ESTUDO QUESTIONA INTELIGÊNCIA INFERIOR DO NEANDERTAL (Comentado)

Quais foram os genes responsáveis por moldar a inteligência privilegiada do homem moderno, permitindo que ele vencesse a disputa evolutiva com “primos” mais arcaicos, como os neandertais? A resposta, dizem cientistas brasileiros, talvez seja “poucos” ou “nenhum”.

Numa série de trabalhos apresentados nesta semana no Congresso Brasileiro de Genética, em Águas de Lindoia (SP), uma equipe da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) mapeou dezenas de genes que podem ser importantes para as capacidades mentais.

Neanderthal Compararam, então, a “receita” bioquímica presente nas versões humanas dos genes com as do genoma dos neandertais e denisovanos (misteriosos humanos arcaicos que viveram na Sibéria).

Resultado: as diferenças são nulas ou muito sutis, resume Maria Cátira Bortolini, geneticista da UFRGS e uma das coordenadoras do grupo.

“Elas não seriam suficientes para explicar grandes diferenças entre as espécies, de modo que elas seriam virtualmente iguais a nós em quase tudo, incluindo as habilidades cognitivas. Enfim, é algo controverso e contrário à visão de que a diferença cognitiva teria sido a causa de sua extinção”, diz Maria Cátira.

O estudo, cuja primeira autora é Vanessa Paixão-Côrtes, está na revista “American Journal of Human Biology”.

O trabalho da equipe gaúcha foi facilitado pela publicação, nos últimos anos, da sequência completa do genoma dos neandertais e dos hominídeos de Denisova.

Os pesquisadores se concentraram em 162 genes possivelmente associados ao desenvolvimento cognitivo ou cerebral.

Eles compararam as versões desses genes presentes nos três hominídeos com as equivalentes em chimpanzés –a ideia era ter uma base para saber qual seria a “condição ancestral” desses genes, levando em conta que, do ponto de vista cognitivo, os chimpanzés estariam mais próximos do ancestral comum dos hominídeos.

A comparação mostrou que quase todas as alterações em relação a esse padrão ancestral estão presentes tanto entre nós quanto entre nossos parentes extintos. As características em questão envolvem genes que guiariam a formação de conexões entre neurônios e outros ligados à destreza manual.

AMBIENTE E CULTURA

Por que, então, o Homo sapiens prevaleceu? Por um lado, a resposta é que ao menos alguns hominídeos arcaicos se uniram aos humanos modernos, e essa mestiçagem deixou marcas nos genomas das pessoas de hoje.

Por outro lado, diz Cátira, fatores ambientais e culturais podem ter sido mais importantes. Ela lembra que, em muitos lugares, populações de humanos modernos continuaram usando ferramentas de pedra simples por milênios, por estarem isoladas e sem estímulo ambiental que favorecesse a inovação.

Alguns arqueólogos estimam que a densidade populacional dos neandertais era baixa, o que favoreceria esse isolamento –e poderia ter deixado esse povo mais vulnerável às variações ambientais do fim da Era do Gelo.

Para a pesquisadora da UFRGS, se eles tivessem conseguido escapar desse “gargalo” e chegado ao período de clima mais estável dos últimos 10 mil anos, poderiam até ter adotado a agricultura e desenvolvido civilizações

Fonte: Folha

 .

Comentários do autor

A questão da origem e extinção de neanderthais é bastante antiga e controversa. A hipótese mais comum é que humanos e neanderthais são hominídeos distintos, ou seja, espécies diferentes. Outras linhas de pesquisa apontam que o neanderthal e o homem fazem parte da mesma espécie, porém, seriam ecotipos (raças) distintos. A terceira hipótese sugere que geneticamente a espécies humana “engoliu” a de neanderthais e sobraram resquícios desse hibridismo no genoma humano. E ultimamente tem se considerado a hipótese multifatorial. A teoria mais coerente diz que a extinção foi causada por alterações climatológicas severas que impediu tal espécie de caçar e sobreviver em um ambiente tão hostil como a Era do Gelo, além da competição e brigas com nós humanos. Totalizando assim não uma causa, mas um conjunto de fatores que somados culminaram na extinção de tais hominídeos.

De fato, é possível que humanos e neanderthais tenham estabelecido híbridos, embora ainda seja pouco provável e talvez pouco detectável na espécie humana. É fundamental, antes de estabelecer a hipótese de hibridismo, verificar se humanos e neanderthais não descendem do mesmo ancestral. Se descenderem do mesmo ancestral é obvio que a semelhança genética é estabelecida pela relação evolutiva e não por hibridismo. É como comparar genoma de humanos e chimpanzés. O fato de termos 99,2% de semelhança genética não implica em dizer que homens e chimpanzés estabeleceram híbridos, mas que em algum momento no passado (cerca de 7 ou 8 milhões de anos) houve uma espécie de primata que uni estas duas linhagens. Ela originou dois caminhos evolutivos distintos que culminaram no padrão biológico que conhecemos hoje.

O ancestral comum entre humanos e neanderthais é o Homo heidelbergensis que se originou a cerca de 800 mil anos e extinguiu-se a cerca de 150 mil.

Um estudo com foco em co-expressividade de genes em comparação com outros grupos animais. Quando nos comparamos com o chimpanzé, a diferença genética é de 6%, pois o que se compara não são somente os redes, mas as redes de genes e como elas se expressam. Isso quer dizer que uma comparação genética entre dois grupos de animais pode ser feita de duas maneiras. Olhando somente os genes que uma espécies tem, ou olhando os genes que a espécie tem, como eles se relacionam nas redes genéticas e se o padrão de expressão entre eles é o mesmo, ou próximo. Nos genes que fazem parte do sistema nervoso central de homens e chimpanzés existe 17% de diferença, que corresponde a co-expressão de genes que não seguem o mesmo padrão de expressão porque são específicas da espécie humana. O que é obvio, uma vez nossos sistema nervoso nos permite faculdades intelectuais mais refinadas em relação aos chimpanzés. Certamente, neanderthais teriam uma aproximação maior com os seres humanos uma vez que descendem do mesmo ancestral. Sendo assim, Denisovanos também poderiam ter.

Scritto da Rossetti

Palavras chave: NetNature, Rossetti, Humanos, Neanderthais, Denisovanos, Chimpanzés, evolução humana.

4 thoughts on “ESTUDO QUESTIONA INTELIGÊNCIA INFERIOR DO NEANDERTAL (Comentado)

  1. Prezado Rossetti,

    tenho uma dúvida básica a respeito desse assunto: é correto dizer que somos macacos (nossos ancestrais mais antigos são macacos)? Por mais que sejamos evoluídos ainda continuamos sendo os bons e velhos macacos modernos homo sapiens, cuja diferença genética em relação ao macaco mais próximo a nós é menor que 1%. rsrsrs

    • Somos um símio, ou seja, um tipo de primata antropomorfo (ou ainda, antropóide).
      Do ponto de vista biológico existe diferenças anatômicas, sociais e comportamentais entre macacos e símios.
      Todos os macacos do Novo e Velho Mundo, Símios, Monos, Prossímios são classificados em taxonomia na Ordem Primata. Dentro desta, há essas especificidades sobre o que faz um macaco ser um macaco e não um símio, e o que faz um símio ser um símio e não um macaco.
      Não somos mais evoluídos, os bons e velhos macacos ainda vivos tiveram exito na luta pela sobrevivência, também são vencedores, sobreviventes assim como nós. Somos primatas simiescos, antropomorfos da espécie Homo sapiens.
      Nossa diferença com os chimpanzés é por volta de 1%. Significa que o primata mais próximo de nossa espécie é o chimpanzé e conservamos parte desta relação filogenética em nosso DNA…ou seja, temos um ancestral comum com os chimpanzés, que provavelmente viveu a 8 ou 9 milhões de anos atras, antes de se dividir em duas linhagens. Uma culminou em chimpanzés e bonobos, a outra divergiu em várias espécies, que são aquelas encontradas nos registros fósseis da evolução humana (os gêneros Sahelanthropus, Orrorin, Ardipithecus, Australopithecus e por fim as espécies do gênero Homo), cujo único sobrevivente somos nós. Espero ter respondido…..estou enviando dois links sobre o assunto. Um é sobre a historia evolutiva dos primatas, o outro é sobre a genética.
      https://netnature.wordpress.com/2016/06/20/o-que-e-um-primata-o-que-e-um-macaco-o-que-e-um-simio-antropomorfo-o-que-e-ser-humano/

      https://netnature.wordpress.com/2015/10/16/o-homem-e-um-primata-e-nao-podemos-negar-nossa-genetica/

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s