PRIMATAS ESQUECIDOS PELO TEMPO

Oligoceno, entre 34 e 22 milhões de anos.

Caracterizados pelo aparecimento de muitos mamíferos, os primeiros cavalos com apenas três dedos e que se fundiram e deram origem ao casco dos cavalos atuais. Surgem também os primeiros elefantes e grandes mamíferos que conhecemos hoje.

O nível de atividade vulcânica era alto e as geleiras da Antártica começavam a se formar, diminuindo assim o volume de água dos oceanos.

A Índia se choca com o continente Asiático.

As angiospermas dominam todo o planeta, mas somente no Mioceno entre 22 até aproximadamente 5,5 milhões de anos atrás que a nossa jornada começa. A Antártica se forma por completo, dando origem a aquele manto polar na qual conhecemos hoje. Os tubarões atuais se irradiam por todo o globo dando origem a diversas espécies e ecótipos. Hoje são mais de quinhentas espécies, sendo que duzentas delas vivem em oceano profundo, desde o tubarão baleia até o tubarão da Groenlândia cujo comportamento sedentário se modificou graças a atuação do homem em seu habitat.

Nesse tempo surgem os primeiros antropóides. Os antropóides ou símios são caracterizados pela ausência de cauda, são “quadrúpedes” e as vezes bípedes, locomovendo-se por braquiação, ou seja, utilizando os nós dos dedos como base para seu caminhar desengonçado, como fazem os gorilas, gibões, chimpanzés e orangotangos. Além disso, apresentavam também uma face ortognata, isso quer dizer que ele tinham uma face projetada para trás, como a nossa. É muito importante dizer que os antropóides não são macacos, quando vamos ao zoológico e vemos um gorila ou um chimpanzé pode ter certeza que  eles não são macacos e sim símios, os macacos são totalmente quadrúpedes, geralmente apresentam caudas (salvo algumas espécies), se locomovem aos saltos e apresentam seu focinho longo, chamado prognata, como fazem o  macaco prego e muitos outros.

No Mioceno, mais de 100 espécies diferentes de símios co-existiam onde hoje é a França, China, Quênia, Namíbia e outros locais próximos formando aproximadamente 40 gêneros diferentes. Dentre eles, 14 viveram na África entre 22 e17 milhões de anos.

Eles variavam muito em formas e pesos, existindo alguns de 3 quilos, e outros pesando mais que um gorila, como o Afropithecus ou o Proconsul.

Este último podia pesar entre 10 e 80 quilos, apresentando pelves e escapulas adaptadas a vida arborícola e com uma mobilidade maior nos pés, mãos, braços e tornozelos quando comparados com outros primatas. Eram contemporâneos aos primatas da Eurásia, os Heliopithecus e Gripopithecus.

Por volta de 13 milhões de anos surgem os Sivapithecus na Ásia e os Dryopithecus na Europa, o primeiro pode ser ancestral dos primeiros orangotangos.

Todos eles comedores de frutas e com adaptações nos cotovelos para promover fantásticos movimentos com os membros. Um grupo de pesquisa conseguiu identificar alguns pedaços, incluindo mandíbulas, maxilas, dentes e crânio de uma espécie de primata da Grécia chamado Ouranopithecus macedoniensis. Esse primata viveu por volta de 9 milhões de anos e se alimentava de raízes, sementes e tubérculos vivendo em ambientes relativamente abertos. Estudos foram feitos no tipo de dentição mandibular desse organismo comparando com outros organismos da época como o Afropithecus, Proconsul,  Dryopithecus, Lufengpithecus e Gigantopithecus.

Duas possíveis filogenias sobre os primatas

A aproximadamente 7 milhões de anos os Dryopithecus dão origem a duas possíveis novas linhagens de primatas, na Grécia surgem os Ouranopithecus e na Itália os Oreopithecus. No entanto uma virada brutal no clima acaba extinguindo os primatas da Eurásia e fazendo com que os únicos sobreviventes Sivapithecus e Dryopithecus migrassem para a China e sudeste Europeu.

 Nessa mesma época ocorre a diferenciação de uma linhagem de primatas que daría origem aos chimpanzés e os bonobos.

Estudos mostram que essa população em comum ancestral desses dois símios foi dividida em duas populações de acordo com uma mudança de curso do rio Congo na África e fez com que essa população originasse a espécies diferentes com o decorrer dos anos, um fenômeno comum chamado de especiação alopátrica.

Se analisarmos os ossos de um chimpanzé e de um bonobo não acharemos diferença anatômicas muito grandes, pois são idênticos na visão de um leigo, talvez apenas um especialista soubesse dizer essas diferenças entre ambos, mesmo porque externamente um bonobo é um chimpanzé apresentam apenas algumas pequenas mudanças morfológicas como nariz, testa e outras, e comportamentais, pois o estilo de sociedade adotada pelos bonobos não são tão agressivas quanto a dos chimpanzés.

A sociedade estabelecida por um grupo de chimpanzés é chefiada por um macho, que geralmente são agressivos uns com os outros. Diferente dos bonobos, onde a sustentação social deles é dada pela fêmea, e de alguma forma eles utilizam o sexo e a masturbação para aliviar o estresse e a tensão, muitas vezes a masturbação é realizada pelos machos ajudando uns aos outros. Em sua sociedade o sexo não é apenas para a reprodução e sim como uma forma de lazer ou de prazer, sendo feito em várias posições.

 Os orangotangos também se masturbam com frequencia, mas tem peculiaridades muito especiais, são animais mais isolados, mas em alguns locais quando andam em sociedade, se houver muitos machos um orangotango adolescente pode estender mais ainda sua adolescência enquanto não achar espaço para se maturar e vira adulto, pois a presença de muitos machos adultos pode por sua vida em risco, pode gerar competições. Isso envolve uma questão hormonal complexa e pouco estudada. Muitas vezes o orangotango adolescente estupra uma fêmea. Os oragotangos se divergiram dos outros primatas não humanos a quatorze milhões de anos.

Os chimpanzés verdadeiros surgem a aproximadamente 6 milhões de anos atrás, os gorilas a 10 milhões de anos e os gibões por volta de 19 milhões de anos atrás.

Por volta de7 a8 milhões de anos atrás surge o que seria o primeiro ancestral dos homens. Alguns pesquisadores encontraram um crânio fossilizado que pode pertencer a linhagem que deu origem ao homem, esse crânio foi datado em 29 milhões de anos, e demonstrou que a capacidade mental desses primatas antigos eram limitadas.

Aegyptopithecus zeuxis

O nome do organismo é Aegyptopithecus zeuxis e o fóssil pertencia a uma fêmea sendo que já foi encontrado um macho exemplar, eles apresentam um dimorfismo sexual bem acentuado e tudo indica que sua linhagem já tinha se separado da linhagem dos lêmures apesar de ambos apresentarem um cérebro relativamente do mesmo tamanho, conferindo um córtex visual relativamente amplo, característico de primatas e seu olhos eram típicos de um primata diurno . Mas só pelo fato de encontrarmos registros fósseis de organismos que apresentam uma ou mais características humanas e simiescas já nos da motivo para acreditar que compartilhamos nossa historia  com a dos outros animais.

É por isso que biologicamente somos considerados primatas.

Scritto da Rossetti

Palavras chave: Rossetti, Netnature, Primatas, Orangotangos, Proconsul, Afropithecus.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s