UMA NOVA TENDÊNCIA DENOMINADA SÍNTESE LAMARCK-DARWINIANA

Existe uma nova síntese evolutiva surgindo á algum tempo. Uma nova visão estruturada que tem concepções bastante revolucionárias para a biologia, a síntese Lamarck-Darwiniana.

Essa síntese foi proposta por Eva Jablonka e Marion Lamb no livro Evolução em quatro dimensões. Elas trabalham com quatro sistemas de herança distintos e relaciona-os como mecanismo evolutivo. A genética como principal sistema de herança de caracteres, a epigenética, o comportamento e os caracteres culturais.

O que elas propõem é que nem todas as adaptações evolutivas podem ser atribuídas à seleção não-aleatória de mutações aleatórias no DNA.

Isso quer dizer que existem certas alterações adquiridas e induzidas que também desempenham um papel crucial na evolução.

De fato, essa interação é bem parecida com a vista na seleção canalizadora. Na seleção canalizadora uma mutação aleatória pode abrir caminhos fenotípicos ou comportamentais que favoreçam o aproveitamento de outras mutações, amplificando os efeitos iniciais e conferindo o aspecto de perfeição das adaptações evolutivas.

Mais uma vez a seleção é canalizadora, não intencional, não há nada como um planejador nos bastidores da natureza. A biologia evolutiva interpreta o planejamento aparente como resultado de eventos históricos expressos em uma cadeia genealógica e narrativa.

Essa primeira dimensão com base genética mostra bons exemplos de mutações não-aleatórias que são semi-dirigidas. Diferente do neo-darwinismo que afirma que todas as mutações são aleatórias.

Existem graus de aleatoriedade. Algumas mutações ocorrem em maiores probabilidades em locais específicos no DNA. Além disso, são induzíveis pelo ambiente e têm uma maior probabilidade de ser adaptável. O que segue a premissa de Lamarck, a imparcialidade do fator ambiental e dirigibilidade de certas características.

É uma questão em aberto de como ela é difundido esses mecanismos na evolução. Se o genoma é um sistema organizado, ao invés de apenas uma coleção de genes, os processos que geram variação genética podem ser uma propriedade evolutiva do sistema, que é modulada pelo genoma e a célula.

Isto significa que contrariamente a opinião da maioria, nem todas as variações genéticas são totalmente aleatórias ou cegas. Algumas delas podem ser reguladas e parcialmente dirigidas seguindo alterações genômicas induzidas por fatores ambientais.

A herança epigenética é a segunda dimensão na evolução. Existem diversos fatores epigenéticos ligados a variação no genoma. O mais recente demonstrou que príons estão emergindo como agentes deste tipo de herança em resposta a estímulos ambientais, gerando novos traços biológicos, que podem ser transmitidos para as gerações descendentes, dando-lhes vantagens fixando alterações genéticas.

Um estudo feito com o fungo Saccharomyces cerevisiae, aquele usado no fermento biológico, mostrou que o príon tem um papel importantíssimo na hereditariedade de características.

Esse estudo permitiu compreender que alguns príons amilóides dão às células a capacidade de crescer em condições adversas (SCOMMESSE SULL’EREDITÀ: PIÙ CHE I GENI, CONTANO I PRIONI).

O príon amilóide favorece células que estão sujeitas a tensões de vários tipos. Esta resposta ao ambiente mediada por príons permite as células adquirir características novas, vantagens na exploração de novos ambientes, e ser eventualmente selecionados.

São distribuídos para as células descendentes durante a divisão celular, produzindo células filhas com a mesma capacidade de sobrevivência em condições adversas como as células mãe.

Neste caso, os genes e toda a informação genética em DNA são considerados atores secundários de mudança evolutiva, enquanto os príons vislumbram um papel de liderança de atividades de desenvolvimento, de uma forma de herança que esta ligada a concepção lamarckiana da biologia evolutiva.

De fato, as autoras destacam que a herança epigenética é uma condição prévia para a evolução da vida multicelular.

Uma habilidade para que organismos possam produzir diferentes tipos de células é baseado nas memórias celulares e estes são baseados em herança epigenética. O imprinting genômico é um exemplo intrigante de herança epigenética.

O comportamento é a terceira dimensão na evolução. Exemplos de comportamento animal que são transmitidos para a próxima geração sem DNA podem estar envolvidos nas preferências alimentares de coelhos adultos após a exposição às bagas de zimbro durante a gravidez.

O imprinting dos patos em relação a sua mãe também é um exemplo. Ratos pretos de Israel aprenderam a tirar e descascar pinhas, bem como exemplos em no canto dos pássaros, as tradições culturais africanas em chimpanzés e macacos japoneses.

Mesmo a cultura e a linguagem humana podem seguir uma simbologia evolutiva.

A evolução cultural tem propriedades semelhantes à evolução biológica. De fato, não só a linguagem evoluiu (entendendo evolução como sinônimo de mudança e não necessariamente de melhoria), mas também a música (veja aqui) e as religiões (veja aqui).

A linguagem muda com muita facilidade. Basta ver o que quinhentos anos de separação de Portugal fez com o português brasileiro.

De fato, o idioma português, primitivo era falado na antiga Galiza em Portugal, e descendia do Romeno.

Também vemos isto no idioma inglês (a palavra inglês descende diretamente de anglo, das tradições anglo-saxônicas), que surgiu de diferentes dialetos germânicos do século V. Depois, no século VIII e IX com a invasão dos Vikings ocorreu fusão linguista gerando e novas palavras, diagramação e expressões vocálicas foram criadas na antiga Inglaterra, posteriormente dando origem ao Inglês americanizado de sotaque arrastado.

Na verdade o que se tem para entender é que Lamarck não estava totalmente errado e sua concepção hoje parece bastante interessante e condizente com as descobertas da biologia evolutiva.

Uma resenha das idéias de Evan e Marion foi feita pelo Enézio E. de Almeida Filho que é bastante criticado por usar citações fracas e descontextualizadas (veja Leitores criticam falhas em argumentações criacionistas). Ele afirmou que “A proposta de Jablonka e Lamb de incorporar aspectos teóricos lamarckistas me parece mais uma tentativa de teoria ad hoc para livrar a cara de Darwin”.

Como pesquisador da história da ciência ele parece não compreender a estrutura de construção de conhecimento utilizada pela ciência.

Olhando para a história de Darwin, ele nunca disse que Lamarck estava errado. O que ele fez foi simplesmente descrever uma explicação alternativa e complementar de como as espécies evoluem. Já que a ideia de que as espécies evoluem não é de Darwin, mas muito anterior a ele remetendo o iluminismo. Os pensadores do iluminismo já carregavam a ideia de que os organismos se tornavam complexos gradualmente em direção a perfeição. Hoje sabemos que os organismos não buscam a complexidade e não são perfeitos, mas o gradualismo estava certo. E isso ficou evidente com as ideias de Darwin.

Lamarck em 1800 revolucionou a classificação de Lineu. Lineu mesmo já tinha uma concepção claramente evolucionista que fica evidente em seu sistema de classificação. Lamarck criticou a junção que Lineu fez entre invertebrados e insetos. Nem todo invertebrado é um inseto e separou essas classes em 10 diferentes grupos.

Darwin não era anti-Lamarckista. Muito pelo contrário, ele chegou a dizer “Ninguém defendeu a lei do uso e do não-uso tanto quanto eu” e em certos trechos de seu livro disse “muitos animais possuem órgãos cuja presença somente se explica pelos efeitos do não-uso…a seleção natural vem completar o trabalho iniciado pelo não-uso do órgão“.

O que parece é que de fato as duas propostas se complementam e não se anulam.

Não há nada de errado em reconsiderar um conceito antigo desde que ele corresponda as expectativas, as explicações científicas. No caso do lamarckismo isso ficou em aberto e agora vem sendo reconsiderado e não reutilizado como forma esdrúxula de sustentar o darwinismo como propõem Enézio.

A ciência trabalha com modelos explicativos e muitos modelos antigos podem ser retomados desde que as evidências realmente apontem para ele ou simplesmente porque eles completam outros conceitos.

Um exemplo claro ocorre atualmente na física. A constante cosmológica que foi considerada um erro pelo seu criador Albert Einstein agora vem sendo corroborada como sendo a energia escura que atua como uma força anti-gravidade promovendo a expansão acelerada do universo. Um conceito antigo que atualmente explica muito a respeito da formação do universo.

Outro exemplo é da própria historia da ciência. A ideia de que a Terra é somente um planeta girando ao redor de uma mera estrela qualquer foi proposta pelo filósofo Aristarco (310 a.C. – 230 a.C.). Suas ideias nunca foram consideradas boas pelos filósofos de sua época. Posteriormente a filosofa Hipátia redescobriu essas ideias de Aristarco e por isso foi assassinada em 415, considerada herege pelos cristãos.

Durante toda a idade das trevas a filosofia foi reduzida a um mero discurso conceitual e perdeu seu “charme” crítico e educativo. O cristianismo e monopolizou o que era moral e imoral e matou pessoas que eram favoráveis as ideias de Copérnico e Galileu.

Foi Kepler que demonstrou cientificamente que Aristarco e Hipatia de fato estavam certo.

Não há problema algum em retomar conceitos antigos desde que eles se mostrem coerentes com a concepção atual de ciência, com o seu andamento e suas descobertas. Muitas vezes eles se complementam, outras vezes não.

Embora o homem não saiba como a vida se originou isso não significa que a concepção da geração espontânea seja compatível com o que se sabe a respeito das condições climáticas, ambientais, astronômicas necessárias para que a sua origem.

Por essa razão o conceito de geração espontânea foi deixado de lado. Além disto, os próprios experimentos científicos demonstram que a vida não surge espontaneamente.

Pasteur foi quem demonstrou que a vida não surge espontaneamente, John Tyndall e Robert Koch também confirmaram isso posteriormente.

A síntese Lamarck-Darwiniana ainda sim preenche todos os requisitos científicos de experimentação, de revolução científica e explica a grande diversidade de formas de vida.

.

Scritto da Rossetti

Palavra chave: NetNature, Rossetti, Lamarck, Darwin, Eva Jablonka, Marion Lamb, Genética, DNA, Evolução, Epigenética, Comportamento, Cultura.

.

Referências.

* Ricardo Waizbort; Lucia de la Rocque. Um replicador em movimento: aproximações entre a poética narrativa de Borges e o programa de pesquisa dos memes. Hist. cienc. saude-Manguinhos vol.15 no.1 Rio de Janeiro Jan./Mar. 2008.
* Shozo Motoyama. O nascimento da Evolução Biológica. O Homem em busca das origens. Scientifica American. N17.
* Eva Jablonka & Marion Lamb. Evolution in Four Dimensions – Genetic, Epigenetic, Behavioral, and Symbolic Variation in the History of Life. MIT Press, 2005.
Anúncios

One thought on “UMA NOVA TENDÊNCIA DENOMINADA SÍNTESE LAMARCK-DARWINIANA

  1. Mas a evolução não afirma que a baleia é mais evoluída que um homem. O fato de estarem vivos hoje significa que só estão assim porque passaram pela seleção natural, o mecanismo que pune com a morte os inaptos. A evolução, transformação e até surgimento de outras espécies é consequência da sobrevivência dos mais aptos. Biológicamente, o homem não é superior a baleia, nem ao panda, nem as baratas pelo simples fato de que todos estão vivos. Erroneamente muitas pessoas classificam os seres vivos em superiores e inferiores. Inferiores a que?
    Não ha referência. Uma baleia não é especial em relação a uma bactéria Escherichia coli pelo simples fato de que ambas espécies estão vivas e perpetuando, a evolução não busca nem mesmo o aumento da complexidade. Isso é subproduto da sobrevivência.
    Não existe animal mais ou menos evoluído, existe animal mais antigo, ancestral, com características primitivas ou mais recente. Mesmo uma tabela periódica, ela trás dados coletados e não jogados aleatoriamente a respeito da massa e número atômico, estrutura eletrônica, bem como a gravidade e sua força G ou sua aceleração de 9,8m/s^2. Não são dados arbitrários. Foram conquistados com metodologias científicas.
    São dados coletados dentro de um sistema metodológico científico… o fato de no passado não sabermos porque e como as coisas caiam não fez com que a gravidade deixasse de existir. Apenas com o tempo e com o desenvolvimento da física clássica que conseguiu-se estabelecer um modelo explicativo que determina esses fenômenos. A evolução segue a mesma estrutura, o palpite de Darwin (que na verdade era anterior a ele) de que as espécies tem um relacionamento histórico devido a tamanhas semelhanças foi buscar um padrão que explicasse como animais tão próximos entre si em diversos locais do mundo poderia ser semelhantes mas estabelecer-se em espécies diferentes. Foi com base em 5 anos de amostragem ao redor do mundo, inclusive aqui no Brasil que ele concluiu a seleção natural depois de 20 anos. Ele conseguiu encontrar um padrão baseado nas ideias de Malthus, no cientista social Schweber, no estatístico belga Adolf Quetelet, até mesmo no economista Adam Smith.
    Ele encontrou a seleção natural que explicava a luta pela sobrevivência, a competição das raças favorecidas na luta pela vida e que ao longo dos anos essas pequenas variações se acumulavam e promoviam novas espécies. Vistas hoje em processos de especiação, espécies anéis e etc. Isso vem sendo corroborado pelos fósseis, semelhanças de comportamento, na estrutura molecular do DNA responsável pela hereditariedade de tais características… Não é diferente dos estudos de Newton!!! A evolução não deixaria de ocorrer se negacemos ela, e nem queimaríamos no inferno se renegarmos o “dogma” da evolução como voce diz. Na verdade, pouco importa se as pessoas acreditam ou não na evolução ou na gravidade. Os dados fornecidos a respeito da gravidade são criados segundo uma metodologia, bem como ocorre na evolução. Se as pessoas não apostam as suas fichas em Darwin, isso é uma interpretação pessoal delas. De fato, a evolução deve ser questionada, existe essa liberdade.
    Existe a liberdade para se questionar o dogma cristão criacionista absolutista de Gêneses sem temer a represália de um mármore incandescente do submundo infernal?
    Ora, se a evolução estiver errada, será uma revolução para a biologia e certamente uma nova explicação naturalista, material entraria em vigor, e não o sobrenaturalismo místico obscurantista medieval criacionista. Não teríamos perdido tempo investindo erroneamente na evolução, apenas saberíamos que tal caminho estaria errado e não o usaríamos mais (com sabemos hoje a respeito do tedeísmo). Perdemos tempo sob dominio da religião. Um milênio inteiro de supressão de produção científica feito pela igreja católica na Idade das trevas e com o protestantismo que surgiu e até hoje é tão radical quando a igreja católica antiga ou o islamismo de Osama Bin Laden.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s