O HOMEM DA O VERDADEIRO PROPÓSITO A SI.

A existência precede a essência. 

Jean-Paul Sartre

Jean-Paul Sartre

Jean-Paul Sartre foi um filósofo existencialista que nasceu na França, suas obras influenciaram grandes revoluções intelectuais, especialmente em 1968. Ganhou o Prêmio Nobel e a Medalha da Legião de Honra, embora tenha recusado tal reconhecimento alegando que tal reconhecimento alienaria sua liberdade de escrever e o tornaria uma instituição.

Como existencialista, Sartre seguia a corrente filosófica segundo a qual as nossas ideias são produtos de nossas experiências na vida real, sendo que a existência precede a essência e o homem é livre para projetar sua vida.

Discorrendo sobre essa característica existencialista do propósito que damos a vida, da liberdade e do otimismo que ela oferece, ao assumir a responsabilidade pelo impacto de nossas ações sobre os outros foi que Sartre justificou seu ateísmo. Ele deu uma cartada final á concepção de projeção inteligente do universo, ou seja, desmontou a ideia de que a essência de um universo feita pro Deus precedeu a criação.

Ao caracterizar o homem, Sartre faz uma digressão interessante na questão da essência e existência do homem e consequentemente do universo.

Sartre mostrou que as abordagens feitas na questão da natureza humana sempre foram feita de maneira equivocada. De fato, a analogia usada pelos grupos religiosos para explicar a existência da vida e de um universo segundo uma concepção divina limitam a humanidade como resultado da mente humana, como sendo essência divina e existência concebida a partir dela. Essa deficiência teológica (ou teleológica) é desmontada por Sartre. A grande maioria dos líderes religioso fazem esta abordagem respaldando suas convicções de propósito na vida ou no universo criado com uma finalidade específica (no caso especifico do Brasil, o cristianismo, pela sua história cultural e colonial). Sartre criticou sabiamente esta concepção viciada e descreveu que a analogia por si só é deficiente.

Sartre afirma que para o homem a existência precede a essência. Enquanto as raízes do pensamento religioso afirmam que a essência precede a existência humana. Para os lideres religiosos a essência do que é o homem vem primeiro do que a existência em si. A essência para Sartre é o propósito na qual algo é criado.

Segundo o lideres religiosos, Deus concebe a ideia, ou a essência do ser humano e o cria segundo descrito em seus respectivos mitos de criação recheados de misticismo e alegorias. Portanto, o propósito do homem, a sua essência, a concepção do homem precede a existência. Esse pensamento religioso respalda-se em criticar aqueles que dizem que o propósito da humanidade não existe desta forma, porque todo propósito segue após a aceitação da existência. Segundo Sartre “primeiramente, o homem existe, se descobre, surge no mundo e só depois se define

Isso quer dizer que se o homem projeta um abridor de garrafas, a essência, função, propósito do abridor de garrafa precede a existência em si do abridor que é confeccionado segundo nossa essência dele. Sendo assim, tudo que o homem faz precede a essência bem como tudo que existe no mundo precede a existência, já que foi idealizado pelo criador. Seguindo essa linha religiosa, tudo que existe foi essência antes de existir, portanto, o homem foi projetado antes de existir.

Entretanto, a analogia é falha. Sartre quebra essa ideia ao defender que a existência precede a essência. Isso quer dizer que devemos retornar a pergunta inicial; qual é o propósito do homem? O que é ser humano?

Para Sartre não há natureza humana fixa universal porque não há Deus algum. Isso porque o homem é quem da essência a sua vida, e reconhecemos isso em vida. Justificando assim o ateísmo existencialista. Para Sartre a definição de natureza humana é a questão da finalidade, mas não a finalidade teleológica que tantos filósofos preconizaram. Então, não somos feitos para qualquer propósito e nossa existência precede a essência. Alguém poderia perguntar; então o homem não tem essência?

Óbvio que tem, mas não um propósito teleológico. Somos seres compelidos a determinar o propósito para nossas vidas. Sendo assim, nós nos definimos, e é isso caracteriza o homem. O propósito de sua vida é definido em sua existência enquanto que um abridor de garrafa não pode definir o seu propósito. De fato, um abridor de garrafa foi desenhadontes de existir definitivamente, mas o fato dele ter sido projetado para tal não implica que tudo seja desta forma. Como seres que criam propósitos, tendemos a pressupor que tudo deve ter um propósito a como uma projeção de si para tudo no universo. Mas o homem não tem propósito, (exceto até estabelecer isso a si mesmo) senão o propósito pré-concebido nos regraria, tiraria nossa liberdade de escolha, nosso livre arbítrio. Assim, a finalidade na questão do universo é uma criação humana, nada é criado para nos servir, não há intenções divinas nobres nos eventos de nossa vida. Somos o verdadeiro proposito de nós mesmo. Sartre dizia que “Existir é assumir o seu ser, ser responsável por ele em vez de recebe-lo de fora como faz uma pedra

Ser, vir a existir, permite ao homem estabelecer qual o sentido de sua vida que por sua vez caracteriza o ser humano já que nenhum objeto criado tem liberdade ou capacidade de se auto-reconhecer e criar seus propósitos. Universo não pode ser concebido, ele simplesmente existe, o homem simplesmente existe e sua essência é fruto da sua vida enquanto tudo que ele cria, a essência precede a existência. Assim sendo, a afirmação de que já que tudo foi concebido segundo a essência humana, inteligente, desenhada não implica em dizer que tudo seja desta forma, pois o propósito nem sempre depende de um desenhista, mas sim do ser em questão, o homem! O homem é o verdadeiro criador, o único designer inteligente.

Leia mais em:  UM OLHAR COMPARATIVO ENTRE FILOSOFIA, RELIGIÃO E CIÊNCIA SOB A PERSPECTIVA DA COMPOSIÇÃO DO UNIVERSOA FILOSOFIA BARATA POR DE TRÁS DO ARGUMENTO COSMOLÓGICO E OUTROS ARGUMENTOS CRIACIONISTAS e UMA PERSPECTIVA HISTÓRICA SOBRE A FINALIDADE, OU SUA FALTA NA COMPOSIÇÃO DO UNIVERSO

Scritto da Rossetti

Palavra chave: NetNature, Rossetti, Jean-Paul Sartre, Existencialismo, Essência, Ser humano, Filosofia, Universo, Propósito, Finalidade, Função.

 .

Referências.

* JEAN PAUL SARTRE. ESBOÇO PARA UMA TEORIA DAS EMOÇÕES. L&PM POCKET 2009.
* O livro da Filosofia. A existência precede a essência. Editora Globo livros. 2011.

5 thoughts on “O HOMEM DA O VERDADEIRO PROPÓSITO A SI.

  1. Em casa onde falta pão, todos gritam e ninguém tem razão. É claro que criticar um Sartre, talvez Rossetti iria me perguntar se eu tenho algum artigo publicado em alguma revista científica, PORQUE SENÃO NÃO VALE NADA. Já disse aqui que ritualismo é arte de se fazer dogmas de fé, que combato de todas as formas.

    Primeiro vem a questão da finalidade ou utilidade. O automóvel, ou o avião não tem finalidade para si mesmo, assim também o Mané ou o Joaquim, que são homens, NÃO TÊM FINALIDADE PARA SI MESMO. Então, NÃO É O PRÓPRIO SER QUE DEFINE SUA FINALIDADE, então, quando esse ser fala em ter ou não utilidade, está falando um monte de bobagens. SE EU OU VOCÊ EXISTIMOS, TEMOS A FINALIDADE DE EXISTIR POR NÓS MESMOS? O tal filósofo Sartre cheio de prêmios e livros, EM ALGUM LUGAR DEFINIU O QUE ELE ENTENDE POR “SER-VIVO”, E EM PARTICULAR, O HOMEM COMO SER-VIVO? Se nem sequer entende o que seja o ser-vivo, ENTENDENDE QUAL SEJA SUA UTILIDADE OU INUTILIDADE, e em particular, “para si mesmo”? No entanto, acredito que ele estivesse querendo dizer que entende o homem não como utilidade para “Deus algum”, e nisso estou absolutamente de acordo com ele, MAS É ISSO MESMO O QUE ELE ESTÁ DIZENDO NAS CONFUSAS FILOSOFIAS EXISTENCIALISTAS?
    Não estou criticando o homem Sartre, que nem está vivo para se defender, estou criticando quem o trasnforma em “dogma de fé.

    Depois vem mais uma vez a questão de Deus. O tal Sartre não fala sobre o ser-vivo propriamente dito, MAS SOBRE A BOBAGEM TEISTA E ATEISTA SE DEUS EXISTE OU NÃO, e um “JURA POR DEUS” EXISTE E OUTRO TAMBÉM “JURA POR DEUS” QUE NÃO EXISTE”, a estpudiez dos dogmas de fé, onde o ateu se acha ofendido quando o chama de “crente” que também “jura”! Problema do ateu, na realidade. É aí vem a outra idiotice da prova, SE DEUS PUDESSE SER PROVADO OU NÃO, NÃO SERIA DEUS POR DEFINIÇÃO!

    Por último vem a questão da inteligência, que o religioso “jura por Deus” que a inteligência que “fez o Universo” é de Deus, e o ateu “jura por Deus” que não há inteligência alguma, PORQUE DEUS NÃO EXISTE. Mas o fato é que tanto um como outro, SEM INTELIGÊNCIA NÃO ESTARIAM FALANDO O MONTE DE BOBAGENS QUE FALAM, a respeito de Deus. Será que Sartre também definiu o que entende por inteligência? Alguém sabe o que é a gravidade ou a eletricidade? E o fato de não saber o que sejam, POR DEFINIÇÃO DE ALGUM ENERGÚMENO CIENTISTA OU RELIGIOSO, NÃO EXISTEM?

    Não critico Sartre, ou qualquer outro sábio, onde se inclui Darwin, MAS OS QUE OS TRASNFORMAM EM PROFETAS CUJAS PALAVRAS SÃO DOGMAS DE FÉ. E se começam a complicar coisas que na realidade são simples. O homem é isso ou aquilo, ele existe por si ou não, e vai por aí afora.
    Se homem fosse esse monte de bobagens, e é um “ser-vivo” organicamente como outro qualquer, COMO A TERRA EXISTIA HABITADA ANTES DO ENERGÚMENO HOMEM QUE DESCOBRIU QUE PODE EVOLUIR COM SUA INTELIGÊNCIA? Será que a Terra que era habitada sem o homem, vai deixar de ser habitada se o energúmeno deixar de existir até pelas próprias burrices á medida que evolui com sua ciência? Simples, intelecto sem moral e ética, NÃO DEFINE EVOLUÇÃO DO SER-VIVO, que evidentemente não é o organismo que o sustenta. Neste particular, um homem e um porco são mais próximos organicamente do que uma Ferrari e uma carroça, a diferença está nos “motoristas” que os dirigem. Tão díficil de entender?

    Tudo decorre de se transformar “guerrinhas filosóficas”, em observação da Vida. A Vida é algo que “se manifesta” em qualquer ser-vivo, e não apenas no homem, QUE APENAS TEM FACULDADE E RECURSOS ORGÂNICOS PARA EVOLUIR SUA INTELIGÊNCIA, que confundimos com RAZÃO E INSTINTO. Inteligência é a capacidade de “aprender”, é por isso que podemos “domesticar” vários animais e plantas, TODOS INTELIGÊNCIA COM CAPACIDADE DE APRENDER, e isso só ocorre na circunstância de “estar vivo”, se quiser ensinar alguma coisa ao ‘defunto’ de um burro ou cachorro, não perca tempo!
    Então, podemos entender a Vida através de identifcar alguns efeitos dela, da mesma forma como a gravidade ou a eletricidade. Um dos efeitos é a expressão da inteligência, que é a CAPACIDADE DE APRENDER, e junto com aprender, SURGE A CAPACIDADE DE TRABALHAR, aprender e não fazer nada Com o que sabe, É A MESMA COISA QUE PENSARMOS COMO O BURRO MORTO PODE TRABALHAR! Os efeitos clássicos da inteligência, é APRENDER E TRABALHAR, e é isso que qualquer ser-vivo faz para viver, inclusive o homem. A ciência é apenas uma ferramente que lhe permite melhorar seus próprios sentidos, as demais espécies NUNCA APRENDERAM FAZER ISSO!
    E o que essas constatações, não são teorias nem doutrins, são constatações, têm a ver com as babozeiras existenciailistas ou criacionistas ou evolucionistas de se acreditar nisso ou naquilo? PARA ENTENDER E CONSTATAR AS EVIDÊNCIAS, PRECISAMOS DE ACREDITAR EM FILOSOFIAS BARATAS? Ou precisamos escrever artigos para revista assim ou assado, ONDE O “CLERO” DO RITUALISMO CIENTÍFICO OU RELIGIOSO DEFINE O QUE É CERTO OU ERRADO?

    Sartre é um gênio, capaz de errar como errou Darwin na tal “seleção natural” que só existe como mera crença de alguém, como errou Aristóteles no tal “geocentrismo”, que também só existia quando era mera crença e que imposta como dogma de fé custou a vida de grandes sábios, etc. etc., mas todos esses sábios deram sua contribuição à evolução da inteligência humana. NÓS DE FATO NÃO TEMOS UTILIDADE COMO MEROS ORGANISMOS MATERIAIS, IGUALZINHO A UM AUTOMÓVEL, OU UM COMPUTADOR, MAS TEMOS UTILIDADE PARA ALGUMA INTELIGÊNCIA QUE RESULTOU NO QUE SOMOS. e Sartre tivesse entendido que não existimos de fato por nós mesmos, PODERIA ENTENDER A BOBAGEM DO EXISTENCIALISMO QUE DEFENDEU.
    A burrice é acreditar que inteligência ou é de Deus, ou é da burrice de quem não acredita nele, que a bem da verdade, SE EXISTE ESTARIA POUCO SE LIXANDO COM NOSSAS BURRICES A RESPEITO.

    arioba

    • Estranho voce falar isso… vc é o cara mais cheio de dogmas, superstições e incoerência religiosa que passou aqui no blog. Alias, se vamos discutir a filosofia de Sartre ou a biologia evolutiva que são setores da filosofia e da ciência nada melhor do que uma contra argumentação ao nível. Dizer que é uma questão de ritual não tem nada a ver, é uma questão de coerência, vc não argumenta porque não tem o que argumentar. De fato, escreve textos gigantescos tentando se convencer do que vc mesmo escreveu.
      O fato de ciência, religião e filosofia fazerem parte do acervo da humanidade não significa que não tenham suas metodologias próprias. Voce critica tanto o criacionismo dizendo “onde falta pao todos tem razão” mas vc faz exatamente a mesma coisa que eles, enfia tudo em um saco de gatos e sai por ai pregando espiritismo barato.

      Voce não os critica porque nem mesmo conhece a essência de seus argumentos. Vc critica Dawkins e nem terminou de ler o relojoeiro cego. O fato de nao saber conceituar determinadas coisas, ou o fato de muitas situações a definição possa ser subjetiva não impede produzir conhecimento a respeito de algo. Nada do que voce disse aqui é filosofia ou ciência. Vc simplesmente lança o senso-comum e age como se isso fosse pensar, filosofar, ja chega com um sentimento de negação, faz o mesmo que Olavo de carvalho; se não entende então xinga e não aceita que pode ser verdade.

      Portanto concordo com vc, essas discussões são inúteis. Ta liberado para escrever o que quiser, mas eu não tenho mais o que dizer.
      Grande abraço Arioba!!!

  2. Ciência, religião e artes TÊM SUAS METODOLOGIAS? Caro amigo, é confundir ciência com religioso, ciência com cientista e arte com artista. Metodologia é invenção do homem, PARA DE CERTA FORMA ORGNIZAR CONHECIMENTOS. Não é ruim por si, RUIM É TORNAR O RITUAL MAIS IMORTANTE DO QUE O CONTEÚDO, é isso que advogo que critico. Qualquer igreja pode “dogma de fé”.
    Não critico o “criacionismo” onde falta pão, CRITICO A DISCUSSÃO IDIOTA ENTRE CRIACIONISTAS E EVOLUCIONISTAS, VOCÊ NÃO ENTENDEU NADA.
    Quanto a questão das críticas, SÃO CONTESTO OU CONCORDO COM ALGUM ARGUMENTO, se você não concorda com um argumento, CONTESTE O ARGUMENTO, não lance coisas assim como “Você nãon entende, você faz isso ou aquilo”, o texto está ai, CONTESTE O TEXTO, não sua avaliação pessoal sobre quem escreve. Crenças pessoais pouco me importam, nem as suas nem as minhas, exceto para mim mesmo. Se você acha que o que foi não é filosofia, MOSTRE ONDE ESTÁ O EQUÍVOCO! Pouco me importa o que você acha ou não acha, EXPLIQUE.

    Desde que estou participando do debate no seu site, ME MOSTRE UM ÍTEM SEQUER ONDE TENHO DESVIADO DE UMA TESE ADOTADA, COMO SER-VIVO, INTELIGÊNCIA, VIDA, ETC. ETC. E no entanto, tenho contestado “varias filosofias diferentes” sobre os mesmos temas.
    O que você entende por “coerência”? É ser “ateu graças a Deus”

    abs. arioba.

    • Claro que são metodologias diferentes. O fato de ser uma criação do homem não significa que sejam inúteis, podem ser erradas, mas mesmo o erro é útil!!! Sem elas, sem os senso-comum, sem a religião, sem a ciência nada ocorreria na nossa espécie, como ser dotado de cultura, fala e consciência. A religião tem sim sua metodologia que é baseada na crença de uma divindade. É uma invenção humana sim, como é a ciência, o seu espiritismo etc. Se voce exclui isso pelo simples fato de ser uma coisa humana não sei o que ta fazendo aqui escrevendo isso tudo. Afinal, tudo que vc disse, parte da sua forma de pensar. O “ritual” faz parte do conteúdo porque este é diferente meu querido. Por exemplo, como vc contestaria a ideia de que a existência do homem precede a essência? De alguma forma sua resposta carrega um conteúdo que se respalda em um desses modos de se construir conhecimento, ou seja o método, ou o que vc chama de ritual que por sinal é exatamente a introdução de uma metodologia em outra. Confundir dogma com metodologia é exatamente o tipo de coisa que nem criacionista, nem evolucionista, nem cristão faz ou tenta fazer, e vc esta fazendo!!! Tudo em um saco de gato. Não é questão de compartimentalizar o conhecimento mas definir a identidade de cada um. O que o criacionistas alegam é que a ciência com seu método pode corroborar a existência de Deus. Os cientistas dizem que a ciência é cega para Deus ou qualquer coisa sobrenatural devido a sua metodologia e ponto. Este é o debate, tudo gira em torno disto. Voce esta colocando chifre em cabeça de cavalo.
      Vc não pode oferecer uma explicação divina usando outra forma de construir este conhecimento. A explicação religiosa (chamada de dogma) é por revelação divina, a ciência o faz pela experimentação e falseamento de fenômenos naturais. São incompatíveis ponto, mesmo porque se Deus fosse comprovado cientificamente então não seria sobrenatural e sim parte da natureza intrinsica do universo. Portanto, filosoficamente sobrenatural não existe!!!
      O método não é um dogma, é a identidade do conteúdo. A discussão entre cientistas e criacionistas é útil sim, ela delimita o poder de cada magistério e como cada um trabalha em um todo. Essa discussão seria útil especialmente para voce, porque vc tem concepções extremamente ambíguas que não fazem sentido algum. O que faz sentido é dizer que todas as formas de construir conhecimento fazem parte de algo maior, os acervos da humanidade. Se não houvesse metodologia diferente não haveria diversidade de pensamento e sim doutrinação. E essa diversidade essa contradição que move a ciência, a religião a filosofia e o modo de pensar do individuo em relação ao mundo e vice e versa.

  3. Desculpe a demora, caro Rossetti.
    É claro que para tudo há que haver “metodologia”, tudo que o homem precisa para se desenvolver COMO HOMEM INTELIGENTE. Nem a ciência nem a religião precisam de metodologia alguma, até mesmo uma “biblioteca” precisa de metodologia para “uso do próprio homem” não como “amontoado ou acervo de livros e conhecimentos”. A questão é que o “bibliotecário” acha que biblioteca sem ordem, não é biblioteca. O FATO É QUE AO LONGO DO TEMPO TODA “ARRUMAÇÃO” VAI SE MODIFICANDO, enquanto os livros continuam sendo os mesmos como sempre foram. Então, quando falo de “biblioteca” como forma de conhecimentos, estou falando do conteúdo que existe lá dentro, mas COMO ESTABELECIMENTO DE CONSULTAS, é a mesma coisa que uma igreja ou um laboratório ou empresa qualquer. Ciència é a “biblioteca de conhecimentos sobre o Mundo Material”, tanto quanto a religião é uma biblioteca sobre o Mundo Espiritual, ou as artes sobre a “lei da evolução” na direção do que seja a excelência ou o melhor, no fim do que se “acredita” estar Deus ou o que cada um acredite.
    Metodologia faz sentido para “uso do homem”, não para os respectivos acervos de conhecimentos, é exatmente isso que qui dizer sobre os rituais e metodogias. Os cientistas “fanáticos” são como os religiosos “fanáticos”, acerditam mais nos rituais ou metologias do que nos conteúdos do que se defende, é exatamente isso que disse.
    arioba.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s