SCHOOL VOUCHERS AND THE RELIGIOUS SUBVERSION OF CHURCH-STATE SEPARATION (comentado)

Under the pretext of parental ‘choice’, the right is using vouchers to establish religion in public education – with Romney’s blessing.

School vouchers enable federally-funded religious schools to teach creationism rather than evolution as science, without hindrance from the government. Photograph; Philipp Kammerer,Alamy

“Choice” is such a nice word that everybody wants to have it on their side.

“Choice” is also a fuzzy word, which may be why Mitt Romney is willing to call himself a supporter of “school choice”. In the strange language of education politics, “choice” sometimes means advocating the partial privatization of school systems through charter schools – which Romney supports. It can also indicate support for voucher programs, which is another thing altogether – and which Romney is said also to support.

Charter schools are constrained by the same laws and policies that, for example, prohibit public schools from endorsing religion. Vouchers, on the other hand, allow parents to use public money to pay for private, mostly religious schools that are largely unaccountable to the public. So, for example, a voucher school may use your taxpayer dollars to teach its students that the earth is 6,000 years old. And a number of such schools now do just that.

You don’t have to be a constitutional scholar to get that using public money to fund religious schools violates the letter and spirit of the first amendment. Even the radical conservatives in today’s Federalist Society would agree that the US constitution would not allow the government to cut a check to, say, the local mosque in exchange for supplying education to local schoolchildren. That is why they invented “vouchers”: by pushing the “choice” to use government money to subsidize religion down to the parents, the government can fund religious schools while pretending that it is not.

The strategy of calling something what it isn’t begins at the top. In the Zelman v Simmons-Harris decision of 2002, the conservative majority of the US supreme court lined up in a 5-4 decision to rule that an Ohio vouchers program did not violate the clause of the first amendment that prohibits the government from establishing religion, even though 96% of the students in the program wound up in religiously affiliated schools. The majority claimed that since the parents were free to choose among a variety of schools, the state was not involved in any establishment of religion. In his dissent, Justice Souter observed:

“This result violates every objective the establishment clause has ever been thought to serve.”

In 2011, the supreme court once again used linguistic trickery to strike a blow to the separation of church and state. A group of Arizona taxpayers brought suit against their state for a program that used tax credits as means of delivering money from the government to the religious schools of parents’ choice. But the five conservatives on the court argued back that since the program relied on a tax credit to individuals, the plaintiffs’ taxes themselves were not being used for the program – and so they had no standing to sue. Justice Kagan noted that the garbled reasoning behind the majority decision would make it impossible for any taxpayer to object to government support of religion.

The supreme court decisions helped to set the stage for the present voucher renaissance, but the real action is in the statehouses, where dozens of voucher bills have passed or are up for a vote. In many states, the path to voucherdom follows a carefully plotted route designed to circumvent pesky first amendment concerns. Some of the first voucher programs are aimed at disabled children. After all, who would want to stop disabled children from seeking private education where the state schools are unable to help them?

From the disabled, the programs then expand to cover low-income students and regions. The answer to the problem of grossly underfunded public schools in low-income areas, evidently, is to give them even less money. The long-term vision is to raise the definition of “low-income” to the point where everyone who wants to can funnel public money to their favorite religious academy.

You can learn a lot about a policy idea by seeing who its friends are. Advocates of voucher programs include the activist organizations of the religious right, such as the Alliance Defense Fund and Focus on the Family. School choice activist Mae Duggan, founder of a voucher front group called Citizens for Educational Freedom, who presided over a 2010 meeting in San Francisco with representatives of over 300 pro-voucher organizations, made the motivation explicit:

“We don’t want people teaching humanism. Secular humanism is the basis of the public schools.”

Another dose of support comes from the libertarian wing of America’s shouty political scene. These are the people who think that government is mysteriously cursed with a Midas touch in reverse – everything it touches turns to waste. Clint Bolick, a member of the Council for National Policy and president and founder of the Phoenix-based Alliance for School Choice, quotes his hero Milton Friedman at length describing “government schools” as “a socialist enterprise”.

The real money behind the voucher movement, however, comes from real money. Many of the voucher bills passing through state houses are the work of the American Legislative Exchange Council, or Alec, as well as pro free-market thinktanks such as the Heartland Institute and the Heritage Foundation. These organizations engage in aggressive lobbying efforts in favor of what they call “school reform”. They are backed by big oil, Koch Industries, Walmart – the kind of corporate entities that Romney would call “people”.

Once upon a time, corporations took an interest in supporting strong universal public education because they understood that the long-term health and competitiveness of the economy depends on an informed and rational citizenry. Some good corporate citizens still hold on to that value system. But they are not the ones driving this bus.

What’s in it for the money people? In part, it’s about the opportunity to make more money. If the public schools are privatized, someone stands to make a lot from government contracts. A more alarming motive, however, is that some of this money hates public education in the same way that the religious conservatives hate it – though with a twist. The religious conservatives hate the teaching of evolution and other forms of “secularism” they see in every corner of the schoolroom; whereas the corporations behind Alec and Heartland oppose the teaching of climate science. They both support efforts to “teach the controversy” in their areas of concern. It’s hard work to get state legislatures to pass bills undermining the teaching of science – though in Tennessee, they’ve just done that, following the trail blazed by Louisiana. But if you can use vouchers to funnel the money to private schools that have a more convenient opinion on such matters, problem solved – at least, until the earth boils over.

The problem with pretending that you are doing something that you are not is that reality doesn’t have to go along with the game. Voucher programs involve the establishment of religion, and they will inevitably bring with them the harms associated with the undue mingling of church and state. Once government vouchers become a major source of funding for religious institutions, can anyone imagine that the government will not use the power of the purse to curtail teachings of schools run by minority religions that may be considered “cults” or “un-American”? Instead, only perceived majority religions will be allowed to exercise the “right” to teach children according to their own conscience.

In the long run, “school choice” means that students and parents will, in effect, have to choose their religion when they choose their education. The government, in turn, will become captive to the influence of those religious sects that move fastest and acquire the largest share of government funds. And many children will miss out on one of the most valuable lessons that schools can teach: how to get along with those who are different.

Fonte: The Guardian

.

Resenha do autor

Mitt Romney está disposto a ser chamado de defensor da escolha na escola. De fato, escolha quer dizer defender a privatização parcial do sistema escolar. Uma escola privada como a Mackenzie opta por não ensinar a evolução e trata as ideias de Darwin como um mero ponto descartável dentro da história da ciência moderna.

Por essa razão já conversei com biólogos formados nessa instituição cuja noção do que realmente propõem a biologia evolutiva era totalmente defasada, descontextualizada e por vezes até criacionista sem que o aluno perceba.

O caso é que Mitt Romney quer fazer o mesmo, porém em escolas públicas. Nada diferente do que fez Rosinha garotinho que em sua gestão. Ela permitiu que sua crença pessoal refletisse no ensino publico da comunidade em que governava. Nada mais anti-ético e mesquinho do que eu impor as minhas vontades e meu pensamento dentro da cabeça de pessoas através da escola, do veículo de aprendizagem que deveria promover a criticidade e não a programação de crença em um Deus cujo governante acredita.

O que querem fazer nos EUA é propor que os pais possam optar por usar dinheiro público para pagar escolas privadas para seus filhos. Por exemplo, uma escola dessas pode usar os dólares do contribuinte para ensinar seus alunos de que a Terra tem 6.000 anos de idade, utilizando a verba do governo destinada a escolas publicas.

Mesmo os ultra-conservadores de hoje concordam que a Constituição dos EUA não permite que o governo envie um cheque para uma mesquita local em troca de fornecer educação para crianças das escolas.

Por essa razão inventaram a opção de escolha para usar dinheiro do governo para subsidiar a religião até os pais. Assim, o governo pode financiar escolas religiosas fingindo que não esta quebrando a Constituição americana.

Em 2002 os conservadores da Suprema Corte dos EUA se alinharam em uma decisão para decidir se um programa desses que foi feito em Ohio não violou a cláusula da primeira emenda que proíbe o governo de estabelecer ou privilegiar uma religião, embora 96% dos alunos do programa acabou em escolas ligadas a entidades religiosas.

A maioria alegou que desde que os pais eram livres para escolher entre uma variedade de escolas, o Estado não estava envolvido em qualquer estabelecimento da religião.

Em 2011, a Suprema Corte mais uma vez usando discursos falaciosos tentou dar um golpe quebrar a separação de igreja e estado. O que querem é criar um país, cuja religião e estado sejam a mesma coisa, assim como acontece nos países do Oriente médio que tanto eles odeiam.

Um grupo de contribuintes do Arizona entrou com uma ação contra o estado exigindo usar um programa de créditos fiscais como forma de entregar dinheiro do governo para as escolas religiosas que os pais escolhessem. Mas nem mesmo os impostos dos que lutavam por tal iniciativa estavam sendo usados para o programa e por isso a justiça entendeu o raciocínio distorcido por trás dessa manobra política.

Esse caminho de privatizar o ensino em escolas públicas com uma tendência criacionista é uma estratégia direitista muito bem elaborada. Alguns desses programas são destinados a crianças com deficiência já que ninguém poderia impedi-los de procurar o ensino privado já que as escolas estaduais não são capazes de ajudá-los

Depois de pessoas com deficiência seria fácil estender os programas para alunos de baixa renda.

A ideia é clara, para resolver o problema das escolas públicas em áreas de baixa renda é dar menos dinheiro. Assim, a longo prazo isso aumenta a população de baixa-renda forçando a canalização do dinheiro público para uma escola religiosa de sua preferência.

Os principais defensores dos programas de escolha são organizações ativistas de direita religiosa, como o Fundo de Defesa Aliança e Focus on the Family.

A Mae Duggan que fundou um grupo chamado Cidadãos Frente a Liberdade da Educação que tem mais de 300 organizações de apoio a essa manobra política de escolha. Além de contar com o apoio di Clint Bolick que é membro do Conselho para a Política Nacional e presidente e fundador da Aliança Phoenix e fã de Milton Friedman.

O dinheiro real por trás desse movimento vem de muitas contas do estado, do Legislativo americano, de profissionais do mercado livre como a Heartland Institute e da Heritage Foundation. Empresas que não medem esforços de lobby agressivo em favor do que eles chamam de reforma da escola. Eles também são apoiados por grandes petrolíferas, Koch Industries e a industria Walmart. Se as escolas públicas são privatizadas, obviamente começam a surgir contratos governamentais.

Os religiosos conservadores odeiam o ensino da evolução e outras formas de “secularismo” que são ensinados nas escolas.

São ultra-conservadores de direita. O movimento de direita nunca é socialista, e embora o presidente do conselho Clint Bolick tenha citado o seu herói Milton Friedman que descreve longamente as escolas públicas como uma empresa socialista jamais são compromissados com o estilo libertário deste movimento. O que querem fazer é justamente o contrário, usar uma manobra com discurso socialista para privatizar as escolas e criar uma ditadura anti-laica e opressora.

Os grupos de ateus nos EUA são os mais rejeitados de todos os grupos, até mais que os de homossexuais. Cerca de 59% dos americanos cristão jamais votariam em um candidato do mesmo partido que ele que seja ateu. Qualquer posicionamento contrário ao cristianismo americano é sinônimo de repressão seja uma manifestação ateia ou um ensino cientifico que não é teleológico.

O ultra-conservadorismo americano é extremamente direitista e tão agressivo quanto o extremista de direita que matou mais de 70 na cidade de Oslo na Noruega em 2011.

Não há legitimidade Constitucional para tais manobras, nem mesmo legitimidade política já que os conservados são direitistas e não esquerdistas realmente compromissados com a mudança social no país.

Então grande parte dessa manobra é justamente se opor o ensino da biologia evolutiva desmoralizando o estudo climático, tornando as pessoas céticas em relação a mudanças climáticas sem que isso seja feito de forma polarizada, mas sim por imposição religião e por interesses próprios. É tão destrutivo quanto a inquisição. (veja mais em TENNESSEE BILL PROTECTS TEACHERS WHO CHALLENGE EVOLUTION AND CLIMATE CHANGE).

Além disso, esses programas envolvem o estabelecimento de uma única religião oficial e inevitavelmente trará a mistura de igreja e estado. Se o governo se torna uma importante fonte de financiamento para as instituições religiosas, certamente ele vai usar o poder da bolsa para conter ensinamentos de escolas dirigidas por minorias religiosas que podem ser considerados cultos ou anti-americano.

Se isso tudo acontecer os pais não estarão mais optando pela escola em que seu filho quer estudar, ou que tipo de educação ele terá. Eles estarão escolhendo o tipo de religião que quer que seus filhos sigam, o que é bastante diferente.

O governo como de costume, vai se eximir da culpa afirmando que foi simplesmente refém da influência de seitas religiosas e das escolhas populares. Além disso, a escola perder uma das lições mais valiosas que podem ensinar, e que tive a oportunidade de falar sobre ela ontem mesmo em uma de minhas aulas: como se dar bem com aqueles que são diferentes; como ver homens, mulheres, homossexuais, negros, brancos, arianos, japoneses, índios, ateus e religiosos como sendo iguais perante as leis do país e perante as leis de Deus (para que acredita nele) em um exercício de cidadania, respeito, ética e compromisso com o saber, dignidade e liberdade de todos.

Sob esse ponto de vista, fico feliz de morar no Brasil e não nos EUA onde existe uma elite tradicional puritana de séculos e mais séculos promovendo um ensino pseudo democrático e anti-ético.

 .

Scritto da Rossetti

Palavra chave: NetNature, Rossetti, Criacionismo, Política, Ultraconservadorismo, Evolução, Mudanças Climáticas, Escola, Ensino público.

One thought on “SCHOOL VOUCHERS AND THE RELIGIOUS SUBVERSION OF CHURCH-STATE SEPARATION (comentado)

  1. Em casa onde fala pão …
    Continua-se confundindo “igreja com religião”, ninguém estaria aqui discutindo se a GM quisesse ensinar seus estatutos em escolas públicas, SIMPLESMENTE SERIA RECHAÇADA, mas não pode fazer isso nas suas “próprias escolas particulares”, e até receber subsídios públicos por estar promovendo a educação? E QUAL É O PROBLEMA?
    Quem é Mitt Romney do ponto de vsita religioso, SENÃO MEMBRO DE ALGUMA IGREJA? E se sua igreja tem uma escola, qual o problema de ensinar suas “doutrinas” se por outro lado, cumpre as demias exigências públicas?
    Tudo se centra na discussão idiota de criacionismo e evolucionismo. Olhe a figura do “macaco virando gente”, é a tal árvore da vida, que é REAL E EXATAMENTE IGUAL À TABELA PERIÓDICA DOS ELEMENTOS, a burrice é entender que o macaco virou um hominídeo, que depois virou homo-sapiens, que depois virou o que somos, POR MERO ACASO DA NATUREZA, tanto é assim que a figura sequer mostra “o que liga” uma espécie à outra, o tal ELO DE LIGAÇÃO’ QUE DE FATO NUNCA EXISTIU. O homem faz isso o tempo todo nos seus artefatos, o automóvel se originiou da carroça de burros, CONTUDO NUNCA SE VIU E NEM VAI SE VER UM BURRO VIRANDO MOTOR A EXPLOSÃO!

    Toda escola deveriam sim ensinar ciência, como também religião e artes, SÃO OS TRÊS ACERVOS DE CONHECIMENTOS DA HUMANIDADE, diferente é ensinar bobagens e besteiras de muitos cientistas e religiosos!!

    arioba

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s