TRATAR AS ORIGENS DA VIDA COMO FÍSICA.

Uma proposta simples para uma maneira de buscar algumas respostas para as origens da vida.

O unicórnio no cativeiro (domínio público), tapeçaria do século 15

O unicórnio no cativeiro (domínio público), tapeçaria do século 15

Juntar uma apresentação científica pode ser uma tarefa árdua, mas mais frequentemente do que isto, pode ser uma grande oportunidade para brincar com idéias semi-formadas. Não há nada como estar na frente de um público (especialmente um público de audiência por pares) para um rápido julgamento pelo fogo. É por isso que coquetéis pós-reunião são uma necessidade.

Eu (Caleb A. Scharf) tenho que pegar uma apresentação ao National Academies’ Committee on Astrobiology and Planetary Science em Washington DC onde minha palestra foi ostensivamente para informar sobre um esforço da pesquisa das origens de vida e um paper relacionado que esta testando meu humor- escrito sobre aqui e aqui. Mas eu furtivamente tenho uma ideia um tanto provocativa no final.

Um dos maiores desafios da pesquisa sobre as origens vida é que existem muitos sub-campos de trabalho no sentido de responder às perguntas fundamentais (por exemplo, como aconteceu na Terra? Como isso pode acontecer em geral?). Pode ser difícil ver as relações entre o progresso nestes sub-campos, ou mesmo se estamos chegando mais perto de um conjunto de hipóteses genuinamente testáveis ​​em tudo.

Assim, existem paralelos em outros campos de pesquisa que podem oferecer algumas ferramentas úteis? Não pode ser. Em física, por exemplo, se um fenômeno ou propriedade do mundo natural é proposto – um tipo de partícula ou campo – você vai começar a ver esquemas como este:

WIMP cross-section interação profundidade versus massa de partículas, e as regiões e os limites de restrições observacionais ou experimentais que podem excluir determinadas faixas de propriedades (figura tomadas a partir Inspire: o sistema de informação física de altas energias)

WIMP cross-section de interação de profundidade versus massa de partículas, com regiões e os limites de restrições observacionais ou experimentais que podem excluir determinadas faixas de propriedades (figura tomadas a partir Inspire: o sistema de informação física de altas energias)

Neste caso, você está olhando para as propriedades básicas de uma partícula massiva de interação fraca (ou WIMP) – um candidato para a matéria escura. As regiões e as curvas cheias representam partes deste espaço de parâmetros do que atualmente pode ser explorado através de diferentes experiências ou observações. O ponto-chave é que quando os físicos conseguem excluir a possibilidade de WIMPs com propriedades nestas regiões, limitam as opções, ajudando a familiarizar as propriedades prováveis ​​das partículas (se eles realmente existem).

Esta metodologia é poderosa. Diferentes pesquisadores e grupos podem se concentrar em áreas diferentes, todos trazendo constrangimentos valiosos para a mesa, e todos motivados pela possibilidade de que eles realmente tinjam a ​​sorte e encontrem evidências diretas da matéria escura indescritível.

Parece que uma abordagem semelhante pode ser aplicável às origens da vida (pelo menos no sentido terrestre). Por exemplo, já existem ambientes que poderíamos começar a excluir como sendo improvável para gerar a vida como a conhecemos (atmosferas estelares, núcleos de ferro planetários, temperaturas super altas ou super baixas, ambientes desprovidos de certos elementos, e assim por diante).

A questão-chave será exatamente em que “eixos” estão estas origens do espaço e de parâmetros vida – pode-se imaginar que a temperatura, substratos inorgânicos/abióticos, populações moleculares, e outros fatores, são todos os candidatos. Mas o truque será encontrar as quantidades que oferecem um potencial real de “exclusão”.

Isso por si só daria para uma discussão de partida fascinante. Agora, o truque será levar as pessoas a ter esse debate!

Fonte: Scientific American

Anúncios

3 thoughts on “TRATAR AS ORIGENS DA VIDA COMO FÍSICA.

  1. A Vida é um enigma científico, PORQUE SE QUER QUE SEJA UM “ACASO” DA NATUREZA, e não é. O homem pode dar Vida ao automóvel, E NÃO POR ACASO ALGUM, apenas através de sua inteligência. Mas o guru cientísta quer que sua inteligência seja um “milagre” de seu cérebro, que é um computador apenas muito mais tecnológico do que as gerigonças que produzimos e chamamos de “cérebro”. Apenas que o automóvel que “alguém projetou, outro alguém desenhou, e outro alguém fabricou”, se torna “vivo-vivo” sob o comando de outro alguém que chamamos de “motorista”, DE COMUM, TODOS ESSES ALGUÉNS SÃO “HOMENS INTELIGENTES”. A questão simples que o cientista nunca vai constatar, se não acreditar, É DESCOBRIR QUEM É O “MOTORISTA” QUE COMANDA O ORGANISMO DO HOMEM,

    • “A Vida é um enigma científico”
      – R: Apenas para ignorantes em ciências ou que buscam explicações no sobrenatural.

      “PORQUE SE QUER QUE SEJA UM “ACASO” DA NATUREZA, e não é.”
      – R: Cientistas se preocupam mesmo é com evidencias, e elas apontam para a bioquímica e não para algo magico sobrenatural.

      “O homem pode dar Vida ao automóvel, E NÃO POR ACASO ALGUM, apenas através de sua inteligência.”
      – R: Não…ele não pode. Automóveis são objetos sem vida…sua esquizofrenia esta atrapalhando seus conceitos. Viu só sr. Ariovaldo como na verdade quem aqui não sabe o que é ‘vida’, de fato, é você 😉

      “Mas o guru cientísta quer que sua inteligência seja um “milagre” de seu cérebro, que é um computador apenas muito mais tecnológico do que as gerigonças que produzimos e chamamos de “cérebro”.”
      – R: Não sr. Ariovaldo, o senhor confunde as coisas e não tem a mínima noção do que esta escrevendo…vide a sua afirmação sobre ‘automóveis vivos’…

      “Apenas que o automóvel que “alguém projetou, outro alguém desenhou, e outro alguém fabricou”, se torna “vivo-vivo” sob o comando de outro alguém que chamamos de “motorista”, ”
      – R: Não, carros sao objetos e não seres vivos. Teste: Ponha na mesma garagem um Jetta Sedan e uma Perua Jetta e fique observando por um ano…se os dois carro produzirem sozinhos um fusquinha, eu revejo meus conceitos…do contrario, você precisa se tratar com algum psiquiatra.

      “A questão simples que o cientista nunca vai constatar, se não acreditar, É DESCOBRIR QUEM É O “MOTORISTA” QUE COMANDA O ORGANISMO DO HOMEM,”
      – R: Não existe essa analogia…Porque primeiro é preciso PROVAR a existência desse tal ‘motorista’, e isso ninguém faz…

      “que é uma máquina análoga ao automóvel. Precisa de combustível (comida), ar, água, reações químicas como combustão etc., ‘motor’ para se mover etc. etc.”
      – R: Você esqueceu só uma ‘coisinha’ (de proposito por hipocrisia??) EXTREMAMENTE importante para se constatar ‘vida’, reprodução com transmissão de seus códigos genéticos!!

      “Só não vê quem não quer, COM TODOS DIPLOMAS DE PhD PENDURADOS NA PAREDE.”
      – R: Já alguns preferem enxergar magica sobrenatural através de suas esquizofrenias…

      Não, cientistas se preocupam com evidencias, e essas apontam para o inicio da vida e a evolução através de mecanismos naturais…sua ignorância no assunto e falta de compreensão não as contestam, apenas demonstram isso, ignorância…
      Já disse, deixe de ler e ver vídeos de criacionistas desonestos, isso lhe deixa mais desinformado ainda do que você esta!

  2. que é uma máquina análoga ao automóvel. Precisa de combustível (comida), ar, água, reações químicas como combustão etc., ‘motor’ para se mover etc. etc. Só não vê quem não quer, COM TODOS DIPLOMAS DE PhD PENDURADOS NA PAREDE. arioba.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s