SCIENTISTS FALL OUT OVER THE EVOLUTION OF DARWINISM (Comentado)

While the jury is still out on the debate about evolutionary group selection between Richard Dawkins and EO Wilson, Susanna Rustin (‘I found I could talk to the ants’, 18 August) is right to point out that Dawkins’s view cannot be discounted simply because he no longer conducts primary research. What is far more troubling in this argument is its ideological character. The suggestion that, as Dawkins’s review in Prospect put it, Wilson has “betrayed Darwin” speaks of something more than science at stake. Darwin himself, whose heterodox views didn’t even rule out Lamarckism, would probably have regarded the debate with interest rather than dismay. One senses what Wilson is really deemed to have “betrayed” is the gene-centred neo-Darwinist narrative of The Selfish Gene.

Wilson doesn’t question natural selection as the primary engine of evolution. No serious scientist does. What is disturbing is the blurring of distinctions between evolution, natural selection, Darwin and neo-Darwinism that is evident in much popular writing. Dawkins has done more than anyone to explain how natural selection works at the genetic level. But there is an increasing tendency for any suggestion that any other factors are significant to evolution to be greeted as dangerous heresy. That is implied by the absurd “petition” of 140 or so biologists in protest at Wilson’s paper in Nature that caused all the fuss. We should have learnt from the 100 Authors Against Einstein (1931) that this is no way to do science.

A reluctance to accept a wide view of how evolution works, and to discuss ideas dispassionately, in the end does not protect, but potentially undermines, the case against the fallacies of creationism and intelligent design. As evolutionary biologist Michael Lynch has put it, “IDers like to portray evolution as being built entirely on an edifice of Darwinian natural selection. This caricature of evolutionary biology is not too surprising. Most molecular, cell and developmental biologists subscribe to the same creed, as do many popular science writers … Building a straw man based on natural selection alone makes it easy for opponents to poke holes in evolution.”

Fonte: The Guardian

.

Resenha do autor

Pela primeira vez vejo o site The guardian expressar uma crítica ao modelo evolutivo defendido por Dawkins. Geralmente, publica-se as suas manifestações e debates contra o criacionismo. Dawkins realmente não exerce mais sua profissão como antigamente, o que não faz dele um ultrapassado, sob uma perspectiva ampla do que é ciência. Entretanto, na biologia evolutiva ele ainda segue um pensamento ultra-darwinista no sentido de que ele ainda vê a seleção natural como o único mecanismo evolutivo. Obviamente ele não aceita essa crítica. Por outro lado O. E. Wilson trás uma perspectiva complementar ao que se entende por evolução, a polêmica seleção de grupo. (veja mais em ANIMAIS SOCIAIS).

Edward owen wilson, o maior especialista do mundo em formigas afirma “Karl Marx was right, socialism works, it is just that he had the wrong species”

Dawkins apresenta sim um caráter ideológico a respeito d evolução, tratando-a como inquestionável, especialmente sobre a luz da seleção natural. O texto sugere que até mesmo o próprio Darwin não descartava o lamarckismo.

Não vejo razão alguma para os biólogos evolucionistas enxergar como heresia o fato de existir outros mecanismos evolutivos que não seja a seleção natural. De fato, muitos deles como a exaptação, seleção sexual, deriva genética, equilíbrio pontuado, a evolução por perda de genes e mais recentemente a descoberta de que determinados mecanismos evolutivos parecem ser mais próximos a concepção lamarckista do que darwinista (veja aqui). São todos mecanismos evolutivos que vem complementando nossa visão de evolução biológica e que necessariamente corroboram a premissa de que a vida se transforma ao longo dos anos. Não há nada de herege, mas sim mais evidencias de peso constatando a evolução como um fato, ao menos cientificamente.

Infelizmente para Dawkins somente a seleção natural não explica como animais como as girafas surgiram. (Veja aqui) É preciso se desgarrar desse “unitarismo” da seleção natural.

Saiba mais em Richard Dawkins in furious row with EO Wilson over theory of evolution

Scritto da Rossetti

Palavra chave: NetNature, Rossetti, Dawkins, E. O. Wilson, Evolução, Seleção Natural, Seleção sexual, Seleção de grupo, Exaptação, Deriva genética.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s