O EXTINTO HOMEM DAS ÁRVORES ANDAVA DE MODO EMPROADO

Mãos e pés de Homo naledi poderiam revelar respostas sobre uma mudança fundamental na evolução humana, uma mudança de uma vida de escalador de árvores para uma caminhada no chão

A mão Homo Naledi e pé foram adaptados exclusivamente para ambos arvorismo e andar ereto. Peter Schmid e William Harcourt-Smith | Universidade Wits. Clique par ampliar

As mãos e os pés de Homo naledi foram adaptados exclusivamente para uma dupla função; arvorismo e o andar ereto. Peter Schmid e William Harcourt-Smith | Universidade Wits. Clique para ampliar

A recém-descoberta espécie extinta – talvez os mais primitivos já descoberto – tinha mãos e pés adaptados a uma vida tanto no solo quanto nas árvores, dizem os pesquisadores.

Essa descoberta lança luz sobre quão cedo os humanos experimentaram com uma variedade de design, acrescentou os cientistas. E, embora as equipes internacionais de cientistas não estejam certas de como um hominíneo extinto teria caminhado, eles dizem que o andar emproado, ou arrogante, teria sido muito diferente do nosso.

Embora o ser humano moderno seja a única espécie homininea viva hoje, outras espécies caminharam juntas na Terra. A linhagem humana, do gênero Homo, e seus parentes próximos, incluindo o australopitecos, como a famosa Lucy, são referidos em conjunto como hominídeos. (Veja mais aqui e aqui)

A espécie “humana”, mais recentemente descoberta, Homo naledi, tinha um cérebro do tamanho de uma laranja, no entanto, possuía o suficiente de uma mente para realizar enterros e rituais de seus mortos. Mais de 1.550 ossos e fragmentos de ossos de H. naledi foram recuperados de uma caverna na África do Sul, o fóssil hominídeo visto como a maior descoberta feita ainda na África. Os cientistas ainda têm de definir uma data para quando H. naledi viveu porque a natureza da caverna em que foi encontrado torna difícil determinar a idade dos seus fósseis. (Saiba mais aqui)

Os cientistas investigaram as mãos e pés de H. naledi para aprender mais sobre uma mudança fundamental na evolução humana; a mudança de uma vida de escalador de árvores para uma vida andando no chão. Os seres humanos modernos dominaram o planeta em parte porque andaram eretos e isto libera suas mãos para o uso de ferramentas, descobriram os cientistas.

Os pesquisadores analisaram mais de 150 ossos da mão de H. naledi, incluindo a mão direita quase completa de um adulto, que faltava apenas um osso do pulso. Eles descobriram que as espécies compartilhavam um polegar robusto e arquitetura longa do pulso com humanos modernos e Neandertais, dando um aperto de mão potencialmente preciso, forte que pode ter sido útil para o uso de ferramentas.

No entanto, os seus dedos eram mais longos e curvos do que a maioria Australopithecíneos – de fato, mais curvos do que aqueles encontrados em quaisquer outras espécies mais antigas de hominíneos. Esta qualidade aponta para uma vida adequada para mover-se e escalar através das árvores. Os cientistas detalharam suas descobertas sobre as mãos e pés de H. naledi na revista on-line hoje em dois artigos na revista Nature Communications.

“As características da mão de H. naledi utilizando ferramentas, em combinação com o seu pequeno tamanho do cérebro, tem implicações interessantes para as exigências cognitivas que podem ser necessárias para fazer e usar ferramentas, e, dependendo da idade destes fósseis, eles podem ter construído ferramentas de pedra que encontramos na África do Sul”. Tracy Kivell na Universidade de Kent, na Inglaterra, é autor de um dos dois papéis H. naledi. Ele disse em um comunicado oficial.

Os cientistas também investigaram 107 ossos do pé de H. naledi, incluindo o pé direito de um adulto quase completa. Eles descobriram que o pé do antigo hominídeo compartilhava muitas características com o pé dos humanos modernos, o que sugere que ele foi adequado para caminhar bem com os dois pés.

“O pé não é inteiramente humanóide, mas é mais humanóide do que o esperado. William Harcourt-Smith, um paleoantropólogo do Lehman College, no Bronx e do Museu Americano de História Natural, em Nova York, disse ao Live Science. “Eu acho que ele teria sido muito bom em andar no chão”.

No entanto, o pé de H. naledi tinha dedos que foram mais curvados do que os dos humanos modernos, apoiando a noção de que o hominídeo também foi relativamente adepto de vida nas árvores.

H. naledi não teria sido de modo algum proficiente como são os chimpanzés; seriam muito mais primitivos em subir em árvores, mas ainda seriam melhores adaptados do que nós”, disse Harcourt-Smith, principal autor do outro paper sobre o H. naledi.

Curiosamente, a pélvis de H. naledi era mais parecida com o de australopitecos, como da Lucy, direcionada mais para fora mais do que a dos humanos modernos.

“Esta configuração moveu os músculos do quadril para longe das articulações e deu-lhes mais força, e talvez mais do que somente uma vantagem aos seres humanos têm hoje”, o co-autor Jeremy DeSilva, um antropólogo da Universidade de Dartmouth, disse no comunicado; “Com o tempo, a arquitetura da pelve evoluiu e se expandiu para permitir o nascimento de bebês com cérebros maiores”.

Estes resultados sugerem que a evolução humana inicialmente envolveu muitas experiências “sobre diferentes maneiras de ser bípede”, disse Harcourt-Smith.

Os cientistas ainda não têm certeza como exatamente H. naledi pode ter caminhado de forma diferente dos humanos modernos. “Mas não há absolutamente nenhuma dúvida de que a sua marcha teria sido diferente”, disse Harcourt-Smith.

Fonte: Scientific American

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s