PRIMEIRAS ASAS DE AVES PRESERVADAS EM ÂMBAR BIRMANÊS.

Milhares de aves fósseis notáveis da época dos dinossauros foram descobertas na China. No entanto, a maioria destes fósseis estão achatados na rocha, ainda que comumente preservem os fósseis.

Enantiornithes asa e cortes de pele envolto em âmbar, apelidado de "Rose". Crédito: Royal Saskatchewan Museum (RSM / R.C. McKellar

Asa de Enantiornithes e cortes de pele envoltos em âmbar, apelidado de “Rose”.
Crédito: Royal Saskatchewan Museum (RSM / R.C. McKellar

A equipe de investigação internacional foi conduzida pelo Dr. Xing Lida da Universidade de Geociências da China, e colegas do Canadá, Estados Unidos e professor Mike Benton, da Universidade de Bristol, Reino Unido. Os espécimes provenientes de um depósito de âmbar famoso no nordeste de Mianmar produziram milhares de espécimes requintados de insetos de todas as formas e tamanhos, bem como aranhas, escorpiões, lagartos e penas isoladas. Esta é a primeira vez que porções inteiras de aves são observadas.

As asas fósseis são minúsculas, apenas dois ou três centímetros de comprimento, e contêm os ossos da asa, incluindo três longos dedos armados com garras afiadas, por subir em árvores, bem como as penas, todas preservadas em detalhes requintados. A anatomia da mão mostra aves enantiornithine, um grupo importante no Cretáceo, mas que morreram ao mesmo tempo que os dinossauros, a 66 milhões de anos atrás.

O âmbar é seiva de árvore solidificada, o âmbar birmanês ocorre em pequenos blocos que são polidos para revelar os tesouros internos. Mike Benton, Professor de paleontologia de vertebrados da Faculdade de Ciências da Terra da Universidade de Bristol e um dos pesquisadores, disse: “Estas asas fósseis que mostram detalhes surpreendentes. As penas individuais mostram cada filamento, sejam elas penas de voo ou penas para solo, e há vestígios de cor – manchas e listras.

Dr. Xing Lida, principal autor do estudo, explicou, “o prestígio das pequenas aves era escalar sobre as árvores e que sugere que eles tinham um desenvolvimento avançado, o que significa que eles estavam prontos para a ação assim que chocadas.

“Estas aves ficavam sobre o ninho a espera de ser alimentadas, mas partiam à procura de comida, e, infelizmente, morriam, talvez por causa de seu pequeno tamanho e falta de experiência. Isoladas outras penas em amostras de âmbar mostram que as aves adultas poderia ter evitado a seiva pegajosa, e puxaram para libertar-se”.

Os depósitos de âmbar birmaneses estão produzindo um tesouro notável dos primeiros fósseis, e eles documentam um momento particularmente ativo na evolução da vida na terra, a revolução terrestre do Cretáceo. As plantas com flores estavam florescendo em diversificação, e os insetos que se alimentam de folhas e néctar das flores foram diversificando-se também, como também eram seus predadores, aranhas, lagartos, mamíferos e aves.

A pesquisa foi publicada na Nature Communications.

Journal Reference:
1. Lida Xing, Ryan C. McKellar, Min Wang, Ming Bai, Jingmai K. O’Connor, Michael J. Benton, Jianping Zhang, Yan Wang, Kuowei Tseng, Martin G. Lockley, Gang Li, Weiwei Zhang, Xing Xu. Mummified precocial bird wings in mid-Cretaceous Burmese amber. Nature Communications, 2016; 7: 12089 DOI: 10.1038/ncomms12089

Fonte: Science Daily

.

Comentários internos.

O que os autores estão dizendo é que filhotes de aves não ficavam no ninho a espera de alimento trazido pela mãe. Quando se aventuravam para forado ninho, caiam, e algumas de suas penas ficavam presas na resina das árvores registrando essas tentativas falhas. Isto pode indicar um pressão seletiva em que pais que alimentavam seus filhotes até um determinado periodo de tempo garantiam maior desenvolvimento dos filhotes e aumentava a chance deles arriscaram um primeiro voo com um pouco mais de idade: com isto, maior chance desobrevivência e sucesso reprodutivo.

Neste sentido, a evolução teria favorecido indivíduos nos quais os filhotes permaneciam no ninho vocalizando pedindo por alimento, pois aqueles que saiam do ninho prematuramente morriam e acabavam eliminando tal comportamento da espécie, favorecendo aqueles filhos mais contidos, que vocalizavam e que estabeleceram uma exigência de cuidado da prole mais intenso dos pais.

Victor Rossetti

Palavras chave: Aves, Birmânia, Penas, Âmbar

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s