DNA DE DENTES DE LEITE DE 31.000 ANOS LEVA À DESCOBERTA DE UM NOVO GRUPO DE ANTIGOS SIBERIANOS.

Dois dentes de leite de crianças, enterrados em um local arqueológico remoto no nordeste da Sibéria, revelaram que um grupo desconhecido de pessoas viveu lá durante a última Era Glacial. A descoberta foi parte de um estudo mais amplo que também descobriu que restos humanos de 10 mil anos de idade em outro local da Sibéria são geneticamente relacionados aos nativos americanos – a primeira vez que tais ligações genéticas estreitas foram descobertas fora dos EUA.

Representação de pessoas da era glacial (image Stock). Crédito: © anibal/Adobe Stock

A equipe internacional de cientistas, liderada pelo professor Eske Willerslev, que ocupa o St John’s College, da Universidade de Cambridge, e diretor do Centro de GeoGenética da Universidade Lundbeck de Copenhagen, nomeou o novo grupo de pessoas de ‘Ancient North Siberians’ (Antigos Siberianos do Norte) e descreveu sua existência como “uma parte significativa da história humana”.

O DNA foi recuperado dos únicos restos humanos descobertos na época – dois minúsculos dentes de leite – que foram encontrados em um grande sítio arqueológico encontrado na Rússia perto do rio Yana. O local, conhecido como Yana Rhinoceros Horn Site (RHS), foi encontrado em 2001 e possui mais de 2.500 artefatos de ossos de animais e marfim, juntamente com ferramentas de pedra e evidências de habitação humana.

A descoberta publicada é parte de um estudo mais amplo na Nature e mostra os norte-siberianos antigos suportaram condições extremas na região 31.000 anos atrás e sobreviveram por caça mamutes, rinocerontes lanudos, e bisões.

O professor Willerslev disse: “Essas pessoas eram uma parte significativa da história da humanidade, elas se diversificaram quase ao mesmo tempo que os ancestrais dos asiáticos e europeus modernos e é provável que em um ponto eles ocuparam grandes regiões do hemisfério norte”.

O Dr. Martin Sikora, do Centro de GeoGenética da Fundação Lundbeck e primeiro autor do estudo, acrescentou: “Eles se adaptaram a ambientes extremos muito rapidamente e foram altamente móveis. Essas descobertas mudaram muito do que pensávamos saber sobre o histórico populacional” do nordeste da Sibéria, mas também o que sabemos sobre a história da migração humana como um todo”.

Pesquisadores estimam que os números da população no local teriam sido cerca de 40 pessoas com uma população maior de cerca de 500. A análise genética dos dentes de leite revelou que os dois indivíduos seqüenciados não mostraram evidências de endogamia que estava ocorrendo nas populações Neandertais em declínio no momento.

A dinâmica populacional complexa durante este período e comparações genéticas com outros grupos de pessoas, antigas e recentes, são documentadas como parte do estudo mais amplo que analisou 34 amostras de genomas humanos encontrados em sítios arqueológicos antigos no norte da Sibéria e na Rússia central.

O professor Laurent Excoffier, da Universidade de Berna, na Suíça, disse: “Notavelmente, os povos antigos do norte da Sibéria estão mais relacionados aos europeus do que aos asiáticos e parecem ter migrado da Eurásia Ocidental logo após a divergência entre europeus e asiáticos”.

Os cientistas descobriram que os antigos siberianos do norte geraram o mosaico genético de pessoas contemporâneas que habitam uma vasta área no norte da Eurásia e nas Américas – fornecendo o “elo perdido” da compreensão da genética dos ancestrais americanos nativos.

É amplamente aceito que os seres humanos chegaram primeiro às Américas, da Sibéria ao Alasca, através de uma ponte de terra que atravessava o estreito de Bering, submersa no final da última Era Glacial. Os pesquisadores conseguiram identificar alguns desses ancestrais como grupos de povos asiáticos que se misturaram com os antigos siberianos do norte.

O professor David Meltzer, da Southern Methodist University, Dallas, um dos autores do artigo, explicou: “Nós obtivemos informações importantes sobre o isolamento populacional e mistura que ocorreu durante as profundezas do Último Máximo Glacial – o tempo mais frio e mais severo da Idade do Gelo e finalmente, a ancestralidade dos povos que emergiriam daquela época como ancestrais dos povos indígenas das Américas”.

Esta descoberta foi baseada na análise de DNA de um homem de 10 mil anos de idade encontrado em um local próximo ao rio Kolyma, na Sibéria. O indivíduo deriva sua ancestralidade a partir de uma mistura de DNA antigo da Sibéria do Norte e DNA do Leste Asiático, que é muito semelhante ao encontrado em nativos americanos. É a primeira vez que os restos humanos relacionados com as populações indígenas americanas foram descobertos fora dos EUA.

Professor Willerslev acrescentou: “Os restos são geneticamente muito próximos aos ancestrais dos falantes paleo-siberianos e próximos aos ancestrais dos nativos americanos. É uma peça importante no quebra-cabeça da compreensão da ascendência dos nativos americanos como você pode ver a assinatura Kolyma nos nativos americanos e paleo-siberianos. Esse indivíduo é o elo perdido da ancestralidade dos nativos americanos”.

Jornal Referência: Martin Sikora, Vladimir V. Pitulko, Vitor C. Sousa, Morten E. Allentoft, Lasse Vinner, Simon Rasmussen, Ashot Margaryan, Peter de Barros Damgaard, Constanza de la Fuente, Gabriel Renaud, Melinda A. Yang, Qiaomei Fu, Isabelle Dupanloup, Konstantinos Giampoudakis, David Nogués-Bravo, Carsten Rahbek, Guus Kroonen, Michaël Peyrot, Hugh McColl, Sergey V. Vasilyev, Elizaveta Veselovskaya, Margarita Gerasimova, Elena Y. Pavlova, Vyacheslav G. Chasnyk, Pavel A. Nikolskiy, Andrei V. Gromov, Valeriy I. Khartanovich, Vyacheslav Moiseyev, Pavel S. Grebenyuk, Alexander Yu. Fedorchenko, Alexander I. Lebedintsev, Sergey B. Slobodin, Boris A. Malyarchuk, Rui Martiniano, Morten Meldgaard, Laura Arppe, Jukka U. Palo, Tarja Sundell, Kristiina Mannermaa, Mikko Putkonen, Verner Alexandersen, Charlotte Primeau, Nurbol Baimukhanov, Ripan S. Malhi, Karl-Göran Sjögren, Kristian Kristiansen, Anna Wessman, Antti Sajantila, Marta Mirazon Lahr, Richard Durbin, Rasmus Nielsen, David J. Meltzer, Laurent Excoffier, Eske Willerslev. The population history of northeastern Siberia since the PleistoceneNature, 2019; DOI: 10.1038/s41586-019-1279-z

Fonte: Science Daily

One thought on “DNA DE DENTES DE LEITE DE 31.000 ANOS LEVA À DESCOBERTA DE UM NOVO GRUPO DE ANTIGOS SIBERIANOS.

  1. Muito interessante. Tem previsão de quando saem outros artigos seus com refutações a criacionistas? Acho que esses textos são o ponto alto do seu blog.
    Se puder dá uma olhada no site “Jeh meus pensamentos”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s