POSSIBILIDADE DE VIDA NÃO SE RESUME A PLANETAS SIMILARES À TERRA, DIZ ESTUDO (Comentado)

Com as diferentes composições, massas e órbitas possíveis para os planetas fora do Sistema Solar, a vida talvez não esteja limitada a mundos similares à Terra em órbitas equivalentes à terrestre.

Origem da vida

Essa é uma das conclusões apresentada por Sara Seager, do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts), nos EUA, em artigo de revisão publicado no periódico “Science”, com base na análise estatística dos cerca de 900 mundos já detectados ao redor de mais de 400 estrelas.

Seager destaca a possível existência de planetas cuja atmosfera seria tão densa a ponto de preservar água líquida na superfície mesmo a temperaturas bem mais baixas que a terrestre.

Como todas as formas de vida conhecidas dependem de água, sua presença na superfície é tratada como o ponto central da definição de “habitabilidade”.

Mundos habitáveis tradicionalmente seriam aqueles que, como a Terra, estão a uma distância tal de sua estrela que, com uma atmosfera pouco densa, poderiam ter corpos d’água estáveis no solo.

Contudo, um consenso emergente é o de que a extensão dessa zona habitável depende fundamentalmente das características intrínsecas dos planetas em questão e pode se estender a uma área que iria além da órbita de Júpiter, no Sistema Solar, se o mundo orbitando ali tivesse uma composição adequada.

“As possibilidades mais amplas aumentam a chance futura de descobrirmos um mundo habitado”, afirma Seager.

 

Arquiteturas

Graças ao número crescente de descobertas, finalmente os astrônomos começam a entender a natureza da formação dos sistemas planetários.

A boa notícia: é bem parecido com o que sugeria a teoria, criada na época em que só tínhamos um exemplar conhecido, o Sistema Solar.

A realmente boa: existem muito mais variações para a evolução desses sistemas do que os cientistas antes imaginavam.

Na prática, isso quer dizer que a arquitetura básica vista em nosso sistema, com os planetas pequenos rochosos mais próximos da estrela e os gigantes gasosos mais distantes, é apenas um dos possíveis desfechos da formação planetária.

 

Duas técnicas

A imensa maioria dos planetas descobertos fora do Sistema Solar foi revelada por meio de duas técnicas.

A mais antiga e eficaz até hoje é a que mede variações na luz da estrela causadas pelo bamboleio que ela faz conforme planetas giram ao seu redor.

Como ela mede diretamente o efeito da gravidade do planeta sobre sua estrela, é possível ter uma boa estimativa de sua massa.

A segunda técnica envolve a observação de trânsitos –minieclipses causados pela passagem dos planetas à frente de sua estrela–, que só ganhou grande impulso quando foram lançados satélites especializados em detectá-los.

A detecção do trânsito é feita pela medição da redução do brilho da estrela causada pela passagem do planeta. É, portanto, uma boa medida do tamanho.

Juntas, as duas técnicas permitem uma caracterização mais precisa dos planetas extrassolares. Afinal, com a massa e o tamanho, pode-se calcular a densidade.

A densidade, por sua vez, é uma pista bastante concreta da composição.

Foi assim, por exemplo, que os cientistas conseguiram confirmar que pelo menos alguns dos planetas categorizados como “superterras” –por serem maiores que a Terra, mas menores que os menores planetas gigantes do Sistema Solar– são rochosos como o nosso mundo.

Contudo, nem sempre se pode aplicar as duas técnicas ao mesmo tempo. Enquanto a medição do bamboleio gravitacional é difícil para planetas menores e mais distantes da estrela, a técnica do trânsito depende do alinhamento apropriado do sistema planetário, de forma que os minieclipses possam ser observados daqui.

Ainda assim, conhecendo bem os viéses que cada técnica produz, os cientistas são capazes de compensar matematicamente as falhas para apresentar um quadro estatístico mais seguro dos planetas extrassolares.

É basicamente o que traz Andrew Howard, da Universidade do Havaí em Manoa (EUA), em outro artigo de revisão publicado no especial de exoplanetas da “Science”.

Sabe-se hoje, por exemplo, que planetas menores são bem mais comuns na Via Láctea que os gigantes. Contudo, as Terras não são mais comuns que as superterras. Aparentemente, o número de planetas vai aumentando em razão inversa do tamanho (ou seja, quanto menor, mais planetas) até atingir um valor crítico de pouco menos de 3 vezes o diâmetro da Terra. Daí para baixo, a prevalência é aproximadamente igual.

Fonte: Folha

.

Comentários do autor

Uma pesquisa publicada na The Astronomy and Astrophysics Review analisou os elementos mais importantes para a evolução habitabilidade de planetas semelhantes ​ a Terra; como os efeitos da radiação estelar dependente do fluxo de partículas, ou a evolução das atmosferas e estoques de água iniciais. Há também aspectos geodinâmica e geofísicos que são necessários para planetas, como as placas tectônicas e sua atividade em escalas de tempo geológico. Todos são elementos fundamentais para a compreensão da origem da vida em um ou mais planetas. As descobertas de lagos de superfície metano no satélite Titã de Saturno, oceanos de água do subsolo ou reservatórios de satélites naturais ou de planetas gigantes gasosos do sistema, como Europa, Ganímedes e Enceladus e mais de 335 exoplanetas indicam que a definição clássica da habitabilidade pode não ser adequada para as estrelas que são diferentes do nosso sol. Propõe-se uma classificação de quatro tipos de habitats. Calsse 1) condições estelares e geofísicos que permitam planetas semelhantes a Terra evoluir, para que as formas de vida possam se originar. Classe 2) incluir corpos em que a vida possa evoluir, mas devido às condições estelares e geofísicas possam seguir uma direção diferente a Vênus e Marte ou mundos do tipo complexo, onde as formas de vida pode não se desenvolver. Classe III são corpos planetários onde oceanos de água subterrâneas existentes e interagem diretamente com um núcleo de silicatos ricos. A Classe IV exige água líquida entre camadas de gelo, ou líquidos acima de gelo. Além disso, discute-se a partir do presente ponto de vista como a vida pode ter se originado na Terra primitiva, as possibilidades que a vida possa evoluir em tais corpos semelhantes à Terra e como futuras missões espaciais pode descobrir manifestações de vida extraterrestre.

Leia mais em Make Mars Habitable

Scritto da Rossetti

Palavra chave: NetNature, Rossetti, Vida, Origem da Vida, Exobiologia, Astronomia.

 .

Referências

H. Lammer, J. H. Bredehöft, A. Coustenis, M. L. Khodachenko, L. Kaltenegger, O. Grasset, D. Prieur, F. Raulin, P. Ehrenfreund, M. Yamauchi. What makes a planet habitable? The Astronomy and Astrophysics Review June 2009, Volume 17, Issue 2, pp 181-249

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s