MOLÉCULAS ORGÂNICAS DESCOBERTAS EM PEDAÇO DE ASTEROIDE (comentado)

Cientistas italianos fizeram testes com um pedaço de asteróide e descobriram que ele é capaz de formar moléculas orgânicas essenciais para a vida no nosso planeta.

O asteroide em questão caiu na Terra no dia 28 de setembro de 1969, nas proximidades do vilarejo de Murchison, em Victoria, Austrália. Testes mostraram que ele estava cheio de aminoácidos e outros compostos químicos encontrados no nosso material genético. Esta descoberta mostra que o espaço não é um lugar “esterilizado” como se pensava e que a química orgânica está presente por lá, também. Esse pode ser um sinal de que as moléculas responsáveis pela vida aqui na Terra podem ter vindo do espaço. Por enquanto, são só especulações.

Mas, como essas moléculas se formaram? De acordo com Raffaele Saladino e seus colegas da Universidade de Tuscia, de Viterbo, Itália, se perguntam se elas não se formaram dentro dos asteroides e parte deles, os meteoritos, se soltou e chegou por aqui. O grupo de cientistas sabia que uma molécula simples, chamada formamida, está presente no espaço e que pode se transformar em diversas biomoléculas. Eles tomaram esta evidência como ponto de partida.

Os pesquisadores pegaram um grama do meteorito Murchison, transformou em pó e removeu todas as moléculas orgânicas, deixando apenas o mineral. Elas foram misturadas com formamida e aquecidas a 140ºC, por 48 horas. A reação produziu ácidos nucléicos – bases do DNA e RNA – além de glicina, ácidos carboxílicos e um precursor do açúcar. Isto sugere que o asteroide de onde veio o Murchison era uma “fábrica de substâncias químicas”, disse Saladino.

O grupo também verificou que os mineirais do meteorite eram capazes de estabilizar RNA, que alguns consideram o primeiro material genético surgido. As moléculas de RNA reagem com a água e quebram com facilidade. A maioria dos minerais acelera esse processo, mas os cientistas italianos perceberam que os minerais do Murchison não o faziam. “Se RNA pudesse ser sintetizado, dentro do asteroide, o ambiente garantiria que ele não iria se desestabilizar”, conclui Saladino. [NewScientist]

Fonte: Hypescience
http://hypescience.com/moleculas-organicas-descobertas-em-pedaco-de-asteroide/

 .

Resenha do autor

Ainda sim permanecem as dúvidas, onde realmente a vida surgiu? Poderia ter surgido mais de uma vez? Como essas moléculas poderiam ter sido criada? Como no espaço surgem moléculas capazes de gerar a vida?

Aqui cabe uma distinção fundamental entre geração abiogênese e bioquímica da vida.

A bioquímica da vida explica como ao longo de milhares de anos passo a passo como moléculas auto-replicadores passaram do estagio de simplesmente se replicar para guardar informações hereditárias.

Isso não tem relação alguma com a geração espontânea onde diferentes formas de vida complexa surgem espontaneamente.

Existe uma distinção clara nisto, o processo gradual, ou seja, passo a passo, como a escalada de um monte e o processo saltista, onde da base da vida ou de sua ausência surge uma forma de vida complexa, ou da base do morro se pula ate o topo.

Scritto da Rossetti

Palavras chave: Rossetti, Netnature, Origem da vida, Bioquímica da vida, Geração espontânea.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s