NETNATURE TERÁ DE SAIR DO AR POR DENÚNCIAS.

O NetNature recebeu uma notificação da WordPress.com de que o blog tem violado regras básicas para o usuário e terá sua atividade suspensa por período indeterminado mediante análises externas. Peço desculpa a todos e paciência para normalizar a situação, qualquer coisa eu mudarei o nome do blog divulgando os mesmos conteúdos e mesmos objetivos. Aqui, neste último texto onde explico com detalhes o que esta acontecendo.

Sem título

Não, o enunciado acima não corresponde á realidade. De fato, é uma abordagem feita pelo dia 1 de abril, ou “o dia da mentira”. Todo este chamado tem a ver com a nossa capacidade de mentir de forma convincente e como isto pode ter evoluído a partir de um resultado direto de nossa natureza cooperativa.

Este é o resultado obtido a partir de um estudo publicado na Journal da Royal Society B, que considera a evolução da “dissimulação tática” usando um modelo teórico e um estudo comparativo dos primatas. Como primata que sou, resolvi pregar esta peças a vocês neste dia cheio de piadas ruins (como esta) e revelar um pouco do papel da mentira na evolução humana.

A ideia do estudo era observar como a mídia lida com isto. A principal conclusão obtida no estudo é que a mentira é uma forma de explorar o comportamento cooperativo dos outros – o que parece muito óbvio.

Muitas espécies têm evoluído capacidades extraordinárias para cooperar. Podemos tomar a cooperação como uma faceta óbvia de vida, para se obter um ganho a longo-prazo a cooperatividade exige a disposição de pôr de lado interesse particulares a curto prazo. O que não evolui facilmente.

A cooperação torna possível para alguns indivíduos por enganações, prosperando fora dos esforços de cooperação dos outros. Cooperando muito rapidamente você pode ser tapeado. Cooperar de má vontade e você não colher os benefícios de trabalhar em conjunto.

Os biólogos evolucionistas e economistas acham que até mesmo os modelos mais simples de cooperação – como jogo do dilema do prisioneiro (um tipo de “delação premiada”) pode levar a regras complexas sobre quando um indivíduo deve cooperar e quando ele deve tentar enganar.

Explorar o mundo natural, e a gama de possíveis padrões de comportamento que evoluíram para enganar e permitir a cooperação entre a florescer se torna ainda mais complexa. Em algumas espécies, os indivíduos retribuem diretamente. Morcegos bem alimentados regurgitar refeições de sangue para os famintos que os ajudaram a evitar a fome (também por regurgitação) no passado.

Outras espécies retribuem menos diretamente. Um rato que tem sido ajudado por outro rato, por exemplo, é mais provável ajudar um terceiro indivíduo a obter alimentos do que é um rato que não tenha sido ajudado antes.

Os seres humanos fazer todas essas coisas também. Eles também compartilham informações – como a fofoca – e preferem cooperar com aqueles que têm boa reputação. Isso faz com que a cooperação humana fique quase infinitamente complexa.

Os antropólogos não medem esforços para entender como reputações são ganhadas e reguladas

Este modelo publicado na revista tem como base o dilema do prisioneiro e sugere que a evolução da cooperação levou também à evolução de mentira. Para ser direto, Luke McNally e Andrew L. Jackson do Trinity College, em Dublin desenvolveram um modelo da evolução da “dissimulação tática”, ou “a deturpação do estado do mundo para os outros”.

Ao invés de simplesmente fazer a trapaça, tentando ganhar do outro o comportamento cooperativo, sem comportar-se cooperativamente, este modelo acrescenta uma nova forma de operar. Enganando o outro indivíduo, pode-se enganar o indivíduo que ele cooperar.

Por exemplo, o filme The Invention of Lying: “O mundo vai acabar, a menos que nós façamos sexo agora!”. Este filme, esta fora de ser um romance, pois traz em jogo a capacidade de mentir, precisamente porque a natureza cooperativa da sociedade que mente livremente. Mentir sobre o mundo, a fim de enganar funciona bem se os mentirosos não forem muito comuns ou muito descarados. Se o fizerem, todo o edifício cooperativo entra em colapso.

NcNally e Jackson modelaram uma análise das espécies de primatas e mostram que as espécies mais cooperativas também têm taxas mais elevadas de engano. É a cooperação em si que permite a evolução da mentira.

Este resultado pode parecer um pouco óbvio e um pouco simplista, mas os modelos desta natureza fazem um grande serviço, colocando nossas intuições em teste. E elas podem ser mais tarde desenvolvidas e elaboradas para iluminar questões mais difíceis. Talvez pode nos ajudar a entender as tensões numa escala precisa entre a cooperação e desonestidade nos assuntos humanos. Há muito mais para mentir do que simplesmente deturpar o mundo.

O mentiroso muitas vezes engana a si próprio, bem como a fim de colocar um brilho mais convincente sobre a mentira.

O neurocientista Sam Harris publicou recentemente uma discussão em um e-book indicando que nós podemos simplificar nossas próprias vidas e construir sociedades melhores dizendo a verdade em situações em que se tem tentado a mentir.

Harris não significa apenas os as grandes pessoas são típicas de fraude, os conquistadores e políticos. Ele está especialmente preocupado com o “branco” das mentiras que muitos de nos dizem, a fim de poupar os outros de um desconforto e os efeitos corrosivos que têm sobre as sociedades.

Mas, independentemente de uma melhor compreensão de como o ato de mentir evolui, não importa quão simples, pode fazer um bem enorme social. Por um lado, pode ajudar a restringir as piores desonestidades na política, relações públicas e propaganda como temos visto no Brasil, uma mentira orgânica, endêmica e sistemática (Phys.org, 2013).

Não só a mentira, mas a fofoca também, pois ambas surgem com a estruturação da linguagem. O psicólogo Robin Dunbar olha para a fofoca como um instrumento de ordem social e de coesão, bem como o aliciamento sem fim com que os nossos primos primatas tendem a suas relações sociais.

O que Dunbar sugere em sua pesquisa, seja no campo da primatologia ou no de fofocas, confirma-se que os seres humanos desenvolveram a linguagem para servir o mesmo propósito, mas com muito mais eficiência.

Os antropólogos há muito tempo tem assumido que a linguagem desenvolvida nas relações entre os homens durante atividades como a caça e estudos sugerem que a linguagem de fato evoluiu em resposta à nossa necessidade de manter-se atualizado com os amigos e familiares. Precisávamos de conversa para ficar em contato. Como mostra Dunbar em seu livro “Grooming, Gossip, and the Evolution of Language”, o mundo impessoal do ciberespaço (aqui na internet) não vai cumprir a nossa necessidade primordial para contato face a face. Foi a partir das picuinhas dos chimpanzés que surgiram nossos bate-papos descontraídos ou filosóficos na hora café na sala dos professores, a picuinha criacionista com os evolucionistas; e a neurociência para paleoantropologia, o comportamento de grooming e a evolução da linguagem oferece uma visão provocativa do que nos torna humanos, o que nos mantém juntos e o que nos diferencia.

Grooming. Fonte: nomad-tanzania

Grooming: Em zoologia refere-se a catação, e se refere ao hábito presente em diversos mamíferos, especialmente os primatas, de afagar a pele ou os pêlos e catar ectoparasitas. Fonte: nomad-tanzania

Um estudo publicado pela revista Advances in Child Development and Behavior mostra que as crianças mentem para preservar a interesses, bem como para o benefício dos outros. Com a idade as crianças aprendem sobre as normas sociais que promovam a honestidade ao incentivar e historias falsas ocasionalmente por vantagens pró-sociais.

No entanto, a mentira pode se tornar um problema de comportamento com o uso frequente ou inadequado ao longo do tempo, criando riscos de consequências sociais, tais como a perda de credibilidade e danos aos relacionamentos.

Por meio da infância, a dependência crônica a mentir pode estar relacionado com o fraco desenvolvimento da consciência, auto-controle e comportamento anti-social sendo um indicativo de desajuste colocando o indivíduo em conflito com o meio ambiente.

Portanto, a mentira (ou mesmo a fofoca) que pode ter tido um certo valor adaptativo no que diz respeito a cooperação pode trazer conclusões problemáticas socialmente quando se torna patológica ou descaradas.

Portanto, o enunciado não tem absolutamente nada de verdadeiro, mas faz um chamado para este dia tão importante, o dia da mentira que teve um grande significado cooperativo na origem de nossa espécie; embora quase que cotidianamente tenho discutido com defensores patológicos de posturas mentirosas na tentativa de validar premissas não-científicas.

Espero que os amigos primatas cooperem espalhando esta mentira sobre o NetNature.

Victor Rossetti

Palavras chave: NetNature, Rossetti, Mentira, Cooperação, Primatas, Teoria dos jogos, Dilema do prisioneiro.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s