GOVERNO ESCOCÊS: CRIACIONISMO BANIDO DAS AULAS DE CIÊNCIAS

Ativistas que pediam a proibição oficial do ensino do criacionismo nas escolas tiveram boas notícias, eles conseguiram uma “afirmação clara” de um ministro do governo escocês dizendo que o criacionismo não deve ser ensinado nas aulas de ciências.

Sem título

O Scottish Secular Society  (SSS) apresentou uma petição com o Parlamento escocês pedindo para barrar a apresentação do criacionismo como uma alternativa viável para a evolução nas escolas.

No início deste mês, MSPs na Comissão de Educação e Cultura descartou a introdução de novas orientações, dizendo que as escolas devem contar com professores que exerçam o seu julgamento profissional, em vez de introduzir legislação.

No entanto, o SSS têm apontado para uma carta enviada à comissão por Alasdair Allan, ministro do ensino e da ciência, que afirmou já há uma série de salvaguardas destinadas a garantir os jovens que recebam uma educação equilibrada.

A carta acrescentou: “Orientação fornecidas pela Educação Escocesa, definindo “Princípios e Práticas” um paper e as” Experiências e Resultados “da documentação para cada uma das oito áreas curriculares que não identificam o criacionismo como um princípio científico. Não deve, portanto, ser ensinado como parte de aulas de ciências “.

O professor de química Paul Braterman, conselheiro científico para o SSS, disse que a posição oficial do Governo escocês já tinha barrado qualquer orientação sobre o ensino do criacionismo nas aulas de ciências. Ele disse: “Agora, temos, finalmente, uma declaração clara do ministro responsável que o criacionismo não deveria ser ensinado como ciência”.

No entanto, ele disse que ainda tinha preocupações sobre como o criacionismo é apresentado como religião e princípios morais nas aulas e escolas na Escócia. Na Inglaterra e País de Gales, o ensino do criacionismo como as teorias científicas é proibido nas escolas.

Um porta-voz do governo escocês disse: “A Educação na Escócia não identifica o criacionismo como um princípio científico, e não faz parte do aprendizado e ensino da ciência em nossas escolas”.

“Os professores usam seu julgamento profissional, experiência e compreensão dos seus alunos para responder com sensibilidade para questões complexas e desafiadoras, como os suscitados por diferentes perspectivas.”

Traduzido por Marinno Martins

Fonte: Herald Scotland

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s