CONSTANTES DO UNIVERSO, UMA RESPOSTA NATURAL OPOSTA AO PRINCÍPIO ANTRÓPICO E AO ARGUMENTO DO DESIGN – Parte 6

Observatório no deserto do Atacama (Chile)

Observatório no deserto do Atacama (Chile)

ROL DE PERGUNTAS, RESPOSTAS E ANÁLISE EFETUADAS AO LONGO DE DEBATES:

Foram realizadas ao longo do debate uma série de questionamentos acerca do “projeto inteligente”. As respostas e minha análise seguem na sequência:

.

Em sua concepção, quem ou o quê projetou o universo?”

Com relação as minhas pontuações: A aptidão para a vida não é uma relação de causa e efeito. A aptidão é uma constatação (formalizada por evidências) de que o Cosmos é exclusivamente biocêntrico. As evidências mostram que propriedades químicas e físicas contribuem para a aptidão biológica de maneira a maximizar o papel biológico. Componentes como: água, dióxido de carbono e átomo de carbono exibem uma aptidão única para a existência da vida. Então, o que se tem, não é uma relação de causa e efeito, logo sua critica é equivocada. A afirmação do biocentrismo do Cosmos tem sido apoiada, nas ultimas décadas pela descoberta do ajuste fino fundamental das constastes físicas, assunto ao qual já abordei aqui.

Análise: Todo o efeito de uma causa é uma constatação. Como seu raciocínio demonstra: o universo tem uma aptidão para a vida, logo a vida existe como CAUSA do universo e não o contrário. Voce continua insistindo que vida não se inclui em um processo de causa e efeito.

Se a vida não é uma relação de causa é efeito ela é o que?

Não sabemos se o cosmos é biocêntrico, pois a única forma de vida que conhecemos é a nossa (base carbono) e é evidente que na maioria dos lugares, seja aqui na Terra, como no Espaço, nós e a maioria dos seres vivos não podemos viver. Caso fundemos seu raciocínio pautado na única forma de vida que conhecemos (a de nosso mundo), o Cosmos não tem nada de biocentricidade, ou seja, as propriedades físicas e químicas do universo não favorecem a vida na Terra em nada.

Ao tratar de carbono e água como moléculas únicas aptas para a existência de fida é um sofisma, uma vez que sequer sabemos Se existem outras formas de vida por ai e SE a regra é ser base-carbono.

Tanto a água como o Carbono não se tratam de efeitos que tenham como causa a vida. Mas sim de causas para que a vida ocorresse por aqui.

Sabemos que existem compostos orgânicos a solta pelo espaço, principalmente nas nebulosas. O carbono é um elemento químico especial, pois sua estrutura atômica permite que ele faça quatro ligações e têm a particularidade de formar longas cadeias, formar ligações duplas e triplas e até mesmo de formar organometálicos e alótropos, como carvão, grafita e diamante. Veja aqui, aqui e aqui)

A particularidade do carbono em formar essa gama incrível de substâncias se deve a sua estrutura atômica que o torna capaz de compartilhar 4 de seus elétrons da última camada. Só o silício consegue fazer isso. Todavia, a eletronegatividade do carbono é de 2,25 pauling enquanto que a do silício é de 1,90 pauling, o que quer dizer que as ligações formadas por silício são bem mais fracas que feitas de carbono.

Assim, o carbono é o elemento mais versátil para formar uma gama incrível de substâncias, tanto que sua química ganhou um status especial e se tornou a química orgânica.

Como o carbono se forma?

Há três isótopos principais de Carbono (no total há 15 isótopos) ocorrentes na natureza: C-12, C-13 e C-14, sendo que este último é instável.

Todos os elementos estáveis da tabela periódica foram feitos assim, a partir de hidrogênio simples, deutério, trítio e lítio (até este é possível se formar sem a necessidade das estrelas).

É um processo chamado de nucleossíntese estelar. Ou seja, à medida que uma estrela envelhece, ela se aquece e passa a fazer fusão nuclear de elementos cada vez mais pesados, o que gera mais calor e expande a estrela.

As reações nucleares se tornam mais e mais intensas, até que um dia ela tem uma morte apoteótica; ou vira uma anã branca ou detona em uma supernova que pode largar três tipos de zumbis para trás – um buraco negro, uma estrela de nêutrons ou um magnetar.

É nesse ambiente que a tabela periódica e logicamente o carbono se formam. Caso o elemento não seja estável, ele decairá como é o caso do Tecnécio e do Promécio – cisurânicos instáveis e do Urânio em diante (os transurânicos).

Para que se forme o Carbono é necessário que três núcleos atômicos de Hélio (partículas alfa) se colidam.

 O carbono, por conseguinte, não se trata de um milagre, mas sim de uma transmutação de elementos ocorrida dentro das estrelas.

Sua propriedade de ser apto a gerar vida se deve a sua estrutura atômica em si, a qual permite ligações simples, duplas e triplas, possibilitando mesmo a formação de isômeros cis-trans e ópticos.

O carbono é muito versátil e fácil de reagir, o que é necessário para a ocorrência de uma química para seres vivos. O carbono consegue sustentar suas moléculas em ambiente aquoso e, na natureza as plantas se valem do gás carbônico para sintetizar seus açúcares e o resíduo após os animais as consumirem é esse gás também.

Já o silício não tem essa versatilidade. Suas ligações são mais frágeis, o que impediria que estruturas longas e complexas se sustentassem em meio aquoso. O Silício é incapaz de formar ligações duplas, o que limita a quantidade de substâncias e a possibilidade da ocorrência de reações químicas de suas moléculas.

Para tratarmos de por que a vida é base carbono, isso foge ao tema proposto, pois se remete às origens da vida ou abiogênese química.

Assim, baseando-se o raciocínio apenas na estrutura do átomo de carbono, a vida é causa do carbono ser como ele é e não o contrário. A conseqüência em um universo que tenha tempo suficiente para formar vida é ele ter vida em suas zonas de calmaria, ou seja, na periferia das galáxias.

Quanto á água, a razão de ser um líquido e não um gás, reside no fato de sua geometria, causada pelo átomo de oxigênio.

O oxigênio é demasiadamente eletronegativo frente ao hidrogênio, o que confere polaridade à água (momento de dipolo elétrico). Há dois pares de elétrons não ligantes no Oxigênio da água, sendo que estes pares se repelem e conferem a forma da molécula de água, cujo ângulo é aquele em que há equilíbrio de forças.

Com isso, a água forma pontes de hidrogênio intermoleculares entre o oxigênio de uma molécula e o hidrogênio de duas outras, pois o Oxigênio de uma molécula de água tem dois pares de elétrons isolados em sua última camada. Assim, uma molécula de água pode se ligar a quatro outras moléculas de água, por meio de pontes de hidrogênio.

Assim, devido a essa “força” em suas ligações a água, que teria tudo para ser um gás nas CNTP, é um líquido.

Mas a água ainda é um excelente solvente para solutos polares. Ainda devido à eletronegatividade do oxigênio, ocorre a solvatação de íons, ou seja, o cátion é atraído pelo oxigênio e o ânion pelo hidrogênio.

Por isso os sais se dissolvem em água, o que facilita seu transporte e a torna uma causa para que organismos vivos possam existir.

Assim, tanto água como carbono podem claramente serem vistos como causas para haver vida e suas propriedades não dependem dos humores de um demiurgo, mas sim das próprias condições de nosso universo primordial, que já foram explicadas anteriormente.

Vou até fazer uma afirmação muito ousada, sem base nenhuma (fundada no meu mais puro achismo), me perdoem todos:

SE EXISTIR VIDA EXUBERANTE POR AI (como a da lua Pandora em Avatar), CERTAMENTE QUE ELA SERÁ BASE CARBONO E NÃO DISTOARÁ MUITO DO QUE TEMOS AQUI. SEGURAMENTE TERÁ DEPENDÊNCIA DE ÁGUA E UM METABOLISMO MUITO SEMELHANTE AO DAS CRIATURAS QUE VIVEM NA TERRA. COM TODA CERTEZA AS ENCONTRAREMOS NA PERIFERIA DAS GALÁXIAS EM SISTEMAS SOLARES RELATIVAMENTE EM MEIA IDADE E EM UMA ZONA GOLDLOCKS, QUE PERMITA TERMOS ÁGUA LÍQUIDA.

EM MUNDOS COM CONDIÇÕES DIFÍCEIS COMO MARTE, ATÉ PODE EXISTIR VIDA, MAS ESTARÁ NO NÍVEL DE BACTÉRIAS OU PROTOZOÁRIOS.

Quanto á afirmativa:

[A afirmação do biocentrismo do Cosmos tem sido apoiada, nas ultimas décadas pela descoberta do ajuste fino fundamental das constastes físicas, …]

Isso é falso. Não há evidências que corroborem sua afirmativa, mas há circunstâncias fáticas que a rechaçam, conforme expusemos exaustivamente ao longo deste debate. Mais uma vez vc cria um falso esquema lógico em que a vida é causa para o universo existir.

Em sua concepção, quem ou o quê projetou o universo?

Uma analise acurada das evidências não apontam para nenhum mentor em especial para o Cosmos.Em minha opinião, o DI deixa completamente em aberto com relação a identidade do projetista. Neste contexto, existem muitas possibilidades, e eu estou trabalhando para analisar uma por uma, no entanto, não cheguei a uma conclusão.

Análise: Resumindo cada um pode dizer o que bem entender acerca do designer. Isso rechaça por completo a pretensão científica do DI, pois é algo meramente subjetivo. Sinto desapontá-lo, mas caso voce queira ser imparcial na busca pelo designer, voce não chegará a nada.

Caso voce queira se prender a uma religião, o dito cujo será o deus supremo da crença a que voce presta culto.

Qual a base científica que o faz ter certeza acerca deste projeto?

Não diria certeza, porque certeza não é algo condizente com a ciência, o que hoje para a ciência é verdade, não poderá ser futuramente, hipóteses ou Teorias podem mudadas e contestadas – Teoria não é certeza absoluta. Então, primeiro: No meu ponto de vista, o argumento do projeto insere-se na ciência como a melhor explicação para o ajuste fino do Universo, do qual a base fundamenta-se por inúmeras evidências que acumulam-se com o decorrer do tempo. Tais evidências são objetos de estudos por vários cientistas, dos quais já foram publicados em livros e artigos científicos, fato que torna o argumento para o projeto, uma explicação científica para os dados adquiridos. Segundo: No contexto cientifico, através do quadro histórico, observa-se que nem Darwin negou a possibilidade para o projeto no Universo, embora negasse para ser humano. Wallace (ver World of Life: A Manifestation of Creative Power, Directive Mind and Ultimate Purpose) foi um dos precursores seguido por Henderson (ver The Fitness of the Environment). Com isso, vemos que existe um registro histórico de abordagens científicas que tratam deste tema.

Análise: Quando voce se refere a evidências para um projeto, mais uma vez voce monta um sofisma. Um projeto é a pior explicação que existe quando tratamos de ciências naturais, pois ele, inutilmente, multiplica entidades sem nada tratar acerca delas. Sem falar que como já expusemos essas evidências de projeto estão completamente equivocadas.

Nenhum cientista que tenha uma gota de seriedade trataria do universo como um projeto inteligente. Livros e artigos científicos tratam sim de estudar o universo e muito. Mas daí a fazer menções a um projeto inteligente, isso seria um salto epistemológico tão grande que abalaria á credibilidade do sujeito.

Bom, ao mencionar historicismo científico em torno do projeto, é o mesmo que mencionar o historicismo atinente a alquimia e a astrologia. Aqui vc se vale do argumento da autoridade mesclado ao argumento da antiguidade. Por essa razão, sua colocação é falaciosa.

Por que, um projeto que visivelmente apresenta falhas voce o compreende como inteligente?

Todo o projeto necessita de inteligência, pois se assim não o fosse ele não seria projeto, mas sim ações aleatórias. Neste caso, o projeto apresenta falhas por estar sujeito as intempéries naturais do Universo. Como eu disse, o projeto é exato em sua origem e essência – contudo a condição de estar à mercê das condições naturais o torna falho – fato que é posterior a concepção do projeto. O DI não postula que o projeto deva ser perfeito para sempre – e nem que o projeto necessariamente pressupõe u percurso perfeito com o decorrer do tempo – pois o projeto não é uma interferência às leias naturais e tampouco uma interferência sobrenatural.

Por que o projetista faz projetos que são uma negação em termos de engenharia e uma tremenda estupidez do ponto de vista lógico se ele é um projetista inteligente?

Eles só são falhos porque seguem o percurso natural do Cosmos. Contudo, o projeto original é perfeito e extremamente inteligente – ou seja – o fato que define o projeto em Cosmologia é extremamente exato. Então o que acontece é o fato de que as falhas resultantes são o produto dos fatores posteriores ao projeto, que por sua vez ocorrem devido a situação em que o projeto se condiciona – ou seja – o fato de que o projeto sujeita-se as interferências naturais do Cosmos.

Análise: Resumindo, tem-se um projeto sujeito a falhas. Ou seja, o designer não é inteligente, pois não teve capacidade preditiva. O pacote veio com defeito, pois não previu o que poderia acontecer futuramente. Também, não existe o contrato de manutenção do sistema.

Em suma já havia defeito no produto, pois as “intempéries naturais do universo” o deteriorariam. O projetista não reparou nessas intempéries?

Se o projeto guardava essa possibilidade, ele não era exato em sua essência, pois as condições naturais são do próprio projeto; estão embutidas nele. Afinal a causa para tudo existir é do próprio universo (imaginando que só exista um). E sendo o universo a causa de tudo, a causa de sua deterioração é inerente ao seu “projeto”, o que o torna defeituoso desde a sua concepção.Em engenharia um projeto é acompanhado desde a sua idealização até o seu fim (deterioração na mão do consumidor). Existe um prazo de duração para os projetos. Se durarem menos, serão projetos defeituosos e terão de voltar á prancheta.

Que tipo de projetista é esse que não sabe as noções básicas de engenharia?

O raciocínio em si não passa de mais um sofisma.

Em sua concepção não há uma resposta que explique satisfatoriamente as razões do universo ser como é. Dessa forma, seria o argumento do projeto uma resposta default ?

Não é um argumento por default. Atente-se ao meu enunciado. Veja, meu objetivou foi o de mostrar que as principais Teorias alternativas para O Ajuste Fino são falhas, o argumento para o projeto é outro tema. Antes de tudo é necessário considerar as Teorias que cercam o tema – após isto justificar se um projeto realmente existe e porque existe e o que o torna relevante. São etapas que eu sigo rigorosamente – método cartesiano – Tendo isto em vista, meu objetivo inicial foi concluído – eu considerei as Teorias atuais e apresentei as falhas – a segunda etapa consiste em identificar o projeto e assim por diante. Eu debateria tranquilamente sobre o projeto em si – meu enunciado poderia ser: “Evidência de design no Cosmos” eu até me basearia neste debate para formular meu argumento, já que este tema interliga-se com o do projeto, não só interliga-se como é uma pré-condição para o argumento a favor do projeto – são etapas que eu – pessoalmente – me certifico de seguir. Então foi por este motivo que eu não abordei o argumento para o projeto neste debate.

Análise: Não seu método não é fundado no cartesianismo, pois ele não se vale da razão para descrever fenômenos naturais.

Embora voce duvide de tudo que lhe foi apresentado (isso é uma atitude muito louvável dentro da seara científica), voce só parece não duvidar de um posicionamento.

De acordo com a WIKI, o cartesianismo se resume em:

{verificar se existem evidências reais e indubitáveis acerca do fenômeno ou coisa estudada;}

Voce não verificou as evidências que apóiam um projeto. Voce apenas as postulou.

{analisar, ou seja, dividir ao máximo as coisas, em suas unidades de composição, fundamentais, e estudar essas coisas mais simples que aparecem; }

Voce não analisou os itens fundamentais do universo para chegar á conclusão de que há um projeto. Seu fundamento para tal se assenta em sofismas lógicos.

{sintetizar, ou seja, agrupar novamente as unidades estudadas em um todo verdadeiro; }

Como voce não realizou a tarefa anterior, o agrupamento que voce fez é equivocado, pois se assenta em uma falsa lógica.

{enumerar todas as conclusões e princípios utilizados, a fim de manter a ordem do pensamento.}

Não há princípios ou conclusões em seu raciocínio, pois ele é fundado numa petição de princípio de que há um designer que sabe-se lá quem é.

Nas análises acima há extrema confusão e contraditoriedade ao tratar do “projeto do universo”. Com isso não há qualquer conclusão que vejo como plausível de se chegar.

Escrito especialmente por Elyson Scafati

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s