A RELIGIÃO COMO FRUTO DA EVOLUÇÃO HUMANA.


As práticas e comportamentos religiosos datam mais expressivamente do período Neolítico (entre 12 mil e 4 mil a.c) geralmente é estudado sob a perspectiva da psicologia evolutiva, arqueologia e neurociência. Sob esta perspectiva, há sempre uma abordagem quanto á origem da linguagem, da mitologia, a comparação cross-cultural da antropologia da religião segundo as evidências sobre a espiritualidade ou o comportamento de culto no Paleolítico Superior, e semelhanças no comportamento grandes primatas. Aqui trataremos da religião como fruto da evolução e quais evidências sustentam esta tese.

Caverna de Chauvet - Ocupada por humanos em dois diferentes períodos. A maior parte das pinturas é do mais antigo (30.000 a 32.000 anos). A última ocupação (25.000 a 27.000 anos) deixou poucas marcas, como a impressão de um pé de criança, restos de fogueiras e a fuligem das tochas usadas para clarear mas que enfumaçou as pinturas. A caverna ganhou esse nome por seu descobridor, Jean-Marie Chauvet, que a descobriu em 18 de dezembro de 1994. Foram catalogadas 435 pinturas de animais, descrevendo treze diferentes espécies, incluindo algumas que pouco ou nunca tinham sido encontradas em sítios equivalentes. Leões, panteras, ursos, aves predadoras parecidas com corujas, rinocerontes e hienas, além das espécies mais comuns, como cavalos, bovídeos e veados.

Caverna de Chauvet – Ocupada por humanos em dois diferentes períodos. A maior parte das pinturas é antiga (entre 32 e 30 mil anos). A última ocupação (entre 27 e 25 mil anos) deixou poucas marcas, como a impressão de um pé de criança, restos de fogueiras e a fuligem das tochas usadas para clarear o local. A caverna ganhou esse nome por seu descobridor, Jean-Marie Chauvet, que a descobriu em 18 de dezembro de 1994. Foram catalogadas 435 pinturas de animais, descrevendo treze diferentes espécies, incluindo algumas que pouco ou nunca tinham sido encontradas em sítios equivalentes. Leões, panteras, ursos, aves predadoras parecidas com corujas, rinocerontes e hienas, além das espécies mais comuns, como cavalos, bovídeos e veados.

Os grandes primatas compartilham um ancestral comum com os humanos; datado de aproximadamente 7 milhões de anos atrás. Por esta razão, os chimpanzés (e bonobos) são vistos como o melhor modelo disponível para estudar a origem da religião nos humanos. Barbara King (2007) propõe que embora os primatas não-humanos não sejam religiosos, eles apresentam determinadas características que teriam sido necessárias para a origem da religião como fruto de um processo evolutivo. Essas características englobam alta inteligência, capacidade de comunicação simbólica, sentido para a construção de normas sociais, a realização do “eu” e um conceito de continuidade. Há evidências que indicam, por exemplo, que o Homo neanderthalensis enterrava os seus amigos ou parentes mortos, representando uma evidência do uso de rituais. O uso de rituais em sepultamento é visto como evidência de atividade religiosa (Palmer et al, 2009).

A religião pré-histórica é um termo geral para as crenças e práticas dos povos pré-históricos que apresentavam características como culto e reverência a alguma entidade, sepultamento ou algum ritual de passagem. Mais especificamente, abrange a expressão da religião em períodos como o Paleolítico (2,5 milhões de anos até 10mil anos a.c), Mesolítico (10mil a.c – 5mil a.c), Neolítico (12 mil a.c – 4 mil a.c) e a religião Idade do Bronze (3.300 mil a.c – 2.055 mil a.c).

No Paleolítico ja se fazia enterros intencionais, especialmente com bens particulares, sendo uma das primeiras formas detectáveis de prática religiosa e com o surgimento do próprio ser como um indicador canônico da modernidade do comportamento de sepultamentos. O paleoantropólogo Philip Lieberman sugere que isto pode significar uma preocupação pelos mortos que transcende a vida diária (1991).

Um dos mais antigos indícios de tratamento dos mortos vem de Atapuerca, na Espanha. Neste local os ossos de 30 indivíduos da espécie Homo heidelbergensis (ancestral comum do Homo sapiens e Neandertal) foram encontrados em um poço (Greenspan, 2006). Neandertais também são candidatos para os primeiros hominídeos que enterravam intencionalmente seus mortos. Eles podem ter colocado cadáveres em covas rasas, juntamente com ferramentas de pedra e ossos de animais. A presença desses bens pode indicar uma ligação emocional com o falecido e, possivelmente, uma crença na vida após a morte. Os locais de sepultamento de Neanderthal incluem Shanidar (Iraque), Krapina (Croácia) e Kebara (Israel). O mais antigo enterro conhecido dos humanos modernos é de uma caverna em Israel, localizado na Qafzeh. Restos humanos foram datados de 100 mil anos. Junto aos esqueletos humanos foram encontrados manchados com ocre vermelho. Uma variedade de bens particulares foram encontrados no local do enterro. A mandíbula de um javali foi encontrada colocada nos braços de um dos esqueletos e podem indicar que rituais de sepultamento podem ter sido inventados pelos hominídeos anatomicamente modernos que migraram da África para o Oriente Médio a cerca de 100 mil anos (Uniquely Human)

Um número grande de arqueólogos propõem que as sociedades do Paleolítico Médio (entre 250 mil e 40 mil anos), tais como sociedades de Neandertais também podem ter praticado as primeiras formas de totemismo ou de culto a animais. O arqueólogo Emil Bächler em particular sugere (com base em evidências arqueológicas de cavernas do Paleolítico Médio) que um culto generalizado ao urso existiu no Paleolítico Médio produzido pelos Neandertais (Wunn, 2000).

Cultos a animais do período Paleolítico Superior (40 mil até 10 mil anos), como o culto do urso, podem ter tido suas origens nesses cultos hipotéticos de animais Paleolítico Médio. A adoração a animais durante o Paleolítico Superior (acerca de 30 mil anos) esta ligada a ritos de caça. Por exemplo, as evidências arqueológicas de arte Paleolítica de ursos revelam que o culto aparentemente tinha um tipo de cerimonialismo sacrificial em que um urso fora abatido com lanças, com um furo de misericórdia no pulmão e ritualisticamente enterrado perto de uma estatua de urso feita de argila com o crânio e o corpo do animal enterrados separadamente (Bhattacharya, 2005).

No  Neolítico não há fontes existentes textuais, e os dados mais recentes surgem a partir da Idade do Bronze (3.300 mil a.c – 2.055 mil a.c) todas as declarações sobre quaisquer sistemas de crença sociedades neolíticas podem ser vislumbradas na arqueologia. Jacques Cauvin sugeriu que a Revolução Neolítica foi influenciada por um tema importante que denominou com a “Revolução dos Símbolos”, sugerindo o nascimento da “religião” no Neolítico.

O uso do simbolismo na religião é um fenômeno universal estabelecido. O arqueólogo Steven Mithen sustenta que é comum nas práticas religiosas o envolvimento da criação de imagens e símbolos para representar seres sobrenaturais e idéias porque seres sobrenaturais violam os princípios do mundo natural. Como sempre haverá dificuldade em se comunicar e compartilhar conceitos sobrenaturais com os outros, este problema pode ser superado após a elaboraçao de seres sobrenaturais em forma material através da arte representacional. Quando traduzido em forma material, conceitos sobrenaturais tornam-se mais fáceis de se comunicar e de se compreender, portanto, mais fácil de se acreditar (Dunbar, 1999).

Esta associação de arte e religião é a prova de que o simbolismo no registro fóssil é indicativo de uma mente capaz de pensamentos religiosos. A arte e simbolismo andam juntas e demonstram a capacidade de pensamento abstrato e imaginação necessárias a construção de idéias religiosas. Wentzel van Huyssteen defende que a tradução do não-visível através do simbolismo existiu nos primeiros ancestrais humanos para manter crenças em conceitos abstratos.

Algumas das primeiras evidências de comportamento simbólico estão associadas aos sítios da Idade da Pedra na África. A partir de 100 mil anos atrás há provas da utilização de pigmentos, tais como o ocre vermelho. Os pigmentos são de pouca utilidade prática para caçadores, portanto, a evidência de seu uso é interpretada como simbólica ou para fins rituais. Entre populações de caçadores coletores existentes em todo o mundo, o ocre vermelho ainda é usado extensivamente para fins rituais. Tem sido argumentado que ele é universal entre as culturas humanas uma vez que a cor vermelha representa o sangue, sexo, vida e morte (Rossano, 2007).

O uso de ocre vermelho como um representante para o simbolismo é muitas vezes criticado porque pode ser uma indicação indireta. Alguns cientistas, como Richard Klein e Steven Mithen, só reconhecem formas inequívocas de arte como representante de idéias abstratas. A alta arte rupestre Paleolítica oferece algumas das evidências mais inequívocas do pensamento religioso do Paleolítico. Pinturas rupestres de Chauvet (França), por exemplo, mostram criaturas que são metade humano e metade animal.

Argumenta-se que os seres humanos neolíticos foram influenciados por uma mudança de pensamento, tanto quanto as mudanças no ambiente (Aurenche & Cauvin, 2001). O trabalho de Cauvin sugeriu conceitos importantes na evolução do pensamento humano, examinando estatuetas e arte do início representando as primeiras mulheres como deusas e touros como deuses. Ele sugeriu várias idéias importantes sobre a evolução da percepção e da dualidade (Cauvin & Watkins, 2000).

As estruturas conhecidas como Cercados circulares da Europa Central (chamada também de Kreisgrabenanlagen) criadas durante o quinto milênio a. c têm sido interpretadas como uma função cultual. No caso do círculo Goseck, foram encontrados restos de sacrifício humano. Muitas destas estruturas tinham aberturas alinhadas com o pôr do sol e/ou o nascer do sol nos solstícios, sugerindo que serviram como um meio de manter um calendário lunisolar. A construção de monumentos megalíticos, na Europa também começou no quinto milênio a. c, e continuou durante todo o Neolítico em algumas áreas bem no início da Idade do Bronze.

Marija Gimbutas, pioneira da arqueologia feminista, apresentou uma noção de uma sociedade envolvente, o “culto da deusa” centrado na mulher no Neolítico Europa. As culturas neolíticas “matrística” teriam sido substituídas pelo patriarcado apenas com a chegada da Idade do Bronze.

Nossa propensão a acreditar em divindades invisíveis há muito tempó têm intrigado os descendentes científicos de Darwin. Toda sociedade humana teve seus deuses, seja ele adorado em catedrais góticas ou pirâmides Mayas. Em todas as culturas (ou quase), os seres humanos criaram edifícios religiosos elaborados e complexos rituais sem qualquer amplificação óbvia para a sobrevivência e reprodução da espécie. A questão então é: como e quando é que a religião surge?

Vimos acima que há diversos achados relacionados a pratica religiosa, mas ainda não há um consenso entre os cientistas, embora possíveis respostas estejam surgindo, tanto do registro arqueológico quando dos estudos da mente humana. Alguns pesquisadores que estão explorando os efeitos da religião na sociedade sugerem que ela pode aumentar a aptidão ao promover o comportamento cooperativo. Nos últimos 15 ou 20 anos, um número crescente de investigadores seguiu os passos de Darwin e explorou a hipótese de que a religião surge naturalmente, como fruto da mente humana. Este novo campo, a ciência cognitiva da religião, baseia-se na psicologia, antropologia, e neurociência para entender os elementos mentais que culminaram na construção do pensamento religioso. Existem propriedades funcionais dos nossos sistemas cognitivos que se inclinam e se alinham em direção a uma crença em agentes sobrenaturais, segundo o psicólogo experimental Justin Barrett, da Universidade de Oxford, no Reino Unido (Science, 2009).

Barrett e outros a pesquisadores sugerem que as raízes da religião esta ligada a nossa cognição social sofisticada. Para ele, os seres humanos têm uma tendência a ver sinais de “agentes” (ou de mentes) projetados em todos os cantos, como estamos acostumados a observar em nosso trabalho, produzido por nós mesmos. Neste sentido, ele indica que nós temos uma enorme capacidade de atribuir a coisas inanimadas certas crenças, desejos, emoções e até consciência. Esta  parece ser a estrutura central de muitas crenças religiosas diz Universidade de Yale psicóloga Paul Bloom. O autor ainda destaca que existe um forte componente simbólico, o social, promovido pela religião. O arqueólogo Colin Renfrew, da Universidade de Cambridge, no Reino Unido concorda com isto (Science, 2009). A questão é: se há um substrato neurológico para a origem da religião, então quando as crenças religiosas começaram?

Um lugar provável para descobrir isto é no registro arqueológico, inferindo “religião” a partir de objetos e práticas antigas, e o uso de símbolos é uma evidência de brotamento da espiritualidade. Por volta de 100 mil anos atrás, pessoas da África do Sul, na caverna de Blombos faziam uso do ocre para criar desenhos geométricos, criando os primeiros sinais amplamente reconhecidos de comportamento simbólico (Science, 2009)

Os primeiros enterros deliberadamente recatados encontram-se mais ou menos ao mesmo tempo, em Qafzeh (Israel), datado de cerca de 95 mil anos. Neste local, pesquisadores desenterraram mais de 30 pessoas, incluindo uma criança de 9 anos de idade, com suas pernas dobradas e um chifre de veado em seus braços. A cerca de 65 mil anos atrás, ou mesmo antes, os Neandertais também, por vezes enterravam seus mortos.

Nicholas Conard, da Universidade de Tübingen, na Alemanha, indica que estes sinais podem ser considerados uma forma de “proto-crença”. Conrad destaca que se fosse para arriscar um local e um tempo em que os deuses nasceram, ele apontaria cerca de 30 a 35 mil anos na Europa. Isso porque foi neste momento em que a expressão simbólica floresceu no que é chamado a explosão do Paleolítico Superior (Science, 2009). Neste momento, em uma Era de Gelo, caçadores-coletores pintavam animais de forma impressionantemente realista e muitos deles era metade animal e a outra metade com características humanas nas paredes da Gruta de Chauvet (França) e tantas outras cavernas.

 caverna Chauvet em 1999: a Vénus de Chauvet. Somente a vulva, seios e duas pernas longas são descritos em um baixo-enforcamento, protuberância fálico-olhando. É moldado por dois felinos e um pouco mais longe, um mamute. Eles parecem seguir um pequeno boi almiscarado além.

Em 1999 foi descoberto na caverna de Chauvet um desenho de uma deusa Vênus. Somente a vulva, seios e duas pernas longas são descritas em uma protuberância fálica.

Conard descobriu figuras de 6 centímetros de uma mulher sem cabeça com seios enormes e genitália cuidadosamente esculpida representando um objeto religioso de fertilidade, enquanto o arqueólogo Paul Mellars, da Universidade de Cambridge chamou a estátua de “paleo-pornografia”. A estátua representa a Vênus de Hohle Fels, conhecida como “Vênus de Schelklingen” datada em cerca de 35 a 40 mil anos, e foi encontrada na Alemanha (Science, 2009).

Outro achado importante foi o do Homem-leão, encontrado em Hohlenstein (Alemanha) e datado de cerca de 32 mil anos (Neves et al, 2015). É uma escultura de 10 centímetros que muitos observadores concordam ser uma combinação de qualidades, algo humano e animal visto em muitas religiões primitivas e que são fortes candidatos a serem um guia de alguma representação espiritual e portanto, sobrenatural. Alguns pesquisadores vão ainda mais longe e sugerem que as pequenas estátuas faziam parte de rituais xamânicos, embora Conard diz que não podemos saber com certeza.

Vinte mil anos mais tarde, os seres humanos alcançaram outro patamar religioso, construindo o que é muitas vezes considerado o primeiro templo da mundo, datado de 11 mil anos na cidade de Göbekli Tepe (Turquia) (Curry, 2008). Neste local, fileiras de pedras de até 6 metros de altura marcham por uma alta colina em círculos onde cada pedra maciça foi esculpida com imagens de animais selvagens. Foi a primeira vez que um arquitetura megalítico ereta foi construída.

Uma deusa Vênus (esquerda) e o homem-leão (direita). Pequenos, estatuetas de 30.000 anos de idade da Alemanha sugerem crença religiosa.

Uma deusa Vênus (esquerda) e o homem-leão (direita). Pequenas estatuetas de 30 mil anos de idade da Alemanha sugerem crença religiosa.

Após este tempo, os sítios mais organizados com aspectos aparentemente religiosos aparecem em outros locais. Por exemplo, em uma das cidades estabeleceram pela primeira vez, Çatalhöyük no sul da Turquia, datada em 8.700 anos.

A religião organizada surge a partir deste momento, a cerca de 12 mil anos com suas raízes fincadas na Revolução Neolítica no Oriente Médio e pode ter ocorrido independentemente em vários outros locais do planeta (uma vez que a agricultura também foi desenvolvida em vários locais do mundo). A invenção da agricultura transformou muitas sociedades humanas a partir de um estilo de vida caçador-coletor para um estilo de vida sedentário. As consequências da Revolução Neolítica incluiu uma explosão demográfica e uma aceleração no ritmo de desenvolvimento tecnológico. A transição de forrageamento em bandos para estruturas de Estados e Impérios elaborou formas mais especializadas e desenvolvidas de religião que refletiam um novo ambiente social e político. Enquanto bandos nômades de caçadores-coletores e de pequenas tribos possuíam crenças “meramente” sobrenaturais, tais crenças não serviam para justificar uma autoridade central, justificar a transferência de riqueza ou manter a paz entre indivíduos não aparentados. A religião organizada surgiu como um meio de proporcionar a estabilidade social e econômica através da autoridade central, que por sua vez possuíam o direito de cobrar impostos em troca da prestação de serviços sociais e de segurança. Além dito, os grupos de caçadores-coletores constituíam-se em pequeno número de indivíduos relacionados. Nos Estados e nações, grupos eram compostos de milhares de indivíduos não aparentados. O geógrafo Jared Diamond, autor do clássico livro “Armas, Germes e Aço” (1997) argumenta que a religião organizada serviu para fornecer um vínculo entre indivíduos não aparentados que outrora poderiam ser propensos a confrontos. Em seu livro ele defende que a principal causa de morte entre as sociedades de caçadores-coletores era o assassinato. Já as religiões que girava em torno de deuses moralizantes podem ter facilitado o surgimento de grandes grupos e a cooperação de indivíduos não aparentados (Norenzayan & Shariff, 2008).

Sítio de escavação em Göbekli Tepe (Turquia)

Sítio de escavação em Göbekli Tepe (Turquia)

Os Estados nascem então da Revolução Neolítica, como os do Egito Antigo e na Mesopotâmia e formaram teocracias com chefes, reis e imperadores que atuam em um duplo papel, de líderes políticos e espirituais. Os antropólogos descobriram que praticamente todas as sociedades estaduais e chefias de todo o mundo justificaram seu poder político através de alguma autoridade divina. Isto sugere que a autoridade política coopta a crença religiosa coletiva para reforçar a si mesmo (Shermer, 2004).

Ian Hodder, da Universidade de Stanford e seus pesquisadores e colaboradores encontraram o que eles consideram a evidência mais abundante de vida espiritual no registro arqueológico: festas com touros selvagens, enterros dos antepassados sob casas, e a remoção de crânios para um novo enterro. No entanto Hodder observa que ele separa a “religião” de outras atividades que pareciam ser arbitrárias, uma vez que não está claro se o povo de Çatalhöyük separou a esfera religiosa do resto da vida. O antropólogo Pascal Boyer, da Universidade de Washington em St. Louis, no Missouri descreveu que a religião pode ter um fundo ligado a “hipertrofia da cognição social”, na qual induz  os seguidores a atribuir eventos aleatórios ou fenômenos naturais para a agência de outro ser (Science, 2009).

Um dos pilares de Göbekli Tepe (Turquia)

Um dos pilares de Göbekli Tepe (Turquia)

Deborah Kelemen, da Universidade de Boston apresentou uma série de evidências na qual demonstra que crianças adotavam posturas “teleológicas”, com propósitos, explicação sobrenaturais para tentar entender fenômenos que podem, ou são explicados por mecânicos naturais. Por exemplo, em vários estudos com crianças britânicas e norte-americanas em primeiro, segundo e quarto graus foram questionadas se rochas são pontudas porque são compostas de pequenos pedaços de algum material ou a fim de não permitir que animais possam se sentar sobre elas. As crianças preferiram a explicação teleológica dando muita ênfase a qualidade animista da rocha; ele está protegendo a si mesmo. Outros estudos confirmaram essa tendência. Kelemen que sempre deu explicações mecanicistas a seu filho não deixo-o imune a teleologia quando aplicou o teste. Aos 3 anos, depois de explicar como as flores crescem a partir de sementes, a pergunta de seu filho foi: Quem faz as sementes?

O ponto positivo de estudar crianças é que elas podem expressar melhor muitos comportamentos inatos em vez de preconceitos culturais. Mas trabalhos recentes sugerem que não apenas as crianças fazem isto. A própria Kelemen e Krista Casler de Franklin do Marshall College em Lancaster (Pensilvânia, nos EUA) encontrou a mesma tendência a finalidade atribuir a fenômenos como rochas, areia e lagos em adultos ciganos sem instrução. Encontrou comportamentos de crença do tipo “O sol irradia calor, porque o calor nutre a vida”. É difícil superar estas explicações teleológicas mesmo que os dados sejam evidentes para um resposta que não seja teleológica. Isto obviamente se reflete diretamente sobre determinadas teorias propostas pela ciência (Science, 2009).

Para Barrett, esta predisposição para explicações “criacionistas” esta em ressonância com outra tendência na mente humana. Para ele, há um “dispositivo de detecção de agência de hipersensibilidade” em busca de um pensamento de “ser” mesmo nas coisas não-vivas. Em experimentos clássicos realizados na década de 1940, a psicologia descobriu que as pessoas vêem animações de círculos, triângulos e quadrados conseguem identificar várias formas como caracteres e inferir uma narrativa a partir delas. Em 1993 o antropólogo Stewart Guthrie observou que esta tendência pode ajudar a explicar a religião, porque implica na atribuição de um “agente” para todos os tipos de objetos inanimados e sinais ambíguos. Guthrie sugeriu que a seleção natural parece ter preparado este sistema para falsos positivos, porque se um barulho ocorre durante a noite certamente é porque há alguém por perto, a espreita – um ladrão, ou um leão – e isto pode significar perigo, enquanto se é apenas o vento, nenhum dano será iminente (Science, 2009).

As intenções, desejos e crenças podem refletir então a si próprio. Estudos têm mostrado que essa habilidade se desenvolve ao longo do tempo em crianças e geralmente estão presentes até os 5 anos de idade. Alguns estudos feitos com o uso de de ressonância magnética funcional (RMf) tem localizado as partes do cérebro envolvidas no processo. Se você suspeitar que um agente foi responsável por algum evento misterioso, é um pequeno passo para pensar que o agente tem uma mente como a sua própria (Science, 2009).

circuitos sociais. Quando os indivíduos em um pensamento do scanner fMRI sobre o relacionamento de Deus com os seres humanos, uma parte do cérebro envolvida em compreender os pensamentos dos outros iluminada (canto superior direito).

Circuitos sociais – Quando os indivíduos tinham algum pensamento no scanner da RMf sobre um relacionamento de Deus a parte do cérebro envolvida em compreender ficava iluminada (canto superior direito).

Como Darwin coloca, os seres humanos em seu desenvolvimento da “religião teriam naturalmente atribuído a espíritos as mesmas paixões, o mesmo amor de vingança, ou a forma mais simples de justiça, as mesmas afeições que eles próprios se sentem”. Alguns estudos RMf dão apoio a esta ideia. Em uma edição da revista Proceedings of the National Academy of Sciences, uma equipe liderada por Jordan Grafman, do Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame em Bethesda, Maryland, pediu para 40 pessoas avaliarem as declarações sobre emoções de Deus e relacionamentos para os seres humanos, tais como: “Deus é removido do mundo” e “Deus é perdão”, enquanto eles estavam em um scanner de RMf. Os pesquisadores descobriram que as áreas que iluminavam (indicando o consumo de oxigênio e, portanto, presumivelmente, a atividade cerebral), tais como o giro frontal inferior em ambos os lados do cérebro, também estão envolvidos na Teoria da Mente. Para Grafman, este e outros resultados argumentam contra qualquer “região de deus” em especial do cérebro como alguns sugeriram. Em vez disso, a crença religiosa esta amplamente distribuída em diferentes setores cerebrais, incluindo muitos preocupados com a chamada Teoria da Mente. Teoria da mente (ou Theory of Mind, cuja sigla é ToM) é a habilidade de atribuir estados mentais – crenças, intenções, desejos, conhecimento, etc – a si próprio e aos outros, e de compreender que os outros possuem crenças, desejos e intenções que são distintas da sua própria. Nossa tendência a Teoria da Mente é tão forte que tendemos a buscar entender o que sente ou pensam os animais, ou mesmo formas geométricas inanimadas como fazem os bebes aos seis meses de idade com objetos de madeira. Um exemplo prático disto é a intencionalidade (Dunbar, 2009).

Outros pesquisadores estão estendendo este modelo cognitivo, encontrar processos de pensamento adicionais que fazem parter da crença religiosa natural. Por exemplo, Bloom e Jesse Bering da Queens University Belfast argumentam que as crianças estão pré-dispostas a pensar que a mente persiste mesmo após a morte do corpo, algo que se aproxima da ideia de uma vida após a morte. Bering mostrou a crianças de 4 a 12 anos de idade um show de marionetes em que um crocodilo comeu um rato. Então, fez perguntas às crianças sobre o rato. As crianças concordaram que o corpo do rato não funcionava; ou que ele não precisa comer, mas eles pensaram que ainda iriam sentir fome e que seus estados psicológicos persistiram. Crianças da pré-escola mostraram essa tendência ainda mais intensa que crianças mais velhas (Science, 2009).

Podemos reconhecer a morte do corpo, mas acreditamos que a mente continua: há uma profunda expressão de que este sentimento é inabalável e de que nossas mentes são imortais. Bloom observa que este tipo de crença é universal. Você não vai encontrar uma comunidade em qualquer lugar onde a maioria das pessoas não acredita que eles estão separados de seus corpos.

Tal ideia, de separação de mente e corpo, parece fazer sentido intuitivo para as diferentes comunidades do mundo. Críticos, como Paul Harris, da Universidade de Harvard dizem que as crianças aprendem sobre a vida após a morte a partir dos outros. Trabalhando na Espanha e Madagascar, Harris e seus colegas fizeram alguns estudos semelhantes ao de Bering, perguntando as crianças sobre os estados físicos e psicológicos de uma pessoa que tinha morrido. As crianças mais velhas e adultos foram mais propensos do que as crianças mais jovens a pensar que estados psicológicos continuaram após a morte, sugerindo que as idéias de vida após a morte são aprendidas (Science, 2009).

De fato, mesmo que mais dados sejam produzidos, tais modelos ainda tem um longo caminho para explicar a criação do complexo sistema de deuses e rituais que compõem religião. Pesquisadores cognitivos sabem que nossos cérebros sociais podem ajudar a explicar por que as crianças de todo o mundo são atraídos pela confiabilidade da religião, mas é preciso muito mais do que isso para explicar tal fenômeno (Science, 2009).

Existe uma classe adicional de explicações do por que a religião é tão proeminente em todas as culturas: ela promove o comportamento cooperativo entre estranhos e assim cria grupos estáveis (Science, 2009).

Damos muito significado a categorizações em um sentido muito mais amplo do que elas deveriam receber. Ao avaliarmos grupos distintos tendemos a favorecer e dar vantagem aos membros que pertencem aos mesmos grupos que nós. Membros de um mesmo grupo tendem a superar atributos negativos dos companheiros. Isto na psicologia é chamado in-group e out-group (ou “Nós e Eles”). Um experimento perguntou aos participantes qual era a taxa de simpatia que eles tinham por médicos, cabeleireiros, garçons, advogados e etc. Porém, os participantes eram médicos, cabeleireiros e garçons e de modo bem claro membros de um grupo expressaram uma simpatia de cerca de 50% com outros grupos e 70% de simpatia pelo grupo na qual pertencia. O estudo sugere (algo que é bem evidente) que grupos de religião, raça, nacionalidade, unidade operacional de trabalho tem uma tendência inata em preferir membros do mesmo grupo, ou in-group (Mlodinow, 2013).

Muitos pesquisadores acreditam que a religião é realmente uma vantagem adaptativa: ao incentivar o comportamento útil os grupos religiosos aumentam a sobrevivência e reprodução dos seus membros. Aderindo a regras de comportamento elas sinalizam que os membros de uma religião estão fortemente comprometidos com o grupo e, portanto, não vão causar problemas em grupos cooperativos (Science, 2009).

Norenzayan e outros também notam que tal comportamento útil é mais comum quando as pessoas acreditam que elas estão sendo observadas, então uma entidade sobrenatural preocupada com a moralidade poderia incentivar comportamentos, especialmente em grandes grupos, onde o anonimato é possível. Alguns pesquisadores sugerem que as tendências cognitivas culminaram então na religião, que, em seguida, pega e se espalha porque elevou a aptidão.

Neste conjunto de teorias, a mente religiosa é consequência de um cérebro grande, interligado cognitivamente complexo e suficientemente competente para formular ideias religiosas e filosóficas (Ehrlich, 2000). Durante a evolução humana, o cérebro hominídeo triplicou de tamanho, atingindo um máximo a 500 mil anos atrás. Grande parte da expansão do cérebro ocorreu no neocórtex. Esta parte do cérebro está envolvida no processamento de funções cognitivas de ordem superior que estão conectados com a religiosidade humana. O neocórtex é associado com a auto-consciência, linguagem e emoção. De acordo com a teoria de Dunbar, o tamanho do neocórtex relativo de quaisquer espécies correlaciona-se com o nível de complexidade social da espécie em particular (Barrett & Dunbar, 2013). O tamanho do neocórtex correlaciona-se com um número de variáveis sociais que incluem o tamanho do grupo social e complexidade de comportamentos de acoplamento (Dunbar, 2010). Em chimpanzés, o neocórtex ocupa 50% do cérebro, enquanto que em humanos modernos que ocupa 80% do cérebro. Robin Dunbar argumenta que o evento crítico na evolução do neocórtex teve lugar na especiação que culminou nos Homo sapiens arcaicos entre 500 e 200 mil anos atrás. O estudo de Dunbar indica que somente após o evento de especiação, com um neocórtex grande o suficiente para processar os fenômenos sociais complexos a língua e religião desabrocharam. O estudo é baseado em uma análise de regressão do tamanho do neocórtex plotado com uma série de comportamentos sociais e de hominídeos extintos (Dunbar, 2003). O falecido paleontólogo e divulgar de ciência Stephen Jay Gould e colegas (2007), sugeria que a religião pode ter crescido de mudanças evolutivas que favoreceram cérebros maiores, como forma de consolidar a coerência do grupo entre os caçadores da savana, depois que um maior cérebro ativou a reflexão sobre a inevitabilidade da mortalidade pessoal.

Há ainda muitas lacunas disciplinares que persistem entre a arqueologia, psicologia e neurociência e que podem fechar este assunto. O arqueólogo Steven Mithen da Universidade de Reading, no Reino Unido sugeriu que os as pinturas meio-humanos meio-animal e esculturas do Paleolítico demonstram que os primeiros Homo sapiens estavam aplicando a Teoria da Mente em outros animais a mais de 30 mil anos atrás. Antropólogos com foco no desenvolvimento da religião estão encontrando sinais de mudanças fundamentais de rituais em sítios arqueológicos como Çatalhöyük (Science, 2009).

Sul área de escavação, Çatalhöyük. Fonte: khan academy

Sul área de escavação, Çatalhöyük. Fonte: Khan academy

Há um consenso geral entre os cientistas cognitivos que a religião é uma conseqüência da arquitetura do cérebro que evoluiu no início da história humana. A discordância esta sobre os mecanismos exatos que levaram a evolução da mente religiosa. Neste sentido, há duas principais escolas de pensamento que afirmam que tanto a religião evoluiu devido à seleção natural e tem vantagem seletiva, ou que a religião é um subproduto da evolução de outras adaptações mentais (Sloan & Green, 2007). Stephen Jay Gould, acreditava que a religião era uma exaptação ou um spandrel, (um subproduto) de mecanismos psicológicos que evoluíram por outras razões (Kirkpatrick, 1999).

Esses mecanismos podem incluir a capacidade de inferir a presença de organismos que podem fazer mal (a deteção de agente), a capacidade de chegar a narrativas causais para eventos naturais (etiologia), e a capacidade de reconhecer que outras pessoas têm uma mente própria com suas próprias crenças, desejos e intenções (no caso, a Teoria da Mente). Estes três adaptações (além de outras) permitem que os seres humanos imaginem agentes intencionais por trás de muitas observações que não poderiam ser facilmente explicados de outra forma, por exemplo, trovão, relâmpago, o movimento dos planetas, a complexidade da vida, etc (Atran & Norenzayan, 2004). A origem da crença religiosa coletiva identificou os agentes como divindades que padronizou a explicação (Barrett & Carney, 2015).

Alguns estudiosos têm sugerido que a religião é geneticamente “conectada” a condição humana. Uma proposta controversa, a hipótese do “Gene de Deus”, proposta pelo neurogeneticista Dean Hammer afirma que algumas variantes de um gene específico (o gene VMAT2), predispõe a espiritualidade (Kluger et al, 2007).

Estes três ursos são encontrados perto da entrada pré-histórica [não no presente entrada] para a caverna, em um painel em um pequeno recesso. Os ursos são desenhadas em vermelho. O urso Central foi protegido usando o relevo natural na parede da caverna, com o ombro na sequência da superfície da rocha. O urso central é uma figura completa, enquanto que à esquerda do que é uma cabeça de urso isolado, e à direita do que um urso completa próximo. Isso pode representar um detetive de ursos. O artista usou uma técnica conhecida como "toco-desenho" - ele usou os dedos ou um pedaço de pele para pintar o focinho e para enfatizar os contornos da cabeça e quartos dianteiros; uma forma de perspectiva Bradshaw Foundation

Nesta foto há 3 ursos encontrados perto da entrada da caverna de Chauvet. Os ursos são desenhadas em vermelho. O urso Central foi protegido usando o relevo natural na parede da caverna, e é uma figura completa, enquanto que à esquerda do que é uma cabeça de urso isolado, e à direita do que um urso completa próximo. O artista usou uma técnica conhecida como “stump-drawing” – ele usou os dedos ou um pedaço de pele para pintar o focinho e para enfatizar os contornos da cabeça e membros dianteiros. Bradshaw Foundation

Outra proposta para explicar a religião é baseada no conceito do cérebro trino: o cérebro reptiliano, o sistema límbico e o neocórtex, proposto por Paul MacLean. Nela, a crença religiosa coletiva baseia-se nas emoções do amor, medo e sociabilidade e está profundamente enraizada no sistema límbico através do condicionamento sociobiológico e sanção social. A crença religiosa individual utiliza razão baseada no neocórtex e muitas vezes varia na religião coletiva. O sistema límbico é muito mais antigo em termos evolutivos do que o neocórtex e, por conseguinte, mais forte do que em muito da mesma maneira como o réptil é mais forte do que tanto o sistema límbico e o neocórtex. A razão é que antecipou-se por impulsos emocionais. O sentimento religioso, em uma congregação é emocionalmente diferente da espiritualidade individual mesmo na congregação é composta de indivíduos. Pertencer a uma religião coletiva é culturalmente mais importante do que a espiritualidade indivídual embora os dois muitas vezes andem intimamente conectados. Esta é uma das razões pelas quais debates religiosos são susceptíveis de serem inconclusivos. Outro ponto de vista que sugere a origem da religião é que o comportamento das pessoas que participa de uma religião faz eles se sentirem melhor e isso melhora a sua aptidão, de modo que há uma seleção genética em favor de pessoas que estão dispostas a acreditar na religião. Especificamente, os rituais, crenças e o contato social típico dos grupos religiosos em seus respectivos cultos servem para acalmar a mente (reduzindo a ambiguidade e a incerteza devido à complexidade) e culmina permitindo que ele funcione melhor quando está sob estresse (Tiger & McGuire, 2010). Isso favoreceria o uso da religião como um mecanismo de sobrevivência no sentido de facilitar a evolução das hierarquias de guerreiros, que se assim for, explica porque muitas religiões modernas tendem a promover a fertilidade e parentescos.

Por último, há ainda a proposta de Previc (2009; 2006) de que a religião humana era um produto de um aumento nas funções dopaminérgicas no sistema nervoso central humano que favoreceu uma expansão intelectual geral, começando por volta de 80 mil de anos favorecendo o desenvolvimento do pensamento abstrato ao longo da costa da África do Sul. A sua tese defende que a dopamina permite uma ênfase na espaço distante e tempo, fundamental para o estabelecimento da experiência religiosa (Previc, 2011) culimando nas primeiras pinturas rupestres xamânicas datadas a cerca de 40 mil anos.

Neste sentido, os mitos surgem como narrativas que (geralmente) fazem uso de elementos sobrenaturais para justificar ou explicar fenômenos naturais. A espécie humana é evolutivamente inacabada, e sempre buscou aumentar suas chances de sobrevivência e alcançar a idade reprodutiva. Com o desenvolvimento da técnica (ferramentas líticas), as necessidades básicas foram conquistadas e com certa tranquilidade e o homem tornou-se livre para o exercício de sua espiritualidade. Não é a toa que neste momento a humanidade começa a tratar do desenvolvimento de pinturas rupestres e criação de esculturas de deusas Vênus encontradas no Paleolítico.

Nossas necessidades primordiais foram supridas pelo domínio da técnica, das armas e ferramentas líticas, dando espaço para a construção de conhecimento, para o entender da natureza, a grande sacada de sua ciclicidade, com a concepção de tempo (passado presente e futuro e com isso o desenvolvimento da agricultura). Isto deu espaço para a representação abstrata do mundo vista nas pinturas rupestres, nos sepultamentos com rituais e na criação de estatuas de deusas Vênus.

Neste momento surgem os mitos para suprir as três perguntas básicas que tomaram conta do ser: para onde vou? (abstração de futuro), quem sou? E de onde vim? As narrativas surgem para suprir as questões levantadas no exercício de sua espiritualidade. Neste momento o homem surge com mitos, religiões e deuses e com o poder da palavra de Deus!

Victor Rossetti

Palavras chave: NetNature, Rossetti, Religião, Paleolítico, Neolítico, Homo sapiens, Neandertal, Çatalhöyük, Göbekli Tepe, Revolução Neolítica, Neurociência, Cooperação, Theory of Mind, Teoria da Mente.

.

Referências

Atran, S; Norenzayan, A (2004). “Religion’s Evolutionary Landscape Scott Atran Ara Norenzayan”. The Behavioral and brain sciences (Behavioral and Brain Sciences) 27 (6): 713–30; discussion 730–70.
Aurenche, Olivier., Jacques Cauvin et la préhistoire du Levant, Paléorient, Volume 27, Number 27-2. 2001
Barrett, D. T.; Dunbar, R. I. M. (2013-08-22). “Processing power limits social group size: computational evidence for the cognitive costs of sociality”. Proceedings of the Royal Society of London B: Biological Sciences 280 (1765): 20131151.
Barrett, D. T; Carney, James (2015-08-14). “The deification of historical figures and the emergence of priesthoods as a solution to a network coordination problem”. Religion, Brain & Behavior 0 (0): 1–11.
Bhattacharya, Shaoni (2005-10-26). “Elephants may pay homage to dead relatives”. New Scientist.
Cauvin, J; Trevor Watkins (2000). The birth of the Gods and the origins of agriculture. Cambridge University Press
Curry, A. “Seeking the Roots of Ritual,” Science 319 (18 January 2008), pp. 278–80:
Diamond, J. Armas Germes e Aço. Editora W. W Norton. 1997
Dunbar, Robin (2003). “THE SOCIAL BRAIN: Mind, Language, and Society in Evolutionary Perspective” (PDF). Archived from the original (– Scholar search) on September 11, 2008.
Dunbar, Robin I. M.; Shultz, Susanne (2010-06-01). “Bondedness and sociality”. Behaviour 147 (7): 775–803.
Ehrlich, Paul (2000). Human Natures: Genes, Cultures, and the Human Prospect. Washington, D.C.: Island Press. p. 214.
Greenspan, Stanley (2006). How Symbols, Language, and Intelligence Evolved from Early Primates to Modern Human. Cambridge, MA: Da Capo Press.
King, Barbara (2007). Evolving God: A Provocative View on the Origins of Religion. Doubleday Publishing.”
Kluger, Jeffrey; Jeff Chu; Broward Liston; Maggie Sieger; Daniel Williams (2004-10-25). “Is God in our genes?”. TIME (Time Inc.). Retrieved 2007-04-08.
Lieberman (1991). Uniquely Human. Cambridge, Mass.: Harvard University Press
Lionel Tiger and Michael McGuire (2010). God’s Brain. Prometheus Books. ISBN 978-1-61614-164-6. see pages 202-204
Mlodinow, L. Subliminar. Editora Zahar. 2013
Norenzayan, A., & Shariff, A. F. (2008). The origin and evolution of religious prosociality. Science, 322, 58–62
Neves, W. A. Junior, M. J. R. Murrieta, R. S. S. Assim caminhou a Humanidade. Palas Athenas. 2015
Palmer, Douglas, Simon Lamb, Guerrero Angeles. Gavira, and Peter Frances. Prehistoric Life: the Definitive Visual History of Life on Earth. New York, N.Y.: DK Pub., 2009.
Previc, Fred H (2006). “The role of the extrapersonal brain systems in religious activity.”. Consciousness and cognition 15 (3): 500–39.
Previc, F.H. (2009). The dopaminergic mind in human evolution and history. New York: Cambridge University Press.
Previc, F.H. (2011). Dopamine, altered consciousness, and distant space with special reference to shamanic ecstasy. In E. Cardona & M. Winkelman (eds.), Altering consciousness: Multidisciplinary perspectives (Vol. 1), pp. 43-60. Santa Barbara, CA: ABC-CLIO, LLC.
Rossano, Matt (2007). “The Religious Mind and the Evolution of Religion”
Shermer, Michael (2004). “Why are we moral:The evolutionary origins of morality”. The Science of Good and Evil. New York: Times Books.
Stephen Jay Gould; Paul McGarr; Steven Peter Russell Rose (2007). “Challenges to Neo-Darwinism and Their Meaning for a Revised View of Human Consciousness”. The richness of life: the essential Stephen Jay Gould. W. W. Norton & Company. pp. 232–233.
Wunn, I.  (2000).  Beginning of Religion.  Numen.  47 (4).

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s