDO DE 1958 PODE AJUDAR A DEMONSTRAR COMO COMEÇOU A VIDA NA TERRA.

Ex-aluno de Stanley Miller encontrou amostras de um estudo que podem esclarecer processo de surgimento de aminoácidos na Terra

Amostras de um estudo de 1958 encontradas recentemente podem trazer respostas na compreensão dos processos que criaram as primeiras formas de vida na Terra. O trabalho é apresentado na edição desta segunda-feira, 21, da revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

Stanley Miller em seu laboratório em 1970.

 

Um ex-aluno de Stanley Miller encontrou amostras de um experimento similar à experiência de Urey-Miller (ou “sopa orgânica”). Jeffrey Bada decidiu então estudar as amostras que, até onde se sabe, permaneceram intocadas após o estudo original de Stanley Miller em 1958.

Na experiência de Urey-Miller, de 1953, os cientistas presumiram que a atmosfera da Terra recém-formada fosse similar à de Júpiter, rica em hidrogênio, água, amônia e metano. Então Miller e Urey dispararam cargas elétricas, simulando raios, nesta “sopa elementar”. O resultado, que surpreendeu a muitos, foi a formação espontânea dos aminoácidos glicina e a alanina, moléculas elementares para a vida na Terra.

Após esse experimento, considerado por muitos uma demonstração de como a vida começou no planeta, Miller realizou um estudo similar cinco anos depois. As amostras foram arquivadas e, segundo se sabe, nunca mais foram estudadas. Agora, mais de 50 anos depois, Jeffrey Bada relata que novas análises das amostras de Sulfeto de hidrogênio mostram que havia uma diversidade de compostos orgânicos na Terra no início de sua formação cuja existência ainda era desconhecida.

A análise de Bada utilizou métodos que ainda não estavam disponíveis para Miller e corroborou a tese de que erupções vulcânicas (principal fonte de Sulfeto de hidrogênio na Terra) acompanhadas por raios podem converter gases simples em uma ampla gama de aminoácidos, base das proteínas e da vida na Terra.

Bada também descobriu que os aminoácidos produzidos pelo experimento de Miller com Sulfeto de hidrogênio são similares àqueles encontrados em meteoritos. Isso apoia uma hipótese de que processos como os que foram realizados no laboratório são um modelo de como material orgânico pode se espalhar pelo universo, podendo proporcionar as sementes para a vida extraterrestre.

Fonte: http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,estudo-de-1958-pode-ajudar-a-demonstrar-como-comecou-a-vida-na-terra,695133,0.htm

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s