O ROVER PERSEVERANCE DA NASA BUSCARÁ SINAIS DE VIDA PASSADA EM MARTE.

Uma infinidade de instrumentos irá coletar rochas e estudar o clima no Planeta Vermelho.

O novo rover da NASA é um estudioso das rochas marcianas. A principal tarefa do rover Perseverance, é retirar rochas que possam preservar sinais de vida passada e armazenar as amostras para uma futura missão de volta à Terra.

“Estamos dando um presente para o futuro”, diz o cientista planetário Adrian Brown, que trabalha na sede da NASA em Washington, DC

A maioria dos sete conjuntos de instrumentos científicos do rover trabalha a serviço desse objetivo, incluindo câmeras com zoom para selecionar as melhores rochas de longe, lasers e espectrômetros para identificar a composição química de uma rocha. Depois que o rover pousar em fevereiro de 2021, ele será capaz de coletar e armazenar 20 amostras no primeiro ano marciano (cerca de dois anos terrestres). A equipe da NASA planeja coletar pelo menos 30 amostras ao longo de toda a missão, diz a cientista planetária Katie Stack Morgan, do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA em Pasadena, Califórnia.

Felizmente, Perseverance está se dirigindo para um local que deveria estar cheio de pedras dignas de coleção. O local de pouso na cratera Jezero, logo ao norte do equador marciano, contém um antigo delta de rio que parece ter transportado água e lodo para um lago de longa vida.

“Já podemos prever quais partes desse delta podem nos dar o maior retorno para possíveis bioassinaturas”, diz Stack Morgan. A cratera tem um “anel de banheira” de carbonatos, minerais que se depositam em águas rasas e quentes que são especialmente boas para preservar os sinais de vida. “Isso torna Jezero especial”, diz ela.

Mas Perseverance é mais do que um colecionador de rochas. O rover vai sondar o solo sob suas rodas, pilotar um helicóptero, rastrear o clima e testar a tecnologia para transformar o ar marciano em combustível de foguete. Cada parte do rover tem um trabalho a fazer.

RIMFAX

RIMFAX, ou Radar Imager for Mars ‘Subsurface Experiment, usará ondas de rádio para sondar o solo sob as rodas do rover. O instrumento fará uma medição a cada 10 centímetros ao longo da trilha do rover e deve ser capaz de detectar 10 metros de profundidade, dependendo do que está lá embaixo. A sonda InSight, atualmente em Marte, tem um sismômetro que detecta terremotos marcianos, mas um radar de penetração no solo para entender o interior de Marte é a primeira vez.

MOXIE

Exploradores humanos precisarão de oxigênio em Marte, mas não apenas para respirar, diz o ex-astronauta Jeffrey Hoffman. “É para o foguete”, diz Hoffman, agora engenheiro do MIT. Para decolar da superfície marciana e voltar para casa, os astronautas precisarão de combustível de foguete composto de oxigênio líquido. Trazer todo esse combustível da Terra não é uma opção.

Para demonstrar como fazer combustível do zero, o MOXIE, ou Experimento de Utilização de Recursos In-Situ de Oxigênio de Marte, puxará o dióxido de carbono da atmosfera marciana e o converterá em oxigênio. O MOXIE produzirá cerca de 10 gramas de oxigênio por hora, o que é apenas cerca de 0,5% do que é necessário para produzir combustível suficiente para uma missão humana durante os 26 meses entre as janelas de lançamento. Mas o esforço ensinará aos engenheiros da Terra como ampliar a tecnologia.

Mastcam-Z

Situado no topo do pescoço do Perseverance, Mastcam-Z, o principal par de olhos do rover, pode girar 360 graus lateralmente e 180 graus para cima e para baixo para visualizar a paisagem circundante. Como seu antecessor no rover Curiosity, a câmera irá capturar imagens coloridas, 3-D e panorâmicas para ajudar os cientistas a entender o terreno e a mineralogia das rochas ao redor. O Mastcam-Z também pode aproximar recursos distantes – uma inovação para um Mars rover.

SuperCam

Como a Perseverança pode procurar sinais de microrganismos antigos em rochas muito distantes para serem tocadas? Digite SuperCam, um espectrômetro de laser montado na cabeça do rover. O SuperCam vai atirar em rochas com um laser a mais de sete metros de distância, vaporizando uma pequena porção dos minerais. Os pesquisadores então analisarão o vapor para ajudar a descobrir do que as rochas são feitas, sem ter que dirigir o rover por encostas íngremes ou penhascos íngremes. O laser também medirá propriedades da atmosfera e da poeira de Marte para refinar os modelos meteorológicos.

MEDA

MEDA, ou Mars Environmental Dynamics Analyzer, é a estação meteorológica do rover. Seis instrumentos distribuídos pelo pescoço, corpo e interior medem a temperatura do ar, pressão do ar, umidade, radiação e velocidade e direção do vento. As ferramentas também irão analisar as características físicas da importantíssima poeira de Marte. Os cientistas esperam usar as informações desses sensores para prever melhor o clima de Marte.

PIXL, SHERLOC e WATSON

Os geólogos nunca vão a campo sem lentes manuais. Da mesma forma, o Perseverance será preparado com três instrumentos de aumento montados no braço. O PIXL, o instrumento planetário para litoquímica de raios-X, terá uma câmera que pode resolver grãos de rocha e sujeira marcianos em escalas menores que um milímetro. Ele também detectará a composição química dessas rochas, atingindo-as com raios-X e medindo o comprimento de onda da luz que as rochas emitem em resposta. SHERLOC, ou Scanning Habitable Environments with Raman and Luminescence for Organics and Chemicals, fará medições semelhantes usando um laser ultravioleta. WATSON, o sensor topográfico de grande angular para operações e engenharia, vai tirar fotos com uma resolução de 30 micrômetros para colocar a química em contexto.

Ingenuity

Este helicóptero será um caso de teste para futuras missões de reconhecimento para ajudar o rover a ver mais adiante em Marte. JPL-CALTECH / NASA

O Perseverance também carregará um passageiro clandestino dobrado em estilo origami em um escudo protetor do tamanho de uma caixa de pizza: um helicóptero chamado Ingenuity. Em um assoalho plano, o Ingenuity vai cair no chão e se desdobrar, então fará cerca de cinco voos em 30 dias marcianos. Esses voos são principalmente para mostrar que o helicóptero pode obter sustentação suficiente na tênue atmosfera marciana. Se o Ingenuity for bem-sucedido, os futuros helicópteros podem ajudar a fazer o reconhecimento dos rovers. “Sempre há uma pergunta com o veículo espacial, o que há naquele penhasco? O que há com esse aumento?” diz o cientista planetário Briony Horgan, da Purdue University em West Lafayette, Indiana. “Se você tem um helicóptero, pode ver essas coisas com antecedência.”

Fonte: Science News

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s