COMO A SELEÇÃO NATURAL AGIU EM UMA ESPÉCIE DE PINGUIM NO ÚLTIMO UM QUARTO DE SÉCULO.


Biólogos de todos os campos atestam a evolução, mas têm debatido os seus detalhes desde a época de Darwin. Desde que as mudanças surgem e tomam posse lentamente ao longo de muitas gerações, é assustador acompanhar este processo em tempo real para as criaturas de longa duração.

Um pingüim de Magalhães em Punta Tombo, ostentando uma marca de metal utilizado para fins de identificação. Crédito: Dee Boersma

Um pingüim de Magalhães em Punta Tombo, ostentando uma marcação de metal utilizado para fins de identificação. Crédito: Dee Boersma

“Nós sabemos que a evolução ocorre – e que as espécies mudam”, disse Dee Boersma, professora de biologia da Universidade de Washington. “Mas da para ver esse processo em animais de vida longa que você tem que de olhar para gerações de indivíduos, acompanhar como características são herdadas e detectar seleção no trabalho”.

Boersma estuda uma espécie de longa vida particularmente intrigante, os pingüins de Magalhães da América do Sul. Ela passou 34 anos coletando informações sobre a sua vida útil, reprodução e comportamento em Punta Tombo, um trecho da costa argentina que serve como sua maior local de reprodução. Boersma e seus colegas vasculharam os dados de pinguins de 28 anos para procurar sinais de que a seleção natural – um dos principais motores da evolução – pode ser que atuam em certos traços do pinguim. Como eles relatam em um artigo publicado na The Auk: Ornithological Advances, a seleção esta realmente trabalhando em Punta Tombo.
“Este é o primeiro estudo de décadas para medir seleção nos pinguins, e apenas o segundo para as aves em geral”, disse a principal autora Laura Koehn, uma estudante graduada na UW School of Aquatic and Fishery Sciences, que trabalhou com Boersma em sua graduação.
Como todos os pinguins, a variedade de Magalhães são nadadores naturais, onde se alimentam da generosidade dos oceanos. Mas, uma vez por ano eles retornam para as costas da Argentina e do Chile para acasalar e trocar as penas. Sua “monogamia serial” – fidelidade a um parceiro por estação – bem como uma preferência irritante para se reproduzir na mesma localização geral de cada ano – tornam possível rastrear aves individuais ao longo do tempo, disse Koehn.

Boersma começou o projeto, que está em curso, em 1982. Para manter o controle de indivíduos em meio a uma colônia que no seu auge chegou a 500 mil aves, Boersma e sua equipe anexou anilhas de metal exclusivas em cada pinguim que elas estudaram. Cada época de reprodução, os cientistas iria procurar pinguins marcados que retornavam a Punta Tombo, medindo as características físicas básicas e marcando novos filhotes para adicionar às suas funções de rastreamento.

“Escolhemos características que podem ser importantes para o sucesso de pinguins individuais, como o tamanho do corpo e profundidade projeto”, disse Boersma. “E uma vez que houve gerações de dados rastreáveis para os indivíduos e seus descendentes, poderíamos perguntar: essas características mudam com o tempo?”

Através da seleção natural, os indivíduos com características que lhes permitem adaptar-se e prosperar em seu ambiente pode passar as suas características favoráveis aos seus descendentes.
“Nossa pergunta era simples: essas características, faz os filhos se parecem com seus pais?” disse Koehn.

Ao medir uma população inteira – como os pingüins de Magalhães em Punta Tombo – a equipe de Boersma poderia ver se indivíduos com determinadas características, por exemplo, um grande corpo, foram mais bem sucedidos na reprodução ao longo dos anos. Koehn e co-autores procuraram sinais de seleção através de 28 anos de dados de Boersma.

Ela poderia detectar a seleção em sete dos 28 anos para ambos os sexos masculino e feminino. A seleção é provável agir sobre essas características a cada ano, mas as condições altamente variáveis em Punta Tombo significa que a “direção” da seleção em cada traço pode flutuar muito para ser vista ao longo de apenas 28 anos, disse Boersma. Como o estudo continua, os pesquisadores podem adivinhar assinaturas de seleção natural ao longo de anos adicionais.
Para os sete anos os pesquisadores puderam detectar a seleção natural em machos, houve uma tendência clara. No sexo masculino, aqueles que eram maiores tinham vantagens em anos de escassez, quando os recursos são menores. Nas fêmeas, eles detectaram seleção sobre características como tamanho do pé, profundidade do bico e tamanho do corpo. Mas, ao contrário do sexo masculino, não viram nenhuma tendência clara de como a seleção foi moldando as fêmeas da espécie ao longo do tempo.

“Esses traços parecem ser importantes para a sobrevivência”, disse Boersma. “Mas se as condições ambientais mudam rapidamente, em seguida, a seleção também muda constantemente, e é mais difícil de ver uma clara tendência ao longo do tempo”. Esta é apenas a segunda vez que a seleção natural tem sido observada ao longo de 20 anos ou mais para uma espécie de ave.

Os biólogos evolucionários Peter e Rosemary Grant passaram mais de 20 anos catalogando traços em aves comedoras de sementes na ilha de Galápagos, em Daphne Major. Estes são alguns dos mesmos tentilhões de Galápagos que inspirou o jovem Darwin a chegar a sua teoria da evolução pela seleção natural no século 19. Os Grant detectaram assinaturas de seleção natural em seu trabalho nesta ilha, correlacionando as alterações com a influência das condições de El Niño.

“Agora que temos sido capazes de acompanhar a seleção natural em uma segunda espécie de ave graças a essas décadas de observações em Punta Tombo”, disse Boersma.
Encorajados pelos resultados de sua equipe com pingüins de Magalhães, Boersma pretende continuar a coleta de dados – traços de rastreamento e sobrevivência para ainda mais gerações e ir repetindo esta análise.

“Este é apenas o começo”, concluiu.

Jornal Referência:
1. Laura E. Koehn, Jeffrey J. Hard, Elaine P. Akst, P. Dee Boersma. Natural selection on morphology varies among years and by sex in Magellanic Penguins (Spheniscus magellanicus). The Auk, 2016; 133 (4): 783 DOI: 10.1642/AUK-16-50.1

Fonte: Science Daily

Anúncios

6 thoughts on “COMO A SELEÇÃO NATURAL AGIU EM UMA ESPÉCIE DE PINGUIM NO ÚLTIMO UM QUARTO DE SÉCULO.

  1. “Sei sim, sr. Marcelo, ESPÉCIE É UM CLASSIFICAÇÃO HUMANA DE INDIVÍDUOS VIVOS”
    – R: Pois é, e conseguimos classifica-las graças seguindo um método cientifico.

    “mas o senhor sabe me definir o que entende “por ser-vivo” que de fato forma qualquer espécie?”
    – R: Sei…um ser vivo é qualquer ‘coisa’ capaz de se reproduzir, evoluir e manter um metabolismo, conseguindo passar seus genes adiante através de indivíduos férteis. Mas, mesmo assim ainda a discussões no meio acadêmico quanto aos vírus por exemplo.

    “E o senhor pode me mostrar um único exemplo de “seleção natural” onde quer que seja?”
    – R: Posso…
    Toma ai (de novo!!):
    http://sustentabilidade.estadao.com.br/noticias/geral,evolucao-produz-aguas-vivas-sem-veneno-em-ilha-do-pacifico,328807

    “E qual é a lógica que o senhor vê na “seleção natural” exceto ser uma crença de as coisas acontecem como se dizem?”
    – R: A lógica consiste em um individuo se adaptar conforme o meio em que vive…o exemplo acima das medusas no lago em Palau é um ótimo exemplo!
    Agora você poderia nos dizer QUAL FOI O MECANISMO que proporcionou as medusas se modificarem ao longo de 15.000 anos…(magica do seu projetista inteligente?)

    “O senhor acha que o homem faz é “por seleção natural”? E ele não está ‘modificando espécies” através de “gerar” indivíduos vivos diferentes, como principalmente na agricultura?”
    – R: Na verdade esse processo corrobora a teoria da evolução…verifique de onde vieram as diferentes espécies de cães, gatos, bovinos, verduras, etc…etc…
    O que o Homem proporciona modificando intencionalmente cães e gatos por exemplo, é o que a natureza faz ao longo de milhares e milhões de anos, porem, ao invés de o ‘direcionamento’ ser por beleza de pelos, olhos, ou qualquer outra coisa, a seleção natural prioriza a sobrevivência!!
    Entendeu?? (não…acho que não…)

    “E ISSO É FEITO POR “SELEÇÃO NATURAL”, sr. Mateus?”
    – R: Não…o nome disso é seleção artificial e o meu nome é Marcelo.

    “ME EXPLIQUE QUAL É A LÓGICA DESSA TAL “SELEÇÃO”, E SE FOSSE SELEÇÃO, JÁ NÃO SERIA NATURAL!”
    – R: Já expliquei…agora basta você rever seus conceitos, entender como funciona a seleção natural e a evolução, reconhecer sua visão deturpada e equivocada de suas opiniões, e deixar sua ignorância e seu obscurantismo de lado…
    (mas, infelizmente, isso é terrivelmente difícil para crentes)

    • “EVOLUÇÃO – Evoluir significa em princípio, MELHORAR, mas melhorar tem que haver algum critério. Então, devemos nos poscicionar de alguma forma, E ESTABELECER UM CRITÉRIO PARA “MELHORAR” OU EVOLUIR COM ALGO.”
      – R: ERRADO…alias, totalmente errado a forma que o senhor entende a evolução.
      Evolução NÃO É ‘melhorar’ e sim ‘modificar’ se adaptando ao meio em que vive…por exemplo, um pinguim NÃO É MELHOR que uma ema…porém, um esta MELHOR ADAPTADO ao meio em que vive que o outro.
      Uma ema não irá sobreviver no polo sul, assim como um pinguim não irá sobreviver em um serrado.
      Cada um se adaptou (evoluiu!) da melhor forma possível ao ambiente em que vive.

      “SELEÇÃO NATURAL – Há que ser algo não “decidido ou planejado”, porque senão é “artificial”, e vamos entender que para ser “artifício” há que se originar de alguma inteligência.”
      – R: Você já partiu do entendimento errado sobre o termo evolução, e daí continuou…
      A seleção natural, só é ‘natural’ porque o meio ambiente é que proporciona essa modificação (evolução), e sim, ela é aleatória e cumulativa, ou seja, se uma modificação for benéfica ao ser vivo, ele terá uma vantagem sobre seu semelhante, passando essa ‘modificação’ adiante, e mais…ela não para, portanto, essa ‘modificação’ sofrerá OUTRAS modificações…e lembre-se…cumulativas.

      “SER-VIVO – Não se tem uma definição nem no âmbito da ciência (é um enigma), ”
      – R: Não, não é…já respondi isso, é um enigma para você que gosta de viver no obscurantismo.

      “Então, há que se definir, pelo menos no nível de um discussão”
      – R: E já foi definido, se pra você é um mistério ou um enigma e não aceita a explicação cientifica por conta de uma crença pessoal…o problema é todo seu.

      “Um fato é que “todo ser-vivo” tem um organismo material” através do qual se expressa. Mas a Vida não é inerente a esse organismo (quando morre, o mesmo organismo é vivo “antes” e “morto” depois, Logo a Vida é uma “circunstância” que acontece num organismo”
      – R: O fato mesmo é que o senhor faz uma salada ilógica e sem sentido algum para dizer que um ser-vivo esta ‘vivo’ ou esta ‘morto’. Apenas isso…é um total obscurantismo da sua parte.

      “Assim também o automóvel quando dirigido pelo seu motorista, ADQUIRE TODAS AS CARACTERÍSTICAS DO SER-VIVO, exceto a “reprodução”, que significa “gerar” outro ser vivo, pouco importa se semelhante ou não”
      – R: Viu agora como sua comparação é tosca e esdruxula?
      Esse é o ponto principal…REPRODUÇAO!!

      “E é exatamente isso que se verifica em todo “ser-vivo natural”, ”
      – R: Conhece algum outro ser-vivo que não seja NATURAL??

      “UM SER GERA OUTRO, não surge por acaso de nada, muito menos da natureza.”
      – R: E agora você confunde abiogênese com evolução…(não que isso me deixe espantado)

      “MEIO AMBIENTE – A Vida na Terra (não conhecemos outras apesar de inúmeras revelações principalmente religiosas”
      – R: ‘Ainda’ não…(e essas ‘revelações’ tem evidencias??)

      “é uma “simbiose” que resulta da Terra ser habitada. Então, tanto o ambiente como o ser-vivo se complementam e se ajustam, portanto, um depende do outro”
      – R: Errado, mais uma vez! A Terra não depende da existência de uma vida, qualquer que seja ela, para sua existência. Ela pode existir sem nenhum problema…é só ver os outros planetas no sistema solar!

      “Logo o que se entende por “adaptação”?”
      – R: Já explicado em respostas anteriores que o senhor se nega a entender, por isso seu ‘OBSCURANTISMO’!!
      As medusas do lago de Palau estão lá, existem, e esfregam essa adaptação na sua cara…

      – – Muita coisa do seu comentário parte de um principio errado do entendimento de evolução, logo…não tem muito que comentar.
      Mas tem um detalhe sobre seleção natural:
      “E vou te responder só a questãozinha da Medusa. Primeiro, que não ‘foi a espécie – que sequer existe”
      – R: Existem mais de 2.000 espécies de medusas catalogadas…mais uma vez, seu desconhecimento não é uma ‘prova’ contra a seleção natural ou evolução…entende?

      “que se modificou em 15.000, MAS FORAM OS INDIVÍDUOS QUE AO LONGO DO TEMPO, foram se adaptando.
      – R: Ou seja…seleção natural. E agora você acaba de se contradizer e se auto-refutar! rsrs…

      “E para isso tinham “inteligência” suficiente para “perceber” que o ambiente externo onde estavam, exigia que algo no seu “organismo” tinha que ser “modificado”, e para isso, bastava “ajustar” seu respectivo DNA.”
      – R: Ridículo…pra dizer o mínimo!
      Ou seja, pra você as medusas se modificaram através dos próprios pensamentos…sua ‘inteligência’ modificou seu próprio DNA, e aí se ‘ajustaram’ ao meio ambiente??
      Será que você percebe o quanto é ridículo seu entendimento sobre o assunto?

      “Isso faz sentido hoje”
      – R: Não…isso que o senhor descreveu não faz nenhum sentido. (assim como a maioria do seu comentário)

      “Desculpe, caro Marcelo (errei quando te chamei de Mateus), mas não nos conhecomentos”
      – R: Sem problemas Arioba, mas sim…você errado quanto a maioria dos “conhecimentos” que você listou em diversos comentários…sugiro você deixar suas crenças pessoais de lado e estudar sobre evolução e abiogênese antes de comentar.

      “Não estamos falando UM COM O OUTRO, estamos discutindo o que cada escreve.”
      – R: Exatamente, mas só um detalhe…os fundamentos dos argumentos em discussão é que precisam ser verificados, e aí…no seu caso, eles desmoronam.

      • Exatamente Marcelo. As noções que Ariovaldo apresentam aqui são completamento erradas.Note como a noção de evoluir para ele é relacionada a melhoria. Esta é uma cristalização conceitual que raramente alguém aceita estar errada mesmo quando voce demonstra estar errada com exemplos simples.
        Se a evolução fosse sinônimo de melhoria não haveria bactérias do ponto de vista evolutivo, porque elas são mais simples do que um organismo multicelular que é mais complexo e diferenciado em tecidos. Portanto, se bactérias que são mais simples existem, e ainda sim evoluem, trocam materiais genéticos, sobrevivem em condições termais adversas significa que a evolução não é sinônimo de melhoria.
        Mesmo o uso do termo “evolução” em outros contextos que não sejam na biologia evolutiva não podem ser interpretados como sinonimo de melhoria. Veja, se um medico chega para a familia de um paciente e diz “Sinto muito, o quadro clinico de seu marido evoluiu” não significa que ele melhorou, mas significa que o quadro clinicou ficou mais grave. Um problema respiratorio pode evoluir para uma pneumonia. rsrsr

        Note então, como Ariovaldo não sabe o que diz, parte de pressupostos do que ele aca que é evolução e nao do que academicamente e cientificamente os pesquisadores e Darwin definiu. Os desdobramentos que Ariovaldo faz para criticar a teoria da evolução são espantalhos, são criticas feitas a evolução segundo o que ele acha que é evolução.
        Ele esta criticando algo que ele nem sabe o que é!!!

      • Caro Rossetti, já respondi ao Marcelo, e se ver a resposta serve também para vc. Todo evolucionista coloca um tapa nos olhos, e vêem as coisas como se tudo fosse conforme “imaginam”. Evolução significa ‘melhoria’ sim, mesmo no sentido de “píorar”, quando o médico fala que a doença evoluiu, DISSE PIOROU. Evolução precisa de um ‘critério’, senão não tem sentido. Vc acha que a formiga é “evolução da bactéria”? EM RELAÇÃO AO QUE? Darwin “chutou” pela complexidade orgânica que apresentam, daí a Árvore da Vida, que é científica, A SELEÇÃO NATURAL APENAS UM PALPITE, que argumento ser errado. Mas como tudo é “crença”, não precisa acreditar em mim, basta que se discuta mesmo, os argumentos. Você acredita em Adão e Eva? Mas acredita em Big Bang? E QUAIS AS BASES CONFIÁVEIS DOS DOIS? Apenas a crença de cada um! arioba.

      • Também já lhe respondi quando comentei sobre você com o Marcelo.

        A evolução já tem um critério, e é científico – não religioso.
        Existe diferença entre ter critério entre não aceita-los ou não ebtrbde-los.
        Onde você se encaixa? A pergunta é retórica e se vc não sabe a resposta talvez o erro não esteja nos critérios mas em você!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s