O QUE OS FÍSICOS QUEREM DIZER QUANDO FALAM DO “NADA”?

Os filósofos debateram a natureza do “nada” por milhares de anos, mas o que a ciência moderna tem a dizer sobre isso? Em uma entrevista com The Conversation, Martin Rees, astrônomo e professor emérito de cosmologia e astrofísica na Universidade de Cambridge, explica que quando os físicos falam de nada, eles querem dizer espaço vazio (vácuo). Isso pode soar simples, mas experimentos mostram que o espaço vazio não é realmente vazio – há uma energia misteriosa latente nele que pode nos dizer algo sobre o destino do universo.

História da galáxia revelada pelo Telescópio Espacial Hubble. Crédito: NASA.

P: O espaço vazio é realmente o mesmo que nada?

R: O espaço vazio parece não ser nada para nós. Por analogia, a água pode não parecer nada para um peixe – é o que resta quando você tira todas as outras coisas flutuando no mar. Da mesma forma, o espaço vazio é considerado bastante complicado.

Nós sabemos que o universo é muito vazio. A densidade média do espaço é de cerca de um átomo em cada dez metros cúbicos – muito mais rarefeito do que qualquer vácuo que possamos alcançar na Terra. Mas mesmo que você leve toda a matéria embora, o espaço tem um tipo de elasticidade que (como foi confirmado recentemente) permite que ondas gravitacionais – ondulações no próprio espaço – se propaguem através dele. Além disso, aprendemos que existe um tipo exótico de energia no próprio espaço vazio.

P: Aprendemos pela primeira vez sobre essa energia do vácuo no século XX com o surgimento da mecânica quântica, que governa o minúsculo mundo de átomos e partículas. Sugere que o espaço vazio é composto de um campo de energia flutuante de fundo – dando origem a ondas e partículas virtuais que entram e saem da existência. Eles podem até criar uma pequena força. Mas e quanto ao espaço vazio em grandes escalas?

R: O fato de que o espaço vazio exerce uma força em larga escala foi descoberto há 20 anos. Os astrônomos descobriram que a expansão do universo estava se acelerando. Isso foi uma surpresa. A expansão era conhecida há mais de 50 anos, mas todos esperavam que ela estivesse diminuindo devido à força gravitacional que as galáxias e outras estruturas exercem umas sobre as outras. Foi, portanto, uma grande surpresa descobrir que essa desaceleração devido à gravidade foi subjugada por algo “empurrando” a expansão. Existe, por assim dizer, energia latente no próprio espaço vazio, que causa uma espécie de repulsão que supera a atração da gravidade nessas grandes escalas. Esse fenômeno – apelidado de energia escura – é a manifestação mais dramática do fato de que o espaço vazio não é inexpressivo e irrelevante. De fato, isso determina nosso universo.

P: Mas existe um limite para o que podemos saber? Em uma escala de um trilhão de trilhões de vezes menor do que um átomo, as flutuações quânticas no espaço-tempo podem originar não apenas partículas virtuais, mas buracos negros virtuais. Esse é um intervalo que não podemos observar e onde temos que combinar teorias da gravidade com a mecânica quântica para investigar o que acontece teoricamente – algo que é notoriamente difícil de fazer.

R: Existem várias teorias que visam entender isso, a mais famosa sendo a teoria das cordas . Mas nenhuma dessas teorias ainda se envolveu com o mundo real – então elas ainda são especulações não testadas. Mas eu acho que quase todo mundo aceita que o próprio espaço poderia ter uma estrutura complicada nesta minúscula escala onde os efeitos gravitacionais e quânticos se encontram.

Sabemos que nosso universo tem três dimensões no espaço: você pode ir para a esquerda e para a direita, para trás e para frente, para cima e para baixo. O tempo é como uma quarta dimensão. Mas é uma forte suspeita de que, se você ampliasse um pequeno ponto no espaço de modo que estivesse investigando essa pequena e minúscula escala … você descobriria que é um origami enrolado em cerca de cinco dimensões extras que não vemos. É como quando você olha para uma mangueira de jardim de longe, você acha que é apenas uma linha. Mas quando você olha mais de perto, percebe que uma dimensão era de fato três dimensões. A teoria das cordas envolve matemática complexa – o mesmo acontece com as teorias rivais. Mas esse é o tipo de teoria que vamos precisar se quisermos entender no nível mais profundo o mais próximo do nada que podemos imaginar: o espaço vazio.

P: Dentro do nosso entendimento atual, como podemos explicar nosso universo inteiro expandindo do nada? Poderia realmente começar com um pouco de energia de vácuo flutuante?

R: Alguma transição ou flutuação misteriosa poderia ter desencadeado repentinamente uma parte do espaço para se expandir – pelo menos é o que pensam alguns teóricos. As flutuações intrínsecas à teoria quântica seriam capazes de abalar todo o universo se fossem espremidas a uma escala suficientemente pequena. Isso aconteceria em um tempo de cerca de 1044 segundos – o que é chamado de tempo de Planck. Essa é uma escala em que o tempo e o espaço estão interligados, de modo que a idéia de um relógio que está passando não faz sentido. Podemos extrapolar nosso universo com alta confiança de volta a um nanossegundo e com alguma confiança de volta muito mais perto do tempo de Planck. Mas depois disso, todas as apostas estão fora porque … física nesta escala tem que ser substituída por alguma teoria grandiosa, mais complicada.

P: Se é possível que uma flutuação de alguma parte aleatória do espaço vazio tenha dado origem ao universo, por que não poderia exatamente a mesma coisa acontecer em outra parte do espaço vazio – dando origem a universos paralelos em um multiverso infinito?

R: A ideia de que o nosso Big Bang não é o único e que o que vemos com os nossos telescópios é que uma pequena fração da realidade física é popular entre muitos físicos. E existem muitas versões de um universo cíclico. Foi apenas há 50 anos que surgiram fortes evidências de um Big Bang. Mas desde então tem havido especulações sobre se isso é apenas um episódio em um universo cíclico. E tem havido uma crescente atração pelo conceito de que há muito mais na realidade física do que o volume de espaço e tempo que podemos investigar – mesmo com os telescópios mais poderosos.

Então não temos idéia se houve um Big Bang ou muitos – há cenários que prevêem muitos Big Bangs e alguns que preveem um. Acho que devemos explorar todos eles.

P: Como o universo vai acabar?

R: A previsão mais direta de longo prazo prevê que o universo continue se expandindo em ritmo acelerado, ficando cada vez mais vazio e cada vez mais frio. As partículas nele podem decair, fazendo a diluição prosseguir indefinidamente. Acabaríamos, em certo sentido, com um enorme volume de espaço, mas seria ainda mais vazio do que o espaço é agora. Esse é um cenário, mas há outros que envolvem a “direção” da energia escura, revertendo da repulsão à atração, de modo que haverá um colapso no chamado “Big Crunch“, quando a densidade se dirigir ao infinito novamente.

Há também uma idéia, devido ao físico Roger Penrose, de que o universo continua se expandindo, tornando-se cada vez mais diluído, mas de alguma forma – quando não tem nada além dos fótons, partículas de luz – as coisas podem ser “redimensionadas” de modo que, após essa enorme diluição, o espaço se torna, de certo modo, o gerador de um novo Big Bang. Então essa é uma versão bastante exótica do antigo universo cíclico – mas, por favor, não me peça para explicar as idéias de Penrose.

P: O quanto você está confiante de que a ciência pode acabar quebrando o que não é nada? Mesmo se pudéssemos provar que nosso universo começou a partir de uma estranha flutuação de um campo de vácuo, não precisamos perguntar de onde veio esse campo de vácuo?

R: As ciências tentam responder a perguntas, mas toda vez que as respondemos, novas entram em foco – nunca teremos uma visão completa. Quando eu estava começando a pesquisa no final dos anos 1960, era controverso se houve um Big Bang. Agora isso não é mais controverso, e podemos dizer com cerca de 2% de precisão como era o universo desde os atuais 13,8 bilhões de anos até um nanossegundo. Isso é um enorme progresso. Portanto, não é absurdamente otimista acreditar que, nos próximos 50 anos, as questões desafiadoras sobre o que acontece nas eras quântica ou “inflacionária” serão compreendidas.

Mas é claro que isso levanta outra questão: quanto da ciência será acessível ao cérebro humano? Pode acontecer, por exemplo, que a matemática da teoria das cordas seja, em certo sentido, uma descrição correta da realidade, mas que nunca seremos capazes de compreendê-la bem o suficiente para confrontá-la com qualquer observação genuína. Então podemos ter que esperar o surgimento de algum tipo de pós-humanos para obter uma compreensão mais completa.

Mas todo mundo que pondera esses mistérios deve perceber que o espaço vazio do físico – o vácuo – não é o mesmo que o “nada” do filósofo.

Fonte: Phys.org

3 thoughts on “O QUE OS FÍSICOS QUEREM DIZER QUANDO FALAM DO “NADA”?

  1. “O homem adâmico…blá,blá.blá…”
    – R: Isso em ciência não existe.

    “A religião tanto quanto Adão e Eva ou homem agrícola foram marcos à espécie humana…”
    – R: Não, Adão e Eva não passa de uma metáfora.

    “Claro que os anti-religiosos não admitem o óbvio por “mera crença pessoal”, que não se discute.”
    – R: Exatamente, enquanto CRENÇA PESSOAL você pode acreditar no que quiser, até em Adão e Eva…ou que se morrer em uma Jihad você terá 70 virgens no paraíso…
    Mas em ciência existe uma coisa chamada EVIDÊNCIA, e aí Sr. Ariovaldo não tem essa de que ‘não se discute’, em ciência você tem que DEMONSTRAR o que você afirma através de EVIDÊNCIAS…e é aí que a coisa pega pra vocês ‘crentes’. 😉

    “Então, Darwin marcou um estágio na ciência, quando estudando “organismos vivos””
    – R: Coisa que não da pra fazer com sua crença supersticiosa em almas, espíritos, fantasmas, etc…

    “cuja “espécie” sacou que evoluía por “seleção natural”, desbancou uma crença religiosa principalmente no Ocidente de um Deus Infinito “fazedor de tudo”.”
    – R: Não rei das falácias, não foi isso o que aconteceu.
    ele apenas publicou (depois de mais de 20 anos aguardando!!) seus estudos…ele não desbancou nenhuma crença religiosa e muito menos tinha a pretensão de fazer isso, aliás, se não fosse ele publica, teria sido Wallace, já que o mesmo INDEPENDENTEMENTE de Darwin, chegara aos mesmos resultados!
    Isso você omite né hipócrita?! 🙂

    “Claro que os evolucionistas não admitem que a espécie não existe”
    – R: Veja que engraçado, você diz que espécies não existem por mais que tenhamos diversas evidências a respeito…mas em almas e espíritos, que NÃO POSSUEM UMA ÚNICA EVIDÊNCIA, você não só acredita como afirma que existem!!
    É ou não é o cumulo da hipocrisia?!? Heheheheehe

    “E se espécie não existe, chutar que elas evoluem de acordo com a seleção natural, só pode ser verdade para quem acredita, que não é diferente de acreditar em Deus fazendo um boneco de barro e soprando vivo.”
    – R: Uma coisa tem EVIDÊNCIAS a outra não!! Então não venha com essa DESONESTIDADE INTELECTUAL que você esta acostumado a utilizar porque aqui não cola! 😉

    “Quanto ao vácuo, a Doutrina Espírita explicou há 1,5 século que o Universos Material é composto de um universo que podemos perceber, e outro que não recursos para tal.”
    – R: Não Sr. das mentiras e falácias toscas, não foi isso que sua doutrina que acredita em fantasmas afirmou…mostre pra nós o tal ‘éter cósmicos’ aí sim começaremos a dar crédito pra sua pantomima…você pode?? Claro que não, seria necessário…EVIDÊNCIAS!! E isso, caro desonesto, você foge como vem fugindo das medusas do lago de Palau há muito tempo! 😉

    Mais blá, blá, blá…e aí temos…

    “Contudo, a explicação demanda crença..”
    – R: Só no seu caso que acredita em seres metafísicos invisíveis…em ciência aceitamos as EVIDÊNCIAS!

    “E CADA UM PODE ACREDITAR NO QUE QUISER”
    – R: Sim, até na fada do dente ou que o Curupira faz as pessoas se perderem na mata…em ciência não, o fato de você ‘acreditar’ que possa saltar de um prédio de 20 andares não fará você levitar e anular a teoria da gravitação universal! 😉

    “até no tal Big Bang, uma “ficção mitológica científica” da atualidade até com contas matemáticas e tudo o mais!”
    – R: Eu sei eu sei…esse negócio de cálculos matemáticos e evidências empíricas é muito chato pra pessoas que acreditam em seres metafísicos e mitológicos.

    “O cientista “faz” o Universo se encaixar na matemática, ao invés do contrário”
    – R: Quando você explicar o afastamento das galáxias e a radiação cósmica de fundo em microondas SEM usar a teoria do Big Bang aí começarei a ficar preocupado…até lá…só mimimimi 🙂

    “é o rabo abanando o cachorro!”
    – R: Continuando sua ‘analogia’…No seu caso, você pegou um cachorro emprestado, com sarna, ele fugiu, e você esta perdido sem nem saber como chegou aí!! Hehehehehe

    • Parece que o sr. Marques está respondendo algum comentário que eu tenha feito (os ítens me são familiares) e que não aparecem no site, estranhamente.
      Mas vou me dar ao luxo de responder o evolucionista fanático, da forma como ele mesmo fez, escolhendo apenas alguns itens.

      – HOMEM ADÂMICO – Isso em ciência não existe!
      – ADÃO E EVA SÃO METÁFORAS
      Um grande defeito do fanatismo é achar que é dono da verdade. O evolucionista se considera ‘cientista’ e como tal se considera “porta-voz da ciência”. Talvez o “cientista” possa explicar o que seja um OVNI, nada mais do que “outro fantasma” que a ciência está correndo atrás! O simples de se crer como cientista, não dá nenhum direito de se fazer representante do que quer que seja, ainda mais falando bobagens.
      Quanto a Adão e Eva não são metáforas, mas “simbolo” do surgimento de uma nova espécie humana, algo como Lucy. Alguém de um pedaço de osso conservado imagina “uma mulher”, lasca “cientificamente” que é representante do “hominídeo”, exibe um diploma de PhD e um lista de nomes “científicos”, e todo evolucionista que se preza acredita que aquilo é verdade. É exatamente o Adão e Eva religioso, que na religião é mentira, mas na cabeça de qualquer evolucionista fanático é verdade. Claro que reconheço que isso é muito acima do bom senso que se pode esperar de qualquer crente fanático.
      – … EM CIÊNCIA EXISTE UMA COISA CHAMADA EVIDÊNCIA…
      Então, me diz, caro pseudo cientista: ONDE ESTÁ A EVIDÊNCIA DO BIG BANG? No que se apura em alguns instrumentos que cientistas Drs. Pardais concluíram se tratar da tal explosão? E ATÉ ENCONTRAM DATA, MAS NÃO SE SABE ONDE? E alguns “iluminados” até falam de “eco da explosão”? E isso é evidência do que, sr cientista de araque?
      A ciência encontra evidência de acordo com SEUS RECURSOS, que mudam todo dia. O que hoje é uma evidência, amanhã pode ser até uma “farsa”. Quando Aristóteles lascou o geocentrismo, ele se baseou na “evidência” de que as cisas caíam para a Terra, que 2 mil anos depois, Newton demonstrou que estava errado (as coisas apenas se atraem pela gravidade). Mas como Aristóteles ia poder “evidenciar” isso na sua época. É a mesma “evidência” que encontrou Darwin, ELE NÃO ESTUDOU SERES-VIVOS, ELE ESTUDOU ORGANISMOS QUE CIRCUNSTANCIALMENTE ESTAVAM VIVOS, senão será o Marques pode explicar o que acontece na morte? O mesmo organismo era “vivo antes, e morto depois”, e de forma que possa ser evidenciado?
      – DARWIN E WALACE
      Darwin aguardou 20 anos tendo “certeza” do que escrevia? PUBLICOU PARA NÃO PERDER A “PATENTE” DA IDEIA. Wallace e Darwin tiveram ambos origem “religiosa” na formação, Wallace inclusive foi um ‘pregador’ do espiritismo. Ambos eram “naturalistas” (nem havia ainda a tal biologia) e o que fizeram foi “descrever seres-vivos” classificados em espécies. Não ditaram “dogmas”, descreveram o que viram, OS EVOLUCIONISTAS FANÁTICOS TRANSFORMARAM SEUS “PALPITES”, EM DOGMAS DE FÉ. E é eu que sou hipócrita, seu pseu cientista de meia tijela!

      E póderíamos ir contestando as bobagens do sr. Marques!
      arioba

      • “ADÃO E EVA SÃO METÁFORAS”
        – R: Exatamente, então pare de usar como exemplo de forma que da a entender como se esse casal realmente tivesse existido.

        “Um grande defeito do fanatismo é achar que é dono da verdade”
        – R: E eu não sei disso? Tem gente aqui que jura de pés juntos que almas e espíritos existem realmente sem nunca ter havido uma única evidência a respeito!! 😉

        “O evolucionista se considera ‘cientista’ e como tal se considera “porta-voz da ciência”.”
        – R: Na verdade ‘ele’ não precisa se considerar, ele apresentando um artigo com EVIDÊNCIAS CINETÍFICAS sobre suas afirmações já o cadastra como tal. 🙂

        “Talvez o “cientista” possa explicar o que seja um OVNI”
        – R: Um ovni é um Objeto Voador Não Identificado, por exemplo: Um balão atmosférico observado por uma ou mais pessoas será um ovni…um drone com luzes penduradas tb será um ovni para essas pessoas, e etc…essa foi fácil!! 🙂

        “Quanto a Adão e Eva não são metáforas, mas “simbolo” do surgimento de uma nova espécie humana, algo como Lucy”
        – R: Decida-se Sr. Ariovaldo, ou são metáforas ou não são…
        Vc esta errado novamente, Lucy é um fóssil de um ancestral do Homosapiens, Adão e Eva não passa de uma estória fictícia retirada de lendas de povos antigos.

        “Alguém de um pedaço de osso conservado imagina “uma mulher””
        – R: Primeiro que não é apenas ‘um pedaço de osso’. Percebe agora o quanto você é desonesto? 🙂

        “lasca “cientificamente” que é representante do “hominídeo””
        – R: Se tivesse pesquisado corretamente e fosse você uma pessoa honesta teria relatado que a quantidade de ossos encontrada de Lucy (40%!!) mostra que realmente ela era um hominídeo! hehehe

        “exibe um diploma de PhD e um lista de nomes “científicos”, e todo evolucionista que se preza acredita que aquilo é verdade”
        – R: Na verdade damos importância às evidências que o tal cientista apresenta em seus artigos científicos, e não a um diploma de PHD…quem geralmente faz essa inversão de valores são cria(n)cionistas. (se a carapuça lhe serviu, sinto muito…)

        “É exatamente o Adão e Eva religioso, que na religião é mentira, mas na cabeça de qualquer evolucionista fanático é verdade”
        – R: A diferença é aquela que você sempre finge que não vê…EVIDÊNCIAS!
        Enquanto que Lucy apresenta 40% de todo seu esqueleto, podendo ser visto, tocado, analisado, etc… Adão e Eva…é somente um conto da carochinha, queira vc ou não.

        “Então, me diz, caro pseudo cientista: ONDE ESTÁ A EVIDÊNCIA DO BIG BANG?”
        – R: A radiação cósmica de fundo em microondas é uma ótima evidência. Se conseguir explicar o que é essa radiação SEM utilizar a teoria do Big Bang vc irá se candidatar ao premio Nobel!! hehehehe

        “No que se apura em alguns instrumentos que cientistas Drs. Pardais concluíram se tratar da tal explosão?”
        – R: Instrumentos esses que são utilizados no mundo todo para rastrear ecos do Big Bang…agora mesmo tem uma agencia espacial chinesa fazendo testes com INSTRUMENTOS no lado escuro da lua!! E aí…sai dessa agora? 🙂

        “E alguns “iluminados” até falam de “eco da explosão”?”
        – R: Não sr.Ariovaldo, não é uma explosão…e sim, expansão. O universo estava comprimido em um ponto e não que ‘surgiu do nada’! (como seu amigo imaginário…rsrsrs…)

        “E isso é evidência do que, sr cientista de araque?”
        – R: É evidência que o universo estava comprimido em um ponto e que repentinamente, expandiu…é isso o que mostra a radiação cósmica de fundo em microondas e o distanciamento entre as galáxias.
        Já para seus devaneios toscos sobre suas crenças pessoais, não temos NENHUMA evidência. Pronto, foi refutado de novo… 😉

        “A ciência encontra evidência de acordo com SEUS RECURSOS, que mudam todo dia.”
        – R: Sim, baseados em EVIDÊNCIAS e não em achismos e crenças mitológicas! 😉

        “senão será o Marques pode explicar o que acontece na morte?”
        – R: Sim, posso…nosso cérebro ‘para de trabalhar’, nossos neurônios cessam a comunicação, e aí…nosso corpo inicia sua decomposição. Fim…
        O que afirmarem ‘depois disso’, é puro achismo e crença sem fundamento.

        “O mesmo organismo era “vivo antes, e morto depois”, e de forma que possa ser evidenciado?”
        – A Lucy era um hominídeo que caminhava na terra a milhões de anos atrás (a analise de datação radiométrica evidencia isso!), morta depois…os fósseis foram encontrados EVIDENCIANDO a existência desse ser como um dos ancestrais do Homosapiens! 😉
        Sinceramente não sei como você pode trocar conhecimento concreto estabelecido por crença mitológica e se sentir melhor com esse ‘autoenganação’…hehehehe

        “Darwin aguardou 20 anos tendo “certeza” do que escrevia?”
        – R: Sim…por conta justamente da perseguição religiosa que sofreria, inclusive dentro de sua própria família…fato!

        “PUBLICOU PARA NÃO PERDER A “PATENTE” DA IDEIA”
        – R: Mentira sua, ou seria mais uma vez desonestidade??
        Ele chegou a trocar cartas com Wallace, eles tiveram contato quando os dois SEPARADAMENTE chegaram as mesmas conclusões nos seus estudos!
        Foi Wallace que incentivou a Darwin publicar seu livro por estar mais completo e pronto.
        Vá procurar se informar melhor sr. Ariovaldo e pare de acreditar em almas penadas e seres mitológicos…

        “Wallace e Darwin tiveram ambos origem “religiosa” na formação”
        – R: Naquela época era comum, afinal não se tinha o conhecimento que temos hoje!

        “Wallace inclusive foi um ‘pregador’ do espiritismo.”
        – R: O que não muda em nada sua conclusão sobre a teoria da evolução das espécies por seleção natural!! hehehehehe
        Aprenda com ele sr. Ariovaldo!! 😉

        “Ambos eram “naturalistas” (nem havia ainda a tal biologia)”
        – R: Sim, biologia só existe por conta do conhecimento baseado na teoria da evolução! Percebe que você mesmo esta se autorefutando?? (não, não percebe…rsrs…)

        “OS EVOLUCIONISTAS FANÁTICOS TRANSFORMARAM SEUS “PALPITES”, EM DOGMAS DE FÉ.”
        – R: Não…na verdade eles reproduziram seus experimentos constatando suas evidências e até melhorando e atualizando os conhecimentos de sua teoria!!

        “E é eu que sou hipócrita”
        – R: Sim…é o que demonstra as refutações acima ao seu texto.

        “seu pseu cientista de meia tijela!”
        – R: Vindo de alguém que confunde seres vivos com maquinas e objetos e se baseia em textos de sites cria(n)cionistas…não devo me preocupar.

        “E póderíamos ir contestando as bobagens do sr. Marques!”
        – R: Poderia, claro…é só mostrar que a radiação cósmica de fundo em microondas não existe e que as galáxias não se afastam, simples assim!! Você consegue sr. Ariovaldo?? Acho que não né… 😉

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s