UM PASSO A FRENTE NA EXPLICAÇÃO DA ORIGEM DA VIDA

Simulações em computadores sofisticados dos experimentos clássicos de Stanley Miller sobre a formação de compostos orgânicos complexos a partir de moléculas simples para a “sopa primordial” da antiga Terra mostraram o papel central dos campos elétricos no ambiente. O resultado indiretamente reforça a teoria do “mundo de RNA”, e tem implicações interessantes para a busca de vida extraterrestre.

A nova reconstrução dos experimentos clássicos de Stanley Miller sobre a origem da vida esclareceu passos importantes dos processos que, há bilhões de anos, levaram à formação de compostos orgânicos complexos a partir de moléculas inorgânicas simples. O estudo foi conduzido por Marco Antonino Saitta, da Universidade Pierre et Marie Curie e Franz Saija, Instituto de processos químicos e físicos do Conselho Nacional de Pesquisa de Messina (iPCF-CNR), que foram publicados na “Proceedings of the National Academy of Sciences” tem identificado a ‘intensidade dos campos elétricos presentes como fator-chave que orienta as reações químicas para a produção de moléculas complexas específicas. O resultado também reforça a hipótese do chamado “mundo de RNA”.

Clique para saber o significado do termo: Stanley Miller (1930 -2007) ao lado de unapparcchiatura que reconstruiu sua experiência histórica de 1953 (© Roger Ressmeyer / CORBIS) Stanley Miller (1930 -2007) ao lado de un'apparcchiatura que reconstruiu sua experiência histórica de 1953 (© Roger Ressmeyer / Corbis)

Stanley Miller (1930 -2007) ao lado do aparelho que reconstruiu sua experiência histórica de 1953 (© Roger Ressmeyer / CORBIS)

Em 1953, por alguma faísca dentro de uma mistura de metano, amoníaco e vapores de água e de hidrogênio, Miller deu suporte experimental para a teoria – formulada em 1924 pelo bioquímico russo Alexander Oparin – de acordo com o qual as moléculas orgânicas básicas podem ter sido formadas espontaneamente na “sopa primordial” da Terra primitiva. Na época, Miller foi capaz de demonstrar a formação de 14 aminoácidos, mas a análise por espectrometria de massa realizada em 2008 em suas amostras originais têm demonstrado que, na realidade, os aminoácidos eram 22. Em 1961, em uma experiência com uma solução aquosa de amoníaco e ácido cianídrico, o Espanhol Joan Oró então demonstrou que uma energia do aquecimento ou de descarga elétrica, levou à formação de uma adenina, uma das bases nitrogenadas que formam os nucleotídeos dos ácidos nucleicos. Contudo, os exatos processos de síntese que conduzem a partir de moléculas simples (água, amoníaco, metano, óxidos de carbono) até moléculas orgânicas simples (formaldeído, cianeto de hidrogênio, ácido fórmico) e, finalmente, para moléculas complexas, tais como aminoácidos, purinas e pirimidinas, não foram ainda esclarecidos. Para explicá-los, foram usadas a radiação UV, a energia térmica das fontes hidrotermais marinhas, as reações redox em um “mundo em ferro e enxofre”, a radioatividade de fundo do planeta e até mesmo as ondas de choque gerada pelo impacto de meteoritos. No novo estudo, baseado em uma série de simulações de computador, Saitta e Saija têm examinado o papel de um fator até então não considerado adequadamente: os campos elétricos. Aplicando os campos elétricos para as misturas de água, amoníaco e metano, adicionou-se variadamente com átomos de monóxido de carbono e de azoto (nitrogênio) e têm demonstrado que, dependendo da intensidade do campo elétrico presente, as moléculas sintetizadas nas experiências de Miller, Oró e outros podem formar-se espontaneamente e tempos da ordem de picosegundos. Particularmente significativa é a explicação da formação de formamida, como foi demonstrado recentemente que esta molécula, submetida à radiação UV permite a formação de guanina. Guanina era a única das quatro bases de nucleotídeos que não tinham conseguido produzir apenas pelo fornecimento de calor para a “sopa primordial”, para que os estudiosos da origem da vida pudessem apelida-la de guanina “G faltando.” O interesse na descoberta de Saitta e Saija é reforçado pela identificação recente de formamida no ambiente de um protótipo solar. A formamida pode, portanto, ser considerada como uma “impressão digital” da presença de aminoácidos de origem abiótica num ambiente extraterrestre.

Fonte: Le Scienze

One thought on “UM PASSO A FRENTE NA EXPLICAÇÃO DA ORIGEM DA VIDA

  1. O grande problema dos cientistas é se iludirem com observações. Aristóteles se iludiu que as coisas caíam para a Terra, e lascou a veracidade do geocentrismo que se tornou dogma de fé com inquisição tudo, até que Newton 2 mil anos depois, mostrou que as coisas não caem para a Terra, há uma atração mútua pela gravidade. Claro que nunca ninguém viu a gravidade, e Aristóteles não tinha como observá-la. Mas seu palpite se tornou dogma de fé, como a seleção natural de Darwin que observou organismo “enquanto vivos”, mas sequer chutou também o que seria um “ser-vivo”! Classificou organismos materiais enquanto vivos, e se transformou no dogma de fé de como se originam os seres-vivos!. É como imaginar que o automóvel se originou da roda, por seleção natural! É possível?
    Miller mostrou a formação de aminoácidos numa “sopa qúímica” que mesmo construiu “inteligentemente”, E ALGUÉM LASCOU QUE ELE ENCONTROU “VIDA”, QUE ATÉ HOJE NINGUÉM NEM DA CIÊNCIA NEM DA RELIGIÃO DEFINIU O QUE SEJA. E uma célula orgânica é por definição “Vida”? Vida do quê? Se colocar uma célula orgânica em cima de uma mesa, ELA SE TORNARÁ VIVA?
    Só na cabeça de algum dr. Pardal.
    E aí a tal “seleção natural” da qual se originara a “Árvore da Vida” (na realidade foi exatamente o contrário) tudo teria origem num único ser-vivo, como se fosse o tal Big Bang orgânico. E qualquer criança de primário sabe que a Vida na Terra é uma simbiose das várias espécies vivas, umas vivem de outras, e sequer uma única espécie teria como viver, muito menos um único indivíduo. E o sujeito tira vários PhDs para dizer que não é assim que acontece!
    A mesma cosia diziam os pajés religiosos de antigamente, e tínhamos que acreditar!

    arioba

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s