EVOLUTION IN A JIFFY (comentado)

Credit; Jonathan Puritz

When a small group of sea star larvae got swept away from their parents off the coast of Australia thousands of years ago, they proved more resourceful than Tom Hanks in Cast Away. Rather than befriending a volleyball, the short-legged sea stars—called “cushion stars” for their plump shape—developed the ability to mate with themselves. Their evolution into live-bearing hermaphrodites is one of the fastest known examples of speciation among marine animals, say the authors of a study published online today in the Proceedings of the Royal Society B. To pinpoint when and where the sea stars broke away from their kin, the team analyzed DNA from the tissue of nearly 400 animals, half belonging to the ancestral species, Cryptasterina pentagona, and half to the new species, C. hystera. By analyzing the evolutionary relationships between the two species’ DNA sequences, they were able to infer that C. hystera had broken away from the southern range of C. pentagona near the Great Barrier Reef at most 22,000 years ago. By about 6000 years ago, C. hystera had become a distinct species—lightning-quick adaptation, by evolutionary standards.

Fonte: Science Magazine

Resenha do autor

Estrelas do mar de pernas curtas, também conhecidas como “estrela almofada” passaram por um processo de especiação nos últimos 20 mil anos. Essas estrelas desenvolveram a capacidade de se reproduzir por si só, são hermafroditas e mostram um dos mais rápidos exemplos de especiação vistos na natureza de acordo com a revista Proceedings of the Royal Society B. Os biólogos analisaram amostras de DNA de cerca de 400 animais e metade delas pertencia á espécie ancestral Cryptasterina pentagona e outra metade as novas espécies Cryptasterina hystera.

Ao analisar o relacionamento evolutivo entre do DNA das duas espécies verificou-se que a espécie C. hystera tinha se originado na porção sudeste da Austrália onde ocorre a espécie C. pentagona, próximo a tão famosa barreira de Corais da Austrália. Esse processo de especiação se iniciou acerca de 22 mil anos atrás e a cerca de 6 mil a C. hystera havia se tornado uma espécie independente em um processo de especiação relâmpago bastante incomum para os padrões evolutivos conhecidos.

A tendência é estudar como esse processo ocorreu em um período de tempo tão breve e verificar os possíveis mecanismos evolutivos que atuaram na conformação dessa nova espécie.

O que vemos é um processo evolutivo de especiação denominado Parapatrica. Neste tipo de especiação, não há separação geográfica especifica entre as duas populações isoladas. Isso implica que algum fluxo génico pode ocorrer e por vezes é estabelecido através de híbridos. Portanto os indivíduos de duas populações podem entrar em contacto ou mesmo atravessar a barreira de espécie de tempos a tempos. Embora híbridos tenham uma viabilidade reduzida, levando eventualmente ao reforço das barreiras à reprodução eventualmente essa barreira genética que limita uma espécie de outra não ocorre e a troca de genes permanece até um dia separar as espécies em populações distintas. Esse tipo de processo fica evidente quando vemos espécies-anel em atuação (Veja: AS MARCAS DA ESPECIAÇÃO SE SOBREPONDO AO CONCEITO SUBJETIVO DE MACRO-EVOLUÇAO E ESPÉCIE)

Um exemplo deste tipo de especiação ocorreu com as gramíneas Liliopsidas do gênero Anthoxanthum que passou pela especiação parapátrica em áreas onde ocorreu contaminação a partir de minas em um processo que ocorreu em cerca de 40 anos. Isto criou uma pressão seletiva para a tolerância a metais pesados. Normalmente, o tempo de floração muda em uma tentativa de deslocar caracteres devido à má-adaptação dos híbridos ao ambiente e frequentemente as plantas tornam-se auto-polonizadoras, eventualmente podem gerar uma espécie nova. Ventos como este se tornam mais fáceis em animais que voam, uma vez que não há tantos limites geográficos a serem transpostos.

Para saber mais veja ‘WE DON’T HAVE TO BE AFRAID OF THE REAL EVIDENCE’ – CREATION MUSEUM

Scritto da Rossetti

Palavra chave: NetNature, Rossetti, Estrela do mar, Especiação Parapátrica, Evolução.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s