DESCOBERTA DA MAIS ANTIGA EVIDÊNCIA DE MOBILIDADE NA TERRA.

Uma equipe internacional e multidisciplinar coordenada por Abderrazak El Albani no Institut de chimie des matieux et materiaux de Poitiers (CNRS/Université de Poitiers) descobriu os mais antigos vestígios fossilizados de motilidade. Enquanto os remanescentes anteriores foram datados de 570 milhões de anos atrás, essa nova evidência tem 2,1 bilhões de anos. Eles foram descobertos em um depósito fóssil no Gabão, onde os organismos multicelulares mais antigos já foram encontrados (1). Estes resultados aparecem em uma edição de 2019 do PNAS.

Anteriormente, os traços mais antigos desse tipo datavam de aproximadamente 600 milhões de anos atrás: o período Ediacarano, também caracterizado por um pico de di-oxigênio e uma proliferação na biodiversidade. Barra de escala: 1 cm.
Crédito: A. El Albani/IC2MP/CNRS – Universidade de Poitiers.

Há alguns anos, o geólogo Abderrazak El Albani e sua equipe no Institut de chimie des matieux et materiaux de Poitiers (CNRS/Université de Poitiers) descobriram os fósseis de organismos multicelulares existentes mais antigos em um depósito no Gabão. Localizado na Bacia de Franceville, o depósito permitiu aos cientistas relançar o surgimento da vida multicelular na Terra para 2,1 bilhões de anos – aproximadamente 1,5 bilhão de anos antes do que se pensava (600 milhões). Na época, pesquisadores mostraram que essa rica biodiversidade co-ocorreu com um pico de di-oxigênese da atmosfera (2) e se desenvolveu em um ambiente marinho calmo e raso.

Neste mesmo depósito geológico, a equipe descobriu agora a existência de traços de motilidade fossilizados. Isso mostra que certos organismos multicelulares neste ecossistema marinho primitivo eram sofisticados o suficiente para se moverem através de sua lama, rica em matéria orgânica.

Os traços foram analisados ​​e reconstruídos em 3D usando-se a tomografia computadorizada de raios-X, uma técnica de imagem não destrutiva. As estruturas mais ou menos sinuosas são tubulares, de um diâmetro geralmente consistente de poucos milímetros, e atravessam camadas finas de rochas sedimentares. Análises geométricas e químicas revelam que elas são de origem biológica e apareceram ao mesmo tempo em que o sedimento foi depositado.

Os traços estão localizados próximos a biofilmes microbianos fossilizados (3), que formaram tapetes entre as camadas sedimentares superficiais. É plausível que os organismos por trás desse fenômeno tenham se movido em busca de elementos nutritivos e do di-oxigênio, ambos produzidos por cianobactérias.

Como eram esses elementos vivos? Embora seja difícil saber com certeza, elas podem ter sido semelhantes às amebas coloniais, que se aglomeram quando os recursos se tornam escassos, formando um tipo de lesma que se move em busca de um ambiente mais favorável.

Até agora, os traços mais antigos de movimento reconhecido foram datados de 570 milhões de anos atrás; uma estimativa que parecia ser confirmada pelo relógio molecular (4). Evidência de motilidade encontrada na rocha que tem 2,1 bilhões de anos levanta novas questões sobre a história da vida: foi essa inovação biológica o prelúdio para formas mais aperfeiçoadas de movimento, ou um experimento interrompido pela drástica queda nas taxas atmosféricas de oxigênio a 2,083 bilhões de anos atrás?

Jornal Referência: Abderrazak El Albani, M. Gabriela Mangano, Luis A. Buatois, Stefan Bengtson, Armelle Riboulleau, Andrey Bekker, Kurt Konhauser, Timothy Lyons, Claire Rollion-Bard, Olabode Bankole, Stellina Gwenaelle Lekele Baghekema, Alain Meunier, Alain Trentesaux, Arnaud Mazurier, Jeremie Aubineau, Claude Laforest, Claude Fontaine, Philippe Recourt, Ernest Chi Fru, Roberto Macchiarelli, Jean Yves Reynaud, François Gauthier-Lafaye, Donald E. Canfield. Organism motility in an oxygenated shallow-marine environment 2.1 billion years agoProceedings of the National Academy of Sciences, 2019; 201815721 DOI: 10.1073/pnas.1815721116

Fonte: Science Daily

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s