COMO O ESTRESSE DO CORONAVÍRUS PODE ATRAPALHAR NOSSO CÉREBRO.

Estudos de imagem mostram que devemos nos dar um tempo. Por Laura Sanders.

A pandemia do COVID-19 colocou muitos de nós sob estresse, e novas evidências mostram como esse estresse ajusta nosso cérebro. Canto superior esquerdo: Alissa Eckert e Dan Higgins/cdc; Descanso via Getty images plus, Adaptado por T. Tibbitts.

Estou dentro do prazo, mas em vez de me concentrar, minha mente vibra com chamados não-relacionados. O tablet da minha primeira série precisa de uma atualização antes da sessão da escola on-line amanhã. Mortes comoventes do COVID-19 na cidade de Nova York me fazem chorar de novo. Isso foi o grito de uma criança lá de cima? Preciso correr até lá ou meu marido cuidará disso?

Essas pitadas de ideias expulsam o pensamento claro que meu trabalho exige. Por mais que tente inventar uma história coerente, os fragmentos relevantes flutuam para longe.

Estou disperso, preocupado e cansado. E mesmo sendo todos socialmente isolados, não estou sozinha. A pandemia – e seus transtornos sociais e econômicos – deixaram as pessoas em todo o mundo sentindo que não podem amarrar dois pensamentos juntos. O estresse realmente afetou bastante a gente.

Isso não é surpresa para os cientistas que estudam o estresse. Nossos cérebros não são construídos para pensar, planejar e lembrar de maneira complexa em tempos de grande revolta. Sentir-se prejudicado é “uma resposta biológica natural”, diz Amy Arnsten, neurocientista da Faculdade de Medicina de Yale. “É assim que nossos cérebros são conectados”.

Décadas de pesquisas registraram as maneiras pelas quais o estresse pode atrapalhar os negócios como de costume em nossos cérebros. Estudos recentes deixaram ainda mais claro como o estresse diminui nossa capacidade de planejar o futuro e apontaram uma maneira como o estresse muda a maneira como certas células cerebrais operam.

Os cientistas reconhecem a pandemia como uma oportunidade para um experimento massivo em tempo real sobre o estresse. O COVID-19 nos impôs uma forte mistura de fatores estressores de saúde, econômicos e sociais. E a data final não está à vista. Os cientistas começaram a coletar dados para responder a uma série de perguntas. Mas uma coisa é clara: essa pandemia jogou todos nós em território desconhecido.

Curto-circuito

As habilidades surpreendentes do cérebro humano dependem de uma rede de conexões de células nervosas. Um centro de atividade é o córtex pré-frontal, que é importante para algumas de nossas formas mais sofisticadas de pensar. Essas “funções executivas” incluem pensamento abstrato, planejamento, foco, malabarismo com várias informações e até prática de paciência. O estresse pode abafar os sinais desse hub, mostraram estudos de animais de laboratório e humanos.

“Mesmo o estresse relativamente leve pode prejudicar o córtex pré-frontal”, diz Elizabeth Phelps, psicóloga e neurocientista da Universidade de Harvard. “Esse é um dos efeitos mais fortes do estresse no cérebro”.

Essa deficiência foi descrita em muitos estudos. Um exemplo memorável vem de 20 estudantes de medicina em pânico que enfrentam exames de licenciamento. Após um mês de preparação para o teste de estresse, os alunos tiveram um desempenho pior no teste de atenção do que após o término dos exames. As ressonâncias magnéticas funcionais mostraram que, sob estresse, as conexões pré-frontais dos estudantes com outras áreas do cérebro foram diminuídas, relataram cientistas em Proceedings of the National Academy of Sciences em 2009.

Normalmente, o cérebro de uma pessoa alerta tem quantidades moderadas de mensageiros químicos que levam o córtex pré-frontal a assumir o controle e realizar pensamentos de alto nível (esquerda). Mas, com o estresse, esses sinais químicos podem inundar o cérebro, ativando redes cerebrais ligadas à amígdala envolvidas na detecção e resposta a ameaças (à direita). A. Arnsten.

Quando o córtex pré-frontal fica quieto, mais redes cerebrais reacionárias assumem o controle. Alguns desses circuitos “primitivos”, como Arnsten os chama, centram-se nas amígdalas, duas estruturas em forma de amêndoa enterradas no fundo do cérebro que nos ajudam a sentir e responder a ameaças. Essas reações rápidas e instintivas “são úteis se você estiver enfrentando uma cobra”, diz Arnsten, “mas não serão úteis se você estiver enfrentando uma decisão médica complexa”.

Um experimento mais recente, publicado on-line em 2 de abril na Current Biology, ilustra como o estresse pode afastar as pessoas de um planejamento cuidadoso. Quando as pessoas foram ameaçadas por choques elétricos, suas habilidades para planejar com antecedência voaram pela janela. Anthony Wagner, neurocientista cognitivo da Universidade de Stanford, e colegas pediram a 38 pessoas que aprendessem uma rota familiar pelas cidades virtuais. Com a prática, as pessoas aprenderam essas rotas, bem como a localização de objetos reconhecíveis, como uma zebra, uma maçã, um grampeador ou o rosto da Taylor Swift, ao longo do caminho.

“Nossa pergunta foi: ‘Quais são os efeitos do estresse?’ Wagner diz. Para descobrir, os pesquisadores usaram zaps elétricos “moderadamente dolorosos” para induzir o estresse em alguns participantes, que retornaram a cidades virtuais familiares e foram solicitados a encontrar o caminho para a zebra, por exemplo. Os sujeitos não sabiam quando ficariam chocados e não podiam controlar nenhum aspecto disso.

Após o treinamento, os participantes – alguns estressados ​​pela expectativa de novos choques e outros não – foram enviados de volta à cidade virtual e solicitados a encontrar o caminho para um item específico.

Mas havia um truque: os participantes podiam acessar o grampeador, por exemplo, de forma mais rápida e eficiente, usando um atalho. O atalho, no entanto, exigia mais planejamento, mais iniciativa e uma dependência mais pesada das relações aprendidas anteriormente entre as ruas.

Pessoas estressadas estavam menos inclinadas a usar o atalho, descobriram os pesquisadores. As pessoas que estavam estressadas com a possibilidade de um choque usavam o atalho 31% das vezes, em comparação com 47% das que não estavam estressadas. As pessoas estressadas ainda alcançavam o objetivo que buscavam, mas de maneira indireta.

As varreduras funcionais de ressonância magnética do cérebro sugeriam o que o estresse adicionado fazia ao pensamento dos voluntários. Os objetos plantados na cidade evocavam padrões reconhecíveis de atividade cerebral quando uma pessoa estava vendo um dos objetos vistos anteriormente, ou apenas pensando nisso. Ao identificar essas placas neurais, os pesquisadores podiam dizer quando as pessoas pensavam em um caminho em particular – ou em nenhum caminho.

Os participantes tiveram oito segundos para planejar sua abordagem para alcançar o objeto de destino. Pessoas estressadas geralmente tinham um plano; sua atividade cerebral continha padrões que sinalizavam que esses voluntários estavam pensando nos objetos ao longo da rota de atalho. Os sinais neurais de um plano chegaram a aparecer entre aqueles que escolheram seguir o caminho familiar.

Aqueles que aguardavam um choque pareciam usar pouca previsão. “As pessoas estressadas não pareciam pensar na rota familiar quando a seguiram”, diz Thackery Brown, coautor do estudo, neurocientista cognitivo da Georgia Tech em Atlanta. “Eles estavam nesse tipo de comportamento de piloto automático de luta ou fuga”.

Além disso, o estresse acalmou a atividade das áreas do cérebro necessárias para fazer um bom plano, incluindo uma parte do córtex pré-frontal e do hipocampo, uma estrutura importante para a memória. Essas descobertas sugerem que, sob estresse, somos menos capazes de chamar nossos conhecimentos e memórias aprendidos anteriormente. Estamos trabalhando com um déficit.

“Em certo sentido, somos privilegiados quando não estamos estressados, capazes de aproveitar totalmente nossa maquinaria cognitiva”, diz Wagner. “Isso nos permite nos comportar de maneiras mais estratégicas, mais eficientes e mais direcionadas a objetivos”.

Brown vê paralelos entre esses estressores baseados em laboratório e os estresses complexos e mais duradouros da vida real. Os participantes estavam tentando fazer algo complicado enquanto se preocupavam com outra coisa. O estressor está “operando em segundo plano enquanto você tenta planejar sua vida diária”, diz Brown. “Existe uma conexão com o tipo de coisa que as pessoas estão experimentando agora no contexto da pandemia”.

Células encolhidas

O zoom em células individuais fornece uma visão da destruição física do estresse no cérebro. O estresse pode encolher as células nervosas e separar suas conexões, e o córtex pré-frontal é particularmente vulnerável, sugerem estudos em humanos e outros animais. Outros tipos de células cerebrais também são afetadas, mostram novas pesquisas em ratos.

Células grandes e arbóreas chamadas astrócitos têm muitos empregos no cérebro. Astrócitos especializados chamados Bergmann glia se estendem para sinapses, o espaço entre as células nervosas onde as mensagens químicas fluem e absorvem sinais químicos extras. Isso ajuda a manter as células nervosas se comunicando claramente entre si.

Mas em um teste com ratos estressados ​​pelo cheiro ameaçador de raposa predatória, esses astrócitos se retraíram das sinapses, descobriram o neurocientista Siqiong June Liu, da Faculdade de Medicina da Universidade Estadual da Louisiana, em Nova Orleans, e colegas. Esse afastamento ocorreu com uma única exposição a esse estressante odor de raposa, e as células ainda foram recolhidas 24 horas depois, relataram os pesquisadores no Journal of Neuroscience.

O estresse envia uma mensagem de “redução” para esses astrócitos, reduzindo os níveis de uma proteína chamada GluA1. Não se sabe se um processo semelhante, e as mudanças resultantes na forma como as células do cérebro se comunicam sob estresse, acontecem no cérebro das pessoas.

Alguns sinais de estresse podem percorrer certas estradas neurais. O fisiologista Kazuhiro Nakamura, da Faculdade de Medicina da Universidade de Nagoya, no Japão, e colegas estudaram ratos que acabaram de passar pela experiência estressante de perder uma luta, uma derrota que visa imitar o estresse social humano. Uma região um tanto misteriosa dentro do córtex pré-frontal do rato, chamada DPC/DTT para córtex peduncular dorsal e tenia tecta dorsal, é importante para o envio de sinais estressados, relataram os pesquisadores na Science.

A partir daí, os sinais disparam para o hipotálamo, uma estrutura cerebral que pode desencadear alguns dos efeitos mais óbvios do estresse no corpo, incluindo coração acelerado e sudorese. É possível que áreas cerebrais semelhantes em humanos possam ter um papel no desencadeamento de sinais de estresse.

Essas pistas estão dando aos cientistas uma compreensão mais precisa de como o estresse se move e afeta o cérebro. Porém, os estudos de laboratório sobre o estresse, por design, precisam ter vida curta, com estresse relativamente leve. A aplicação das descobertas de laboratório às experiências das pessoas na vida vem com advertências. Permanecem questões enormes sobre como o estresse esmagador e variado de uma pandemia pode influenciar as pessoas.

Um experimento natural

Psicólogos e cientistas do cérebro estão nisso. Em meados de maio, um banco de dados que rastreia os projetos de ciências sociais COVID-19 tinha 294 projetos de pesquisa relacionados à pandemia atual.

Esses tipos de experimentos naturais – estudando pessoas que experimentaram um estresse intenso e incontrolável em suas vidas – já aconteceram antes. Phelps e colegas estudaram como as pessoas se lembram dos eventos do 11 de setembro. As pessoas que estavam no centro de Manhattan na época dos ataques pareciam confiar mais em suas amígdalas para evocar lembranças do evento chocante do que as que estavam mais distantes, relataram os pesquisadores em 2007 no Proceedings of the National Academy of Sciences . Outros pesquisadores identificaram problemas de pensamento em pessoas que sobreviveram ao furacão Katrina e outros desastres naturais.

O estresse da pandemia do COVID-19 pode influenciar a tomada de decisão, suspeita Phelps. Como você responde ao feedback positivo e negativo quando está estressado? O seu desejo de fazer um trabalho duro muda? Ela e seus colegas esperam obter respostas pesquisando pessoas nos Estados Unidos. Os participantes descreverão suas reações ao estresse e concluirão tarefas on-line que testam a tomada de decisão e a memória.

Outros estudos de longo prazo examinarão como as memórias autobiográficas da pandemia mudam ao longo do tempo, como a pandemia afeta o estresse durante a gravidez e como a mentalidade pode influenciar a maneira como as pessoas lidam.

À medida que esse período caótico prossegue, os estressores mudam e se acumulam. Os cientistas suspeitam que crises sustentadas podem mudar nossos cérebros e suas capacidades de maneiras ainda mais profundas do que o estresse temporário.

Por enquanto, cada um de nós resta gerenciar nossos próprios coquetéis personalizados de estresse. A mina se torna mais potente com uma lista crescente de tarefas, domésticas e relacionadas ao trabalho, a tristeza acumulada de ver meus filhos isolados de seus amigos e um gotejamento constante de pequenas perdas. E eu me preocupo com as muitas pessoas que estão em situação pior, enfrentando doenças e dificuldades financeiras. Isso é muito.

Enquanto todos lidamos com essa realidade, os cientistas têm uma mensagem para nós, uma que acho reconfortante: “Perdoe a si mesmo”, diz Phelps. “Se você está achando difícil se concentrar agora, perdoe a si mesmo”.

Abraçando o estresse

A maioria dos conselhos sobre como lidar com o estresse extremo abrange os cuidados básicos e a alimentação do corpo: coma corretamente, faça exercícios e durma o suficiente. Essas três boas idéias estão no topo de muitas listas de auto-ajuda, assim como reservar tempo para se conectar (por enquanto, remotamente) com os amigos ou fazer algo que traga alegria.

Mas aqui está outra coisa que pode ajudar: um ajuste mental. O estresse – mesmo o estresse severo – não precisa ser uma coisa ruim, diz a psicóloga Alia Crum, da Universidade de Stanford. Ela e seus colegas descobriram que as crenças sobre o estresse têm muito a ver com a maneira como alguém enfrenta desafios. Pessoas que acreditam que o estresse pode ser uma parte importante da vida fazem um trabalho melhor ao lidar com os desafios, sugerem evidências.

Mesmo para as pessoas no brutal programa de treinamento dos Navy SEALs, as pessoas com uma mentalidade que melhora o estresse duraram mais no programa do que as pessoas que consideraram debilitante o estresse, relataram Crum e colegas em 15 de janeiro na Frontiers in Psychology . “Efeitos positivos e até transformadores podem ocorrer mesmo sob os estressores mais extremos”, diz Crum. “Esses efeitos são mais propensos a ocorrer quando as pessoas têm uma mentalidade que as orienta dessa maneira.”

Para ajudar as pessoas a mudar seu pensamento, Crum ajudou a desenvolver uma abordagem com três etapas principais : reconhecer o estresse, reconhecer que o estresse é causado por coisas que valorizamos e, finalmente, descobrir uma maneira de usar esse estresse em nosso proveito.

Fonte: Science News

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s