CREATIONISM IN UK EDUCATION – WHY THE FIGHT MUST GO ON. (Comentado)

The UK is fortunate not to have the problem with creationism the US has, but there is still a threat to education that must be met

Creationism myth; science textbooks in some UK nursery schools teach the seven days of creation and Adam and Eve. Photograph; Getty Images

Creationism myth; science textbooks in some UK nursery schools teach the seven days of creation and Adam and Eve. Photograph; Getty Images

Dave Hone writes: The issue of creationism in the UK is something I have considered writing about for some time. However, aside from being aware that there are groups attempting to promote various brands of creationism and to get them taught in schools as scientific, I actually know rather little about what is happening. Happily however, I recently met with Richy who does know about this and he kindly agreed to write this guest post on the subject.

 

Zack Kopplin recently wrote an excellent overview of the many and varied debates raging around creationism and intelligent design in US schools. State governments in Louisiana and Tennessee have passed bills allowing creationism to be taught as a critique of scientific theories being studied, many other such bills are proposed every year, and ten states have voucher schemes whereby parents can remove their children from state schools and have the state pay for them to go to private creationist schools instead.

Here in the UK we are fortunate that there is a strong political consensus against the teaching of creationism in schools as a scientifically valid theory. Michael Gove has said that he is “crystal clear” that creationism is not science, and therefore will not be taught as such in Free Schools. His stance is to be welcomed, although there are still a myriad of issues and battles to be won on this important topic. Creationism is still an issue in the UK and one that should be brought to wider attention.

Before we go any further, to be completely clear, what is objectionable is the teaching of creationism or intelligent design as scientifically valid. The very simple reason for this is that they are not: the huge weight of evidence and consensus that follows it overwhelmingly supports evolution as being the best explanation we have, and strongly rejects alternative explanations. However, this is not to say that schools shouldn’t be able to choose to teach about the Christian, Jewish or Muslim creation narratives, as these are prominent stories and there may be a place for such teaching in Religious Education.

The main focus in recent years has been to stop Free Schools teaching pseudoscience and to get evolution in the primary curriculum. Other issues have more recently come to light, such as funding for creationist nurseries.

When the Free Schools programme was launched three years ago it was immediately clear that they would be an attractive option for creationist groups. The schools are 100% state funded, but at the same time they do not need to teach the national curriculum, and proposals for schools can be made without widespread local knowledge until they are backed by the government to open. Indeed, many creationist groups applied: over the first three years of the programme, “there were at least nine applications from private schools teaching the Accelerated Christian Education curriculum, which believes that the Loch Ness monster disproves evolution and that there is no biological basis for homosexuality. Ten came from the Christian Schools’ Trust network of private, typically creationist schools, while at least 15 were from the Exclusive Brethren, a group which often holds creationist views and whose private schools do not offer ICT GCSE, because they see technology as a potentially corrupting influence.”

While these proposals were rejected, unfortunately a few concerning cases slipped through the net. For example, Grindon Hall Christian School is a former private school that re-opened as a Free School last September. Shortly before re-opening, a “Creation Policy” was discovered on its website as a result of a simple Google search. The school denies it is creationist, but at the same time admitted to me that they had tried to remove the document from the website in order to gain Government approval. Should this situation ever have arisen?

However, in response to the controversy caused, the scrutiny of Free School proposals does appear to have tightened up significantly. In addition the Government has made a number of positive changes to the rules governing Free Schools: in January last year it was announced that they would be precluded from teaching pseudoscience, and in November it was similarly required that they teach evolution. A consequence of all this is that the latest round of applications has seen a drop in Free School proposals. There are still some niggling concerns to be addressed here but the situation is clearly improved.

What about other schools? Maintained schools need to follow the national curriculum. At secondary level this already includes evolution, and at primary level it is currently proposed that there will be modules on evolution and natural selection added from year four (ages 8-9). This is very much to be welcomed and final approval of the change should hopefully be announced shortly.

And what about nurseries? Recently it was discovered that all the creationist groups which have been trying and failing to get funding for Free Schools have for years now been happily lapping up the funding provided for free nursery places for three and four year olds. By looking at the Accelerated Christian Education’s nursery textbooks we find that in science, children are taught to identify what happened on each of the seven days of creation and about Adam and Eve in the Garden of Eden. In social studies they are also taught about Noah’s Ark. How is allowing this consistent with the approach taken elsewhere?

So there has been progress on this issue. But more work needs to be done to stop creationism from being pushed in the state funded education system. Scientists, educators and the Government must continue to be invested in ensuring it is further diminished, not allowed to increase.

 

Richy Thompson is education campaigner at the British Humanist Association and campaigns for the teaching of evolution and against the teaching of creationism in UK schools. The BHA coordinates the “Teach evolution, not creationism campaign, whose supporters include Sir David Attenborough, Professor Richard Dawkins, Sir Paul Nurse, Professor Michael Reiss, the Association for Science Education, the British Science Association and the Campaign for Science and Engineering

Fonte: The Guardian

.

Comentários do autor

Não é de agora que os governos estaduais de Louisiana e Tennessee tem permitido que o criacionismo seja ensinado como uma crítica das teorias científicas e no criacionismo o criacionismo ainda é um problema que deve ser levado a uma maior atenção, ainda mais sabendo que é questionável o ensino do criacionismo ou o design inteligente como cientificamente válido. Isto porque não é comparável o enorme peso da evidência da evolução biológica com a ideologia religiosa criacionista. A evolução explica muito bem a diversidade de forma de vidas atuais, e rejeita fortemente explicações alternativas pelo simples fato de que é muito bem aceita em diversos modelos biológicos e aceita pela imensa maioria dos membros da academia de ciências biológicas. Talvez isso não signifique que as escolas não devem escolher a ensinar sobre as narrativas da criação cristã, judaica ou qualquer outra… estas são histórias de destaque e pode haver um lugar para este tipo de ensino em educação religiosa. De fato, isto já até foi discutido aqui no Brasil e levantou muita polêmica pois como poderíamos confiar que uma aula de educação religiosa ou de historia com foco na religião tratará de forma igual o ensino de todas as principais linhas religiosas? Quem garante que o professor não puxaria a sardinha para a religião na qual ele é afiliado?

Nos EUA, muitos grupos criacionistas entraram com pedidos de escolas particulares de ensino do currículo Educação Cristã avançada e alegam que o monstro de Loch Ness (Lago Ness) desmente evolução e que não existe uma base biológica para a homossexualidade. Como se o Monstro do Lago Ness fosse uma argumentação valida e científica que invalidaria a evolução. De fato, soa mais como um grito desesperado na tentativa de impedir a evolução biológica de ser explicada como ciência nas escolas. O caso do Lago Ness já foi muito bem discutido do ponto de vista evolucionista (veja aqui) e o caso da homossexualidade tem explicações que podem sim explicar a sua origem.

O Grindon Hall Christian School é uma antiga escola privada que reabriu como Escola Livre (titulo de faixada, pois age em defesa ao criacionismo) em setembro do ano passado. Pouco antes da re-abertura, uma “Política de Criação” foi descoberta em seu site. A escola obviamente negou ser criacionista, mas ao mesmo tempo admitiu que eles tinha tentado retirar o documento do site, a fim de obter a aprovação do Governo.

As outras escolas seguem o currículo nacional. No nível secundário este já inclui a evolução, e no nível primário é atualmente proposto que haverá módulos sobre evolução e seleção natural adicionada a partir de quatro anos (idades 8-9). Isto é muito bem-vinda e final aprovação da mudança deve esperamos ser anunciados em breve.

Eu mesmo em minhas aulas de ciências do Ensino fundamental I e ensino as principais ideias a respeito da evolução usando especialmente exemplos em artrópodes e dinossauros. A partir do 4 e 5 ano existe um estudo mais detalhado sobre as obras de Darwin, o que mais se sabe atualmente a respeito da evolução das espécies e como elas se originam. Isso ocorre sempre usando praticas pedagógicas lúdicas, estudos laboratoriais de anatomia comparada e até mesmo sobre o que é o DNA e como os genes passam para gerações seguintes carregando modificações. Todas essas aulas são ministradas sem qualquer tentativa de promover cosmovisões alternativas. Não é possível (nem coerente), nem é da competência do professor pedir que no momento de sua aula os alunos deixem as crenças pessoais aprendidas nos seio familiar para fora da classe. Seria anti-ético e extremamente ditatorial pedir que qualquer aluno retire Deus do seu coração. A maturidade talvez seja a melhor estratégia para que os alunos reconheçam a validade da evolução. De fato, fica bem entendido entre os alunos que essa é uma questão delicada que eles não tem obrigação de optar por qual cominho seguir uma vez que são muitos novos para adotar qualquer tipo opinião irredutível.

Nos EUA recentemente descobriu-se que todos os grupos criacionistas que têm tentado e não conseguido mais obter financiamento para as escolas livres. Ao olhar para os livros didáticos da Accelerated Christian Education’s foi descoberto que na disciplina de ciências, as crianças eram ensinadas a identificar o que aconteceu em cada um dos sete dias da criação e sobre Adão e Eva no Jardim do Éden. Ora, isso não é aula de ciência e sim de religião mais do que descaradamente. Em estudos sociais, eram ensinados sobre a Arca de Noé.

Isso acontece no Brasil. No Rio de janeiro há o Centro criacionista de Botafogo e da Educação Adventista onde as aulas de biologia, história, matemática (e tantas outras) são totalmente substituídas por um ensino fundamentalista do criacionismo. Veja o vídeo abaixo:

Existe uma necessidade tendenciosa de distorcer as ideias da biologia e da física especialmente, ao reductio ad absurdum, como o exemplo da menina dizendo que as árvores vieram de uma explosão. O discurso do vídeo diz que temas de criação e evolução são bastante discutidos em sala de aula, mas ao olhar atentamente a forma com que os alunos são ensinados sobre o que é a evolução nota-se que não há qualquer tipo de envolvimento sério com a prática da divulgação do conhecimento científico, de ciências biológicas (e da biologia evolutiva) e sim uma pregação religiosa, chamada de proselitismo cristão fundamentalista. Note a professora dizendo que criacionismo é uma teoria científica. Obviamente que não é, pois não há universidades federais e centros de pesquisas criacionistas financiados pelo governo. Todos que existem são financiados por alguma entidade religiosa cristã. Note que todos os professores são na realidade pastores ou membros de entidades criacionistas que usam sua formação para sustentar sua crença pessoal e estende-la para um ensino cristão, pois o ensino comum não satisfaz sua crença. Marcos Eberlim que aparece no vídeo já participou de bates comigo, especialmente no que diz respeito a origem e evolução de determinados grupos de artrópodes, e simplesmente abandonou o debate quando lhe foi apresentado evidências moleculares claras a respeito da evolução de desse grupo biológico.

Em 2004 o governador Antony garotinho implantou o ensino do criacionismo em escolas estaduais do Rio de Janeiro. Na época o presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, Ennio Candotti condenou a atitudes dizendo que “O ensino do criacionismo é propaganda enganosa. É um caso que deveria ser visto como de defesa do consumidor. Os alunos deveriam procurar o Procon” dizendo que grupos políticos evangélicos descobriram no criacionismo um instrumento para “marcar posição, criar polêmica, ganhar visibilidade e arrebanhar apoio”. “Isso não é uma iniciativa sincera de discutir fé e religião.”

Não é correto comparar o criacionismo à teoria da evolução, mesmo que em disciplinas separadas. “O evolucionismo tem um lastro de estudos e comprovações.”

O problema do criacionismo não ocorre unicamente na Europa, Ásia ou America do Norte. Nós aqui do Brasil vivemos uma profunda crise no sistema público de ensino, no meio político com bancadas igualmente fundamentalistas, e crise teológica, onde os membros de grupos religiosos ou estão envolvidos em escândalos sexuais, polêmicas de baixo nível ou descontextualizam as escrituras de tal forma a sustentar uma visão pessoal ou um objetivo financeiro. É a crise moral atingindo até setores do cristianismo.

Scritto da Rossetti

Palavra chave: NetNature, Rossetti, Criacionismo, Educação, Fundamentalismo.

3 thoughts on “CREATIONISM IN UK EDUCATION – WHY THE FIGHT MUST GO ON. (Comentado)

  1. Caro Rossetti, como você nunca coloca o autor de um texto, respondo ao seu comentário.
    Continuamos a briguinha idiota entre criacionistas e evolucionistas, cada um sentado no seu respectivo dogma de fé.

    A questão na escola é outra. ALGUÉM DIZ QUE NÃO SE PODE ENSINAR “CIÊNCIA” NA ESCOLA? E isso significa ensinar a idiotice do evolucionismo? Mas todos gritam que não se pode ensinar “criacionismo”, outra idiotice.e devo admitir que a culpa maior é dos religiosos.
    Ensinar criacionismo significa colocar um padre católico, ou um pastor protestante ou pregador budista etc. ensinando como são os “cânones” de suas respectivas igrejas. Seria a mesma coisa que alguma escola pegar um profissional da Shell ou da GM para “pregar” os Estatutos e regras de suas empresas. ALGUÉM PODE CONCORDAR COM UM IDIOTICE DESSA? MAS NÃO É ISSO QUE SE ESTÁ DISCUTINDO?
    Uma escola tanto tem que ensinar ciência, como religião e artes, a questão é de fato definir o que sejam cada uma delas, e como conhecimentos, a escola deve administrar “conhecimentos”.

    A culpa ainda é também dos religiosos que não identificaram ainda o conceito de religião, que não é a mesma coisa que igreja, assim como Shell ou GM não são ciência. Fala-se em “religiões”, como antigamente se falavam em “ciêrncias”. Os cientistas evoluíram, há uma única ciência em vários campos ou ramos, os religiosos continuam no ranço igrejeiro de rituais e por isso ainda existem “religiões”. Claro como água, mas nas discussões, simplesmente se ignoram o óbvio. E unificar religião ou ciência não é a mesma que “fundir” igrejas ou empresas, outra coisa óbvia.

    Criacionismo e evolucionismo são TEORIAS E DOUTRINAS específicas para explicar e “revelar” o improvável, e cada “seguidor” acredita no que quiser ou que sua convicção pessoal indicar. SE ALGUÉM ACREDITA NO PALPITE DE DARWIM, QUE NÃO DIFERE DO PALPITE DE ALGUMA IGREJA SOBRE DEUS ETC., QUE ACREDITE, ATÉ PORQUE SEQUER PODEMOS ACESSAR DE FATO À CRENÇA DE ALGUÉM.

    Outra confusão é sobre as escolas, onde se procuram enfiar “ideologias” nas cabeças das pessoas. Se a GM tem uma escola, faz sentido enfiar sua ideologia na cabeça do aluno, se a escola é católica ou presbiteriana também faz sentido, MAS ESTAMOS FAZENDO IDEOLOGIA COM O ALUNO. É a mesma coisa que ensinar espanhol como obrigatório numa escola de línguas, e mesmo assim, ASSISTE À AULA QUEM QUER..
    Na escola em geral sem ideologia exceto INFORMAR, o aluno simplesmente tem que se informado da melhor forma possível, e amanhã ele que adote esta ou aquele crença ou ideologia, é o problema do livre arbítrio de cada um.

    No fundo da questão está em se confundir RELIGIÃO que é acervo de conhecimentos como é a ciência e as artes, COM IGREJAS que são “empresas” para aplicar a religião, como a Shell aplica a ciência nos seus trabalhos, e qualquer delas, SEM DINHEIRO, FECHAM AS PORTAS!. APENAS ISSO E NADA MAIS. Estamos falando de “empresas” em diversos ramos.
    Reconheço que os religiosos não facilitam as coisas, mas os cientistas já passaram da hora de serem os mesmos crentes que criticam nos religiosos. DOGMAS DE FÉ SÃO CRENDICICES QUE JÁ DEVERIAM TER SIDO BANIDAS DA INTELIGÊNCIA HUMANA HÁ MUITO TEMPO, TANTO NA RELIGIÃO COMO NA CIÊNCIA.

    O criacionista “acredita” que foi Deus que fez tudo, e o evolucionista “acredita” que tudo surgiu do nada, DOIS MILAGRES QUE CONTRARIAM QUALQUER LEI QUE SE CONHEÇA! E continuamos discutindo idiotices desse naipe.
    arioba.

    • Texto do The guardian escrito por:

      Richy Thompson is education campaigner at the British Humanist Association and campaigns for the teaching of evolution and against the teaching of creationism in UK schools. The BHA coordinates the “Teach evolution, not creationism campaign, whose supporters include Sir David Attenborough, Professor Richard Dawkins, Sir Paul Nurse, Professor Michael Reiss, the Association for Science Education, the British Science Association and the Campaign for Science and Engineering

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s