EVOLUÇÃO HUMANA, UM OLHAR A SUA BIOMECÂNICA.

A biomecânica estuda as movimentações possíveis dos seres vivos, é o estudo da estrutura e das funções das unidades biológicas utilizando métodos da mecânica, tais como a locomoção. Existem diversas formas de se deslocar dentro do espaço. Existem algumas definições que devemos tomar antes de discutirmos o bipedismo humano.

Primeiro, o deslocamento consiste em partir de um ponto no espaço até outro, sob a perspectiva da física a menor distancia entre dois pontos é uma reta. Diferente do movimento, que pode ocorre sem que haja deslocamento no espaço ao longo do tempo.

A segunda questão é que as unidades biológicas podem se locomover dentro do espaço de diversas formas: rastejando, nadando, pulando, caminhando ou voando. Rastejando como os primeiros metazoários, nadando como os primeiros peixes assim como nos tetrápodos que também puderam caminhar a 380 milhões de anos.

E caminhando de forma bípede como as aves e alguns privilegiados mamíferos como os primatas. Voando como os insetos, aves e pterossauros e mamíferos.

Animais diferentes filos desenvolveram formas de se locomover semelhantes, mamíferos podem caminhar de forma quadrúpede, bípede, braquiação, voando, nadando (baleias, mustelídeos e outros).

Os primatas de grande porte como orangotangos, gorilas, chimpanzés caminham usando o método de braquiação, utilizando o nó dos dedos como apoio.

Caminhamos pelas ruas ao ir para o trabalho – ou em busca de um – sem nos tocarmos quantas modificações ocorreram em nossos ancestrais para que tivesse esse resultado que nos acompanha hoje.

De fato, essas mudanças cobram preços caros muitas vezes, como problemas de coluna, de articulações no joelho e no pulso são resultado na nossa postura bípede. Isso é um preço que pagamos por mudanças evolutivas que ocorreram quando eram “mais primatas”, assim como carregamos preços evolutivos mais distantes como: soluços – preservado de ancestrais aquáticos e anfíbios, e problemas gonadais preservados de ancestrais com peixes.

Podemos compara nossas modificações com as mudanças estruturas grandes que ocorreram entre as girafas e as Ocapias.

As mudanças genéticas modificaram de tal forma a preservar indivíduos com o mesmo número de vértebras – inclusive igual a de humanos, 7 vértebras – mas geram organismos diferentes. A formação de um pescoço alto levou a modificações bruscas, inclusive fisiológicas no sistema circulatório.

Nos hominídeos essa mudança de postura gerou variações que foram fundamentais para a formação que encontramos hoje em nossos corpos. O bipedismo pode ter surgido de forma abrupta sem a necessidade de formas intermediarias como se pensava. Os registros fósseis mostram que a 4 milhões de anos atrás nossos ancestrais Australopithecus afarensis já eram um caminhante bípede muito semelhante a nós com as estruturas e morfologia do pé adaptada a vida bípede, embora provavelmente pudesse subir em arvores em busca de alimento. Registros fósseis mais antigos datados de 7 milhões de anos mostram que o Sahelanthropus tchadensis já poderia ser bípede, embora não em tempo integral, assim como ocorre com os chimpanzés. Este hominídeo tinha o forame magno – orifício aonde se encaixa a coluna vertebral- localizado bem no centro da base do crânio. O fêmur de outro hominídeo de 6 milhões de ano chamado Orrorin tugenensis tinha proporções puramente bípedes, com uma inclinação no colo do fêmur que formava uma angulação no restante do osso. Existe uma controvérsia muito grande a respeito do Sahelantropus e o Orrorin que tornam esses indivíduos grandes questões na arvore da vida humana (veja aqui)

Mesmo assim, é garantido dizer que os Australopitecineos eram os únicos bípedes com morfologia bípede garantida segundo Lovejoy.

Muitas mudanças fisiológicas são fundamentais para que um organismo deixe de ser um animal que se locomova por braquiação e começa a se deslocar de forma bipedálica.

São necessários glúteos bem posicionados ligados na lateral do osso pélvico para que tenham um formato correto para sustentar o peso do corpo, caso contrário apresentariam um andar bípede desengonçado como o de um chimpanzé. O chimpanzé por não apresentar glúteos bem posicionados e desenvolvidos quando se torna bípede em situações específicas tem de obrigatoriamente dobrar os joelhos. Os glúteos no homem passaram a fazer patê da estabilização da postura ereta e não tinha mais a responsabilidade de impulsionar o indivíduo esticando o músculo do quadril.

O osso da pelve só é funcional quando ele é mais largo, pois auxilia no equilibro e distribuição do peso do corpo por igual diante da ação da gravidade. Em primatas que se locomovem por braquiação o centro de ação da gravidade se encontra no centro do tórax logo abaixo do manúbrio. Assim, nesta posição o Sol bate diretamente sobre as costas do primata, no homem bípede o sol cai diretamente sobre a cabeça e ombros. Especula-se também que o bipedismo auxiliar numa melhor visão do horizonte sobre a mata avistando eventuais predadores que poderiam atacar na savana africana. Também favoreceria o uso dos membros anteriores já que estavam livres de qualquer apoio, permitindo carregar alimento e suas crias. Obviamente que uma pelves alargada fechou-se de forma significativa o canal por onde a criança nasce, tornando o parto humano assistido, ou seja, via de regra, o homem necessita de alguém que o auxilie a realizar o parto, pois se a fêmea inclinar seu corpo e tentar puxar seu filho pelo canal vaginal a inclinação de seu corpo influencia o bebe de tal forma a desloca-lo do jeito errado podendo mata-lo. Preços de um passado evolutivo.

O colo do fêmur tem de ser alongado permitindo a formação de uma inclinação em direção ao joelho. Caso contrário não ocorreria os movimentos corretos e o amortecimento dos movimentos sobre as estruturas do joelho, que são estruturas que auxiliam inclusive na rotação do indivíduo. O formato do pé deve ser reto com uma declinação lateral na porção medial e não curvado como o dos grandes primatas que estão aptos a se locomover em árvores.

Dentre as mudanças mais significativas estão: mudanças nasorofaríngeas e nos músculos intercostais também são fundamentais para auxiliar no controle da respiração, até mesmo o homem moderno quando criança e deixa de engatinhar e passa a andar ereto perde milhares de neurônios localizados no cérebro e coluna, justamente por essa mudança de postura. Mudanças da faringe e extremidade superior do esôfago, a medula espinhal engrossou possibilitando um controle motor melhor durante a respiração, isso é visto nos indivíduos do gênero Homo erectus que tinham as vértebras lombares menores. Essa mudança posteriormente influenciou na evolução do homem permitindo o desenvolvimento do sistema nervoso e da fala. Mudanças no aparelho vestibular também ocorreram, o sistema vestibular é responsável pela manutenção do equilíbrio. Mudanças no sistema circulatório também ocorreram, pois quando estamos eretos a forma com que o sangue circula e diferente, caminhando em veias que cercam a medula, o sangue que parte do cérebro desce até a base da espinha por vasos menores e aumentam a velocidade.

Além de mudanças comportamentais que trouxeram vantagens na caça, dieta, seleção de habitats para viver e construção de ferramentas. O preço que pagamos por estas inovações é que o bipedismo nos trouxe estabilidade no andar embora nossa potência tenha caído muito. E eficiência energética no nosso caminhar aumentou embora tenha caído durante atividades de escalada.

Após 4 milhões de anos de o cérebro do homem moderno surgiu e estava pronto para desempenhar mais do que aquilo que ele foi programado a fazer. Exercer mais que apenas suas funções fisiológicas foi algo que Wallace não conseguiu aceitar como fruto da seleção natural e fez com que o pobre definhasse diante de um deus. Atualmente especula-se que o bipedismo poderia ter surgido devido a posição de cócoras durante a alimentação.

Scritto da Rossetti

Palavras chave: Netnature, Rossetti, Bipedismo, Evolução Humana

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s