LOS DINOSAURIOS ERAN ANIMALES DE SANGRE CALIENTE. (comentado)

Reconstrucción del ambiente en Las Hoyas (Cuenca). Raúl Martín.

En una de las primeras apariciones de un dinosaurio en la película ‘Jurassic Park’ de Steven Spielberg, uno de los protagonistas toca un ejemplar recreado a partir del ADN preservado en ámbar y exclama algo así como: “¡En efecto! Tenían sangre caliente”.

En la comunidad científica ha habido durante cuatro décadas un encendido debate sobre si los dinosaurios eran o no de sangre caliente. Pero en los últimos años, el análisis de unas estructuras de los huesos parecidas a los anillos de crecimiento de los árboles en dinosaurios ha hecho que durante mucho tiempo predominase la hipótesis de que estos animales fueron reptiles de sangre fría (ectotermos), es decir, que necesitan energía del exterior para realizar sus funciones vitales de la misma forma que los lagartos o serpientes actuales que necesitan del calor del Sol para vivir.

Sin embargo, algunos investigadores de prestigio como Jack Horner, que sirvió de asesor a Spielberg para la película, tenían sus argumentos para seguir pensando que los dinosaurios eran animales de sangre caliente (endotermos). Pero les faltaba un argumento lo suficientemente sólido como para derribar la hipótesis dominante de que tenían sangre fría.

.

Análisis de huesos de mamíferos actuales

Corte del hueso de un cérvido. Nature

Ahora, una investigación realizada en España acaba de desmontar esta hipótesis y devuelve el debate al mismo punto en el que se encontraba hace 40 años. Pero, para lograrlo, los científicos, pertenecientes al Instituto Catalán de Paleontología Miquel Crusafont (ICP), no han tenido que tocar ni un solo resto de dinosaurio.

Hace años, un grupo de investigadores comenzó a estudiar estos anillos de crecimiento en los restos de huesos de algunos dinosaurios encontrados en yacimientos paleontológicos. Estas estructuras son en realidad lo que los investigadores llaman líneas de parada del crecimiento (LAGs), que se producen cuando el crecimiento del animal se detiene o ralentiza debido a condiciones ambientales desfavorables, como el invierno o las estaciones secas.

Estas líneas, que sí se habían encontrado en animales de sangre fría, nunca había sido vistas en mamíferos o en animales de sangre caliente (salvo algunas excepciones, como los osos, que fueron achacadas a los ciclos vitales con ralentizamiento del metabolismo durante la estación fría). En aquellas investigaciones, los investigadores encontraron estas LAGs en las muestras de dinosaurios. De forma que se convirtió rápidamente en uno de los principales argumentos que sustentaban la hipótesis de que los dinosaurios eran animales de sangre fría.

Sin embargo, la investigación española recién publicada en la revista ‘Nature’ ha ahondado en el estudio de estos anillos de crecimiento en mamíferos y ha demostrado su existencia en una gran variedad de especies de sangre caliente. “La creencia de que no había LAGs en los huesos de animales endotermos era el argumento principal que sostenía la hipótesis de la ectotermia de los dinosaurios. Nosotros hemos desmontado este argumento”, explica a ELMUNDO.es Xavier Jordana, uno de los autores de la investigación y profesor de la Universidad Autónoma de Barcelona.

.

Herramienta para la conservación de la biodiversidad

“El estudio que hemos hecho es muy potente, por la cantidad de material y la diversidad de especies con las que hemos trabajado, pero no lo diseñamos para encontrar la respuesta a la termofisiología de los dinosaurios. Nosotros pretendíamos conocer mejor la fisiología de los mamíferos actuales y queríamos entender cómo el ambiente los afecta:cómo cambia su crecimiento en función de la temperatura exterior, de las lluvias o de la disponibilidad de alimentos y agua“, explica Meike Köhler en un comunicado remitido por el ICP.

Köhler y sus colaboradores han analizado más de un centenar de rumiantes. En total han analizado hasta 115 fémures derechos de especies de 36 localidades diferentes en África y Europa, que en su conjunto cubren casi la totalidad de los regímenes climáticos actuales.

Las muestras provienen de Hamburgo (Alemania) y pertenecen a una completísima colección de animales salvajes elaborada hace más de 60 años por la exploradora Marguerite Obussier. En aquel entonces aún no había impedimento legal en ir de safari a África, matar los ejemplares que deseases, documentarlos y llevarlos a Europa para formar parte de una colección zoológica. Ahora, esas muestras han servido para que el equipo de Köhler y Jordana haya podido obtener las conclusiones publicadas en ‘Nature’.

Para ello, los científicos tuvieron que cortar los fémures, incluirlos en una potente resina y pulirlos hasta dejar una muestra de 0,1 milímetros de espesor. Luego, esas láminas fueron observadas al microscopio óptico de luz polarizada para estudiar sus LAGs.

Pero la investigación no se queda solo en el debate sobre la termoregulación de los dinosaurios, sino que tiene también una clara aplicación directa en los estudios de conservación de la biodiversidad actual de nuestro planeta. “Podemos conocer detalles de la edad a la que ha muerto un individuo, a qué edad maduró sexualmente y cómo le están afectando cambios como los derivados del cambio climático”, explica Jordana. “Esto es muy importante para evaluar el estado de conservación de una especie determinada”

Fonte: El mondo

.

Resenha do autor

Novas evidências se juntam a algumas descobertas sobre endotermia de dinossauros que foram publicadas na revista Science do ano passado. Ao que parece, os dinossauros tinham realmente sangue quente. Isso tem um peso muito significativo na biologia.

Em termos sistemáticos a ideia é retirar os dinossauros do grupo Reptilia e criar um grupo separado chamado Dinosauria que englobaria todos os dinossauros, os fundadores das aves e as aves atuais. Exato, as aves atuais seriam classificadas no grupo dos dinossauros como seus descendentes diretos. Essa é uma ideia bastante antiga da biologia dado a quantidade de evidencias que suporta o relacionamento evolutivo entre dinossauros e aves.

Seria interessante dentro do grupo dos vertebrados dividir dois grupos de animais de sangue frio como os Amphibia e os Reptilia e duas de sangue quente com os Dinosauria e Mamalia. Essa reconstrução é fundamental para que a organização hierárquica da vida seja conhecida, especialmente no ambiente acadêmico. Isso foi feito na biologia a algumas décadas atrás separando os seres vivos em três grandes grupos; Bactérias, Arqueas e Eucariotos e não mais os 5 antigos reinos que aprendíamos na escola a alguns anos.

Isso porque essas não as primeiras evidencias de que dinossauros tinham sangue quente.

Pesquisadores na área de odontologia estudaram 13 peças bucais de saurópodes da espécie Brachiosaurus brancai e Camarasaurus encontrados nos sítios da Tanzânia e dos EUA.

Eles mediram as concentrações de dois isótopos (carbono-13 e de oxigênio-18) na bioapatita mineral. Eles mediram especificamente a frequência com que estes isótopos são agrupados nos dentes em função da temperatura ambiental. Quanto menor a temperatura, mais unidos ficam esses isótopos. Observar essas medições é ver de forma direta como estes isótopos se comportavam na temperatura ambiente em que o mineral foi formado.

Este paleotermometro que estudou o equilíbrio isotópico mostrou que existia uma grande possibilidade de que os dinossauros tinham sangue quente. A reportagem acima encontrou ainda mais semelhanças ao notar que as linhas de crescimento dos ossos de alguns dinossauros se comportam como a de mamíferos. Vale lembrar que as aves tem sangue quente, que certamente herdou dos dinossauros que lhe deram origem.

A questão principal é; em que momento os dinossauros se tornaram animais de sangue quente; como a evolução da endotermia ocorreu nesses grupos?

Saiba mais em DINOSSAUROS EVOLUÍDOS,  UN TERMÓMETRO PARA MEDIR LA TEMPERATURA DE LOS DINOSAURIOS e A EVO-DEVO E A PRESENÇA COTIDIANA DOS DINOSSAUROS

 .

Scritto da Rossetti

Palavra chave: NetNature, Rossetti, Paleotermometro, Dinossauros, Anéis de crescimento, Isótopos. Aves, Mamíferos, Endotermia.

12 thoughts on “LOS DINOSAURIOS ERAN ANIMALES DE SANGRE CALIENTE. (comentado)

  1. Apenas “palpite” de engenheiro sobre biologia. Ainda se faz “classificações” pelo “olhômetro”. Vendo as figuras, SÃO MUITO MAIS “AVES” DO QUE RÉPTEIS, nada, portanto, observavelmente anormal.
    Quando os critérios forem de fato o DNA, análogo ao átomo para os elementos, a coisa ficará muito mais “matemática”, isto é, objetiva. Imagine se os químicos fossem classificar os elementos pelo “olhômetro”, como fez Darwin na Árvore da Vida, que ainda é a “tabela evolutiva” adotada pela biologia.
    arioba

    • Não somente no “olhometro”, usa-se também semelhança genéticas e comportamentais por exemplo. O fato de se observar um osso para estabelecer parentesco não significa que não seja valido. Isso era usado por diversos naturalistas no passado, inclusive Darwin, que identificou através da visualização que os tentilhões de Galápagos eram especies diferentes, o que foi confirmado pela genética, a mesma coisa com as tartarugas. Existe uma tendencia dessas analises melhorarem conforme novas tecnologias vão surgindo ou sendo aprimoradas.
      Hoje consegue estabelecer que os ossículos do ouvido de mamíferos são os mesmos que compõem a mandíbula de repteis. Ele somente mudou sua função. A mesma coisa sobre os próprios genes, o gene que configura a proteína miosina de nossos músculos tem outras funções nos cnidários cuja a origem é de mais de 600 milhões de anos. A hemoglobina a mesma coisa. São evidencias coletadas não somente na classificação com base na morfologia do osso, mas também nas suas bases genéticas.
      Se podemos fazer exame de DNA para descobrir que é o pai de uma criança podemos estabelecer parentesco evolutivo, a genética vem respaldando e refinando dados coletados a partir da visualização dos ossos.

      • Concordo com você, O DNA SERÁ CRITÉRIO PARA AS ESPÉCIES, COMO O ÁTOMO PARA OS ELEMENTOS MATERIAIS, absolutamente objetivo, não depende de comparações nem nada. É O QUE VENHO DEFENDENDO HÁ TEMPOS AQUI MESMO.
        Abs.
        arioba

      • Sem duvida, é uma ótima referência para classificação biológica, mas não acho que deva ser o único critério, especialmente pela subjetividade do conceito de espécie. Acho que o que deve conceituar uma espécie deve abranger o uso do DNA, das diferenças anatômicas e morfológicas, comportamentais.

    • Caro Rossetti, entramos de fato na questão “filosófica” da Vida. O que se entende por espécie? VOCÊ JÁ VIU ESPÉCIE DE “SERES-MORTOS”? Espécie só tem sentido quando se fala do “ser-vivo”, e o que você entende como Ser-Vivo? Sem isso, não entenderemos o que seja “espécie”. O automóvel é “espécie” no contexto de meio de transporte, E QUANDO EM USO. Como sucata, é sucata mesmo.
      COMO VOCÊ ENTENDE O QUE SEJA O SER-VIVO, que para a ciência ainda é enigma, e para a religião, um mistério?
      arioba

      • O Fato de não termos uma definição pura do que é ser-vivo não implica em dizer que tudo seja estático, as sociedades, as religiões e até mesmo a musica mudou ao longo da história. A idéia que as pessoas tem de imutabilidade do ser, ou que somente ocorram ao nível da espécie é um pensamento herdade pré-socratico.
        O conceito é, espécie é constituída por indivíduos que tem a capacidade de se reproduzir e gerar descendentes férteis. Isso define bem espécies quando elas estão já separadas a um om tempo, como espécies de ursos polares e urso de óculos. O problema é que em diversos casos o grau de aproximação genética ainda é grande embora eles não mais se reproduzam entre si. Eventualmente isso ocorre, como é o caso do asno que é fruto de um relacionamento de espécies diferentes, mas ele nasce infértil, ou o caso do Liger.
        Bom, existem diversos casos em que a proximidade de duas espécies ainda é grande e isso mostra parentesco evolutivo.

    • Essa “saída pela tangente” é que critico nos “cientistas evolucionistas”, além de não definir o que seja o SER-VIVO, sequer são capazes de entender. COMO UM ORGANISMO É VIVO “ANTES” E O MESMO ORGANISMO É “MORTO” DEPOIS DO INSTANTE DA MORTE? Um enigma? SÓ PARA QUEM NÃO QUER VER. “Algo” deixa o “orgamismo material”, que antes era vivo, depois é morto. SE VOCÊ ACREDITA NO QUE DIZ A RELIGIÃO, TUDO BEM, SE VOCÊ NÃO ACREDITA, ADMITIR QUE TUDO É A MESMA COISA ANTES E DEPOIS DO INSTANTE FATAL, É SEQUER RAZOÁVEL? E aí se responde, NÃO SEI E NEM QUERO SABER?
      Como você explica que o (AUTOMÓVEL+MOTORISTA) É UM ER VIVO COMO OUTRO QUALQUER, ATÉ COM A MESMA INTELIGÊNCIA DO MOTORISTA? Não sabe definir, mas NEM SEQUER EXPLICAR? Quando o “motorista” assume o comando, É VIVO, QUANDO DEIXA O COMANDO É MORTO, e não é exatamente isso que as religiões dizem sobre o ser vivo, COM RELAÇÃO AO ESPÍRITO OU ALMA?
      E aí a explicação idiota como a de R. Dawkins que o automóvel não é feito de “carne e osso” POR ISSO NÃO PODER SER UM SER-VIVO faz sequer algum sentido para um cientista?
      Porque as “técnicas” são diferentes? E DAÍ? Uma carroça é completamente diferente de um automóvel, MAS AMBOS NÃO SÃO VEÍCULOS DE TRANSPORTE? E que sob o comando do homem são seres-vivos como outros quaisquer? E que o burro é apenas o “motor” da carroça? E como você encaixa a “seleção natural” na “evolução” do burro para a motor?
      Quando você coloca TEXTOS DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA, NÃO COMENTO, MAS QUANDO É “FILÓSOFO”, AÍ TUDO MUDA.

      arioba

      • O fato de não termos um conceito definitivo do que é vida não significa que ela não exista, ou que sua transformação ao longo do tempo não aconteça. Nós mesmos passamos diversos estágios durante nossa vida. inicialmente sendo uma unica célula e no final dela senescentes. Mesmo que não saibamos conceitua-la sabemos que estamos vivos seja lá qual definição é a melhor ou qual o conceito mais completo do que ela seja. A mesma coisa é com o homem, o que é ser humano?
        O que é uma gene? o conceito de gene hoje é defasado e em breve deve sofrer algumas modificações que sob a perspectiva de Thomas Khun e a filosofia da ciência vai propor uma novo paradigma.
        O conceito do que é vida ainda esta longe de ser consensual, mas é assim que a ciência trabalha com verdades temporárias até uma limitação natural da própria metodologia científica.

  2. É o grande equívoco evolucionista, CONSIDERAR O GENE COMO ORIGEM DA VIDA. É como não entender que o “desenho que desce à fábrica’ é origem do “carro”, e não da ser-vivo carro+motorista, que de fato é um ser-vivo como outro qualquer. Contudo, a crença nos torna também cegos ao óbvio.
    arioba.

    • Não, o gene faz parte da composição do conceito do que é estar vivo. Ao que parece, o conceito tem de considerar não somente a estrutura do gene, mas tudo que se auto replica, e existem outras moléculas que se replicam que não tem relação como o DNA. Por isso acredita-se que a origem da vida tenha tido um bloco auto-replicador que não era responsável por hereditariedade. Talvez somente sintetizar certas substancias. portanto, um dos preceitos fundamentais que podem auxiliar o biólogos e os filósofos da biologia para formar o conceito do que é a vida do ponto de vista cientifico deve considerar a auto-replicação e a presença de metabolismo

  3. Continua na mesma confusão. VOCÊ CONFUNDE ORGANISMO MATERIAL, COM ORGANISMO VIVO. O gene é um “projeto do organismo material”, mas não é projeto de ser-vivo. Nenhum gene vai gerar um “ser-vivo” vai gerar um organismo que circusntancialmente pode se tornar vivo, COMO O AUTOMÓVEL OU QUALQUER OUTRO ARTEFATO, que se torna vivo pela ação do homem, NÃO POR SER UM MERO ORGANISMO MATERIAL. Esse é o nó que o materialismo esbarra, e se torna ENGIMAS INSOLÚVEIS, porque partem de premissas equivocadas, apenas isso.
    Não precisamos saber como se projeta ou se contrói um automóvel, MAS ENTENDER O QUE SEJA, FAZ PARTE DE NOSSA PRÓPRIA EVOLUÇÃO INTELECTUAL. Confundir ser-vivo com o mero organismo material é o equívoco dos evolucionistas em geral, e que por outro lado, os criacionistas não dão explicações muito melhores, que é o outro x da questão.
    Você pode explicar à luz da ‘doutrina evolucionista” o que ocorre na “morte”, onde o mesmo organismo é “vivo” antes, e “morto” depois? Algum gene é capaz de fazer o “milagre” às avessas?
    abs.
    arioba

    • Conhece algum organismo formado por genes, metabolismo e que não seja vivo?
      O materialismo metodológico só diz que estudamos as partes fundamentais que forma um ser vivo e que sem eles não há vida, como por exemplo a ausência de genes e metabolismo que são características de qualquer ser vivo (exceto TALVEZ um caso). Por isso torno a perguntar o que faz um ser vivo ser vivo?
      Porque não precisamos saber? Porque se contentar com tão pouco? Porque se contentar apenas com o sentir-se vivo sem saber o que é ser vivo e como a vida se procede ou antecede? Saber como e porque nos ajuda a construir o conceito de vida e de ser vivo, sãoperguntas elementares na ciência e na filosofia por exemplo. Saber como a vida surge sob o ponto de vista da origem ou dá concepção faz parte das perguntas elementares não da ciências mas dá humanidade.
      É preciso buscar saber como e porque somos vivos e o que é a vida.
      A morte é um estágio de perda de propriedades, especialmente biológicas como o cessar da atuação de genes, denaturação de proteínas e material genético, do metabolismo, energeticamente entramos em “ressonância” com a energia do universo. Seguimos claramente a segunda lei da termodinâmica por exemplo. O que há depois de morto (se é que existe) é algo que não cabe a ciência descobrir, foge de sua atuação. A questão em foco é a vida e não o que há depois que ela cessa. Alias, porque questionar somente o que há depois da morte, porque ninguém, inclusive voce Ariovaldo não complementa seus comentários expondo sua concepção do que há antes da vida, ou da concepção. O que a vida é antes da fecundação dos gametas? O que existe antes da vida?
      Pensamos na vida como um tempo sempre em corrida pra frente, mas o que há antes da vida, o que somos? ou não somos?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s