UM CRIACIONISTA DE ALBERTA, EDGAR NERNBERG, ENCONTROU O QUE OS CIENTISTAS ESTÃO CHAMANDO DE UM DOS ACHADOS FÓSSEIS MAIS IMPORTANTES EM DÉCADAS.

Um conjunto de peixes fossilizados foi recentemente encontrado durante a escavação de um porão ao noroeste de Calgary,. Cinco peixes foram encontrados em um bloco de arenito da Formação Paskapoo - uma formação rochosa de cerca de 60 milhões de anos de idade, que é a base de Calgary e abrange uma grande parte da área circundante. A descoberta foi feita por Edgar Nernberg. Foto fornecida pela University of Calgary

Um conjunto de peixes fossilizados foi recentemente encontrado durante a escavação de um porão ao noroeste de Calgary,. Cinco peixes foram encontrados em um bloco de arenito da Formação Paskapoo – uma formação rochosa de cerca de 60 milhões de anos de idade, que é a base de Calgary e abrange uma grande parte da área circundante. A descoberta foi feita por Edgar Nernberg. Foto fornecida pela University of Calgary

O Senhor trabalha de forma misteriosa – e, aparentemente, Ele tem um senso de humor bastante irônico, também.

Você tem que sorrir, quando a maior descoberta de fósseis na história recente vem no final de uma retroescavadeira operada por um homem conhecido como o maior promotor do criacionismo em Alberta.

Seu nome é Edgar Nernberg, e quando ele não está sentado no conselho de administração do Museu Criacionista do Big Valley ou ativamente lutando para a inclusão do criacionismo no currículo escolar de Alberta, Nernberg opera uma retroescavadeira em Calgary.

Ele estava no banco da máquina quando fez uma descoberta muito saudada pelos cientistas em Alberta como um dos fósseis mais importantes em décadas de descobertas, ajudando a resolver um quebra-cabeça evolutivo que remonta 60 milhões anos.

Não é o que Nernberg acredita: Para ele, os cinco fósseis de peixes perfeitamente preservados, encontrados durante a escavação de um porão no noroeste Calgary são apenas mais uma prova de um mundo criado por Deus a apenas alguns milhares de anos atrás.

“Não, ele não mudou minha mente. Nós todos temos a mesma evidência, e é apenas uma questão de interpretar como você a vê “, diz Nernberg.

Um ávido colecionador de fósseis e de amostras de idade em sua busca para reforçar a crença em um mundo dito ter cerca de 6 mil anos de idade, Nernberg doou tempo e exposições para o museu da Bíblia de promoção em Big Valley.

O museu, destinado a combater as populares Royal Tyrrell em Drumheller, explica como os dinossauros e os humanos coexistiram, e como histórias como Dilúvio de Noé tem apoio geológico.

É um trabalho duro em um mundo onde a evolução e um cronograma medido em bilhões de anos que é amplamente aceito – mas Nernberg diz que ele não se importa, sabendo que seu ponto de vista é o caminho certo.

“Não há datas estampadas nessas coisas”, diz ele, compartilhando uma risada bem-humorada sobre uma descoberta que tem ele trabalhando ao lado do inimigo ideológico, por assim dizer.

Quando perguntado se ele sabia que sua descoberta ajudaria na investigação do Royal Tyrrell? Nernberg apenas ri. “Sim, isso é certo”, diz ele.

A Universidade de Calgary vai apresentar oficialmente a cinco peixes de valor inestimável, que poderiam ter sido chaves e que Nernberg não notou-os.

Certamente será um encontro muito interessante de mentes, como Nernberg está com funcionários da universidade para mostrar o achado.

Mas não importa as suas diferenças, o lado da ciência é grato.

“A maioria das pessoas teria ignorado elas – quando foram descobertos, Edgar imediatamente reconheceu eles”, diz Darla Zelenitsky, paleontólogo e professor assistente de geociências na Universidade de Calgary.

“Ele estava escavando um porão quando os viu, por isso foi um acaso total. Ele está aparentemente interessado em fósseis, e isso é provavelmente como ele os viu. Uma pessoa comum poderia ter destruído tudo vendo aquilo somente como manchas em uma rocha”.

Os peixes, cada um do tamanho de um iPhone, deram uma última nadada por volta de 60 milhões de anos, na era imediatamente após um ataque maciço de asteróide que culminou dizimando os dinossauros.

Isto é, se você aceitar a ciência.

Zelenitsky não é claro, e por aí vai cientistas da Tyrrell, onde os fósseis são abrigados como propriedade da província.

Geralmente chamado de peixe ósseo-língua – o tipo específico tem ainda de ser determinado – mas são grupos pré-históricos particulares que morreram em um local sorte, pelo menos pelo quanto no futuro serviu a uma causa.

“As rochas sob Calgary são cerca de 60 milhões de anos mais jovens do que as rochas que encontramos em Drumheller, onde encontramos os dinossauros”, disse Zelenitsky.

“É muito incomum achar estes peixes completos em registro fóssil – e não comum nos deparamos com fósseis completos na área de Calgary. Na verdade, somente um casal de peixes foi encontrado nas últimas décadas”.

Não surpreendentemente, Nernberg diz que adoraria ter um dos peixes para expor no Museu da Criação, de fato, ele pediu todos e está chamando isto de descoberta de uma vida..

“Se eu tiver preferência, eu quero que eles no museu (Criacionista). Esta é certamente a coisa mais legal que eu encontrei ao longo dos anos”, disse Nernberg.

Por isso, ambos os lados podem concordar.

Traduzido por Marinno Martins

Fonte: Edmonton Sun

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s